Israel-Palestina: Um só estado não é irrealista

| 5 Fev 21

“Israel-Palestina pode bem ser uma pátria judia que seja, também, uma pátria palestiniana”.(Jerusalém, a Cidade Velha. Foto Albin Hillert/WCC )

 

A solução de dois estados para sair do conflito entre Israel e Palestina não passa hoje de discurso politicamente correto, sem qualquer correspondência com a realidade territorial e demográfica da Palestina aquém-Jordão.

Mesmo que Israel recuasse para as fronteiras pré-1967 – o que é de todo em todo improvável – os dois pequenos enclaves da Cisjordânia e de Gaza (com uma área somada de 6 mil km2, o equivalente a duas vezes a Área Metropolitana de Lisboa) não seria suficiente a longo prazo para conter uma população em constante crescimento, que é já hoje de cerca de cinco milhões de almas (ca. de dois milhões em Gaza e três milhões e meio na Cisjordânia). Já para não falar daqueles milhões de refugiados que se encontram em campos por todo o Médio-Oriente – especialmente no Líbano, Síria, Jordânia –, e que seria expectável que pelo menos alguns deles desejassem regressar ao seu novo estado. Além do mais, um novo estado palestiniano baseado nos dois enclaves Cisjordânia+Gaza seria sempre um estado estropiado, atravessado a meio por 40 km de território israelita. E manifestamente super-povoado, como já o é atualmente Gaza, com todos os problemas que daí decorrem.

Há poucos dias, recebi um comentário, que agradeço, ao meu artigo “Israel-Palestina: Um horizonte de unidade para uma terra perpetuamente dividida”, publicado no 7MARGENS, que classificava a tese que proponho de um só estado israelo-palestiniano como “absolutamente irrealista”.

Admito que, num ou noutro ponto, os meios que apresento possam ser considerados irrealistas ou ultra-utópicos, mas no essencial, a proposta de um só estado nem sequer é nova. Uma breve pesquisa online revela, afinal, que esta proposta está mesmo no centro do debate em alguns importantes círculos intelectuais americanos e europeus.

Uma das obras de referência sobre o assunto parece ser One State Solution – A Breakthrough for Peace in the Israeli-Palestinian Deadlock, de Virginia Tilley, publicada em 2005 pela Universidade do Michigan.

Artigos em jornais tão renomados como o New York Times ou a revista Foreign Affairs discutem também o assunto desassombradamente, como uma possibilidade realista passível de desbloquear o impasse atual.

Vale a pena referir que o autor do primeiro artigo, Peter Beinart, é judeu e descendente de judeus da diáspora. Uma frase pode bem resumir o fundamental do seu texto: “Israel-Palestine can be a Jewish home that is also, equally, a Palestinian home” (“Israel-Palestina pode bem ser uma pátria judia que seja, também, uma pátria palestiniana”).

Também do lado de cá do Atlântico, a ideia parece estar no centro de um debate acerca do modo como a própria Europa se deve reposicionar face ao problema no contexto das relações com Israel. Com efeito, um artigo publicado este mês no próprio site do Conselho Europeu para os Assuntos Estrangeiros (European Council for Foreign Affairs), e significativamente intitulado The end of Oslo: A new European strategy on Israel-Palestine, explora o assunto sem preconceitos. Cito apenas uma frase: “The absence of a two-state solution will mean Israel ensuring equal rights for Palestinians in one democratic state.” (“A ausência de uma solução de dois Estados significará que Israel garantirá a igualdade de direitos para os palestinianos num único Estado democrático”).

De facto, esta é uma ideia que também exploro no meu artigo e que me parece uma conclusão evidente a partir do status quo atual: Israel não pode prosseguir com a ocupação e eventual assimilação total dos territórios palestinianos sem conferir, ao mesmo tempo, plena cidadania aos palestinianos.

Em última instância, terá de haver uma escolha derradeira entre apartheid e plena integração; e se a primeira hipótese não é sustentável, então só a segunda pode ser. E é com base neste pressuposto e neste horizonte de futuro que a Europa, segundo o autor, deve redefinir as suas relações com Israel, colocando nesse ponto a sua pressão diplomática: se não é possível exigir o fim da ocupação, exija-se, pelo menos, a plena integração e cidadania para os cidadãos palestinianos.

Melhor do que um estado ou pseudo-estado estropiado para os palestinianos, confira-se-lhes plena cidadania num país democrático e secular, em igualdade com qualquer outro cidadão israelita, para que possam movimentar-se livremente, trabalhar, ter acesso às mesmas oportunidades.

Enfim, parece que a ideia de um só estado não é assim tão irrealista e ultra-utópica. Israelitas e palestinianos estão, segundo creio, condenados a entender-se. E de uma forma ou de outra, mais unitária ou confederada, a partilhar o mesmo território, que no fim de contas não é assim tão grande e pleno de recursos (água, especialmente) que possa admitir uma partição justa para ambas as partes.

 

Ruben Azevedo é professor e membro do Ginásio de Educação Da Vinci – Campo de Ourique (Lisboa).

 

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa

Precisamos de nos ouvir (21) – Luísa Ribeiro Ferreira: Um confinamento na companhia de Espinosa novidade

Recebi do 7MARGENS um convite para escrever sobre a minha experiência desta pandemia, partilhando a fragilidade da condição que actualmente vivemos. Respondo recorrendo a Espinosa, o filósofo com quem mais tenho dialogado e que durante o presente confinamento revisitei várias vezes, quer por obrigação (atendendo a compromissos) quer por devoção (a leitura das suas obras é sempre gratificante).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Cacofonia

Os Dias da Semana – Cacofonia novidade

É cruel a guerra pelos dois ou três minutos de fama nos media; é feroz o combate por visualizações, partilhas e comentários nas redes sociais. A atenção é um bem escasso que é preciso disputar sem piedade. A intensificação da concorrência oferece uma cacofonia deplorável.

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica novidade

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Frequência dos seminários continua em queda em Espanha novidade

A Conferência Episcopal Espanhola tornou público que a totalidade dos seminários existentes no país é frequentada neste ano letivo 2020-21 por 1893 alunos. O comunicado da Comissão para o Clero e os Seminários, divulgado nesta quarta-feira, 3 de março, especifica existirem 1066 jovens nos seminários maiores e 827 a estudar nos seminários menores (que correspondem ao ensino até ao 12º ano).

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Entre margens

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada novidade

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Banco da solidariedade, experiência única

Sobre uma oportunidade de resistência coletiva     Muito se tem escrito e tenho escrito sobre a falta de saúde mental a que, provavelmente, estamos e estaremos sujeitos durante e após esta pandemia. Os números crescem, traduzidos por sofrimentos enquadráveis...

Que futuro, Iémen?

O arrastar do conflito tornou insuficiente a negociação apenas entre Hadi e houthis, já que somados não controlam a totalidade do território e é difícil encontrar uma solução que satisfaça todos os atores. Isso será ainda mais difícil porque as alianças não são sólidas, os objetivos são contraditórios e enquanto uns prefeririam terminar a guerra depressa, outros sairiam beneficiados se o conflito continuasse. Além disso, muitos são os que enriquecem à custa dele. Para esses, o melhor é que este não termine.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This