Isto não é um acidente!

| 27 Out 21

Em matéria de abuso sexual de menores no meio católico, a primeira premissa de todas deve ser que esta situação não é pontual nem acidental, mas uma forma de estar. Infelizmente. Mas este cancro tem que ser extirpado.

Abuso de menores.

“O papa foi talvez o mais inconformado com a situação, ao afirmar publicamente que sente vergonha pela longa incapacidade da Igreja para lidar com esta situação”. Ilustração: Abuso de menores © Churchandstate.org

 

A primeira estratégia a que a instituição religiosa sempre recorreu foi a de enterrar a cabeça na areia. Primeiro escondiam-se os crimes, em nome da salvaguarda da boa imagem institucional, nalguns casos transferiam-se os sacerdotes para outras paróquias ou países sem se denunciar às autoridades públicas. Como é por demais evidente nada disto resolveu a situação. Os abusadores ficaram impunes e provavelmente continuaram os abusos, agora noutras paróquias, os crimes ficaram sem castigo, as vítimas sofreram o dano silenciosamente e não viram prevalecer a justiça. Portanto, fez-se tudo aquilo que uma instituição religiosa não podia fazer, a bem da ética cristã, da cidadania e do respeito e cuidado para com os menores e suas famílias cuja confiança foi traída de forma recorrente.

Quando a ponta do véu começou a ser destapada a segunda estratégia foi minimizar, passando a ideia de que se tinham tratado de casos pontuais, sem qualquer significado ou relevância. Porém nos últimos anos esta estratégia foi igualmente destruída devido à denúncia de casos estatisticamente relevantes em diferentes partes do mundo. O último dos quais terá sido o de França, e resulta do trabalho duma comissão de inquérito independente que trabalhou durante quase três anos e cujas conclusões são profundamente preocupantes. Estima-se que mais de dois mil padres e outros membros do clero francês abusaram sexualmente de 200 mil menores entre 1950 e 2020. Incluindo leigos, o número ascende a mais de três mil abusadores religiosos identificados e 330 mil vítimas de abuso ou violência sexual.

A verdade é que há quase vinte anos que o Boston Globe revelou um padrão de abuso sexual e encobrimento na diocese da cidade. Já em 1994 se tornou público o caso de um padre abusador cujos crimes haviam sido escamoteados pelas autoridades religiosas e civis, fazendo cair o governo da Irlanda. Daí para cá estes escândalos sucedem-se.

A última estratégia conhecida foi colocar em causa a credibilidade da comissão francesa.

Mas por cá também se desenvolveram algumas estratégias, como a de chutar para canto. Dizia o bispo do Porto em entrevista ao Público em 2018: “Este foi um fenómeno fundamentalmente de países anglo-saxónicos. Na Europa aconteceu em alguns lados – aconteceu na Alemanha – mas não aconteceu com a mesma escala que consta que aconteceu nos Estados Unidos e na Austrália.” Esta ideia sem sustentação nem seriedade acabou por ser desmentida.

Diz o Expresso que, face a esta monstruosidade, “os bispos franceses aceitam indemnizar vítimas de abusos sexuais cometidos ao longo de décadas, mas querem lançar um peditório junto dos fiéis para reparar os danos causados, o que causa indignação entre os envolvidos.” O papa foi talvez o mais inconformado com a situação, ao afirmar publicamente que sente vergonha pela longa incapacidade da Igreja para lidar com esta situação, expressando às vítimas a sua “tristeza e dor pelos traumas que sofreram”, reconhecendo os números enormes da investigação.

Mas a derradeira estratégia foi suicida porque se limita a atirar areia para os olhos do país. O bispo auxiliar de Lisboa, Américo Aguiar, afirmou ao Público que a “Igreja Católica admite investigação de casos de pedofilia, desde que não seja limitada ao clero”. Diz que a Igreja é a única que está a levar o assunto a sério (?), enquanto tenta lançar lama para cima da sociedade: “Vêem o Ministério da Educação a fazer alguma coisa? As ordens profissionais a fazer alguma coisa?” João Miguel Tavares lança a sua indignação com tais afirmações no Público. Diz que o argumento de D. Américo Aguiar é totalmente inaceitável e, “sendo ele o coordenador da comissão de prevenção e combate aos abusos de menores do patriarcado de Lisboa, torna-se imperativa a pergunta: quem é que o pôs naquele lugar e quem é que o tira rapidamente de lá?”

O jornal digital 7MARGENS declara que “estas declarações são abusivas, injustas e moralmente inaceitáveis à luz do Evangelho e do que o Papa Francisco tem pugnado”, e põe o dedo na ferida ao falar de falta de autoridade moral da hierarquia católica nesta matéria, visto que “resistiu quanto pôde a constituir comissões diocesanas sobre os abusos do clero requeridas pelo Papa e pelo Vaticano (o bispo do Porto, por exemplo, começou por dizer que a utilidade de uma tal comissão seria equivalente a outra que estudasse os efeitos da queda de um meteorito na cidade).”

Vamos ser claros. Isto não é um caso pontual nem um acidente de percurso, é uma tendência clara. Há que investigar e estudar as razões profundas desta desgraça. A Igreja precisa de ser humilde e encarar o problema de frente, chamar médicos, psicólogos, sociólogos e demais investigadores, estudar seriamente a situação e mudar o que for necessário. O único que não falhou foi Jesus Cristo. Já a igreja católica (tal como outras instituições, religiosas ou não) tem falhado clamorosamente através dos tempos, porque é feita de seres humanos falíveis.

Em vez de lançar mão de estratégias manhosas, a única palavra adequada para a igreja católica hoje, além de pedir perdão, será: “Mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa”.

 

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e director da revista teológica Ad Aeternum; texto publicado também na página digital da revista Visão.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This