Itália acolhe 10 refugiados, Reino Unido recusa entrada a 200

| 22 Jul 20

refugiados lesbos corredor humanitario roma, Foto Comunidade de Sant'Egidio

O grupo de dez refugiados afegãos, recebido em festa no refeitório da Comunidade de Sant’Egídio, em Roma. Foto: Comunidade de Sant’Egídio.

 

Depois de longos meses de espera, devido à pandemia de covid-19, dez refugiados que se encontravam no campo de Moria (ilha de Lesbos, Grécia) chegaram na semana passada a Roma. Foram os primeiros após a reabertura de um dos corredores humanitários italianos. Enquanto isso, no Reino Unido, o número de migrantes que entraram no país através do Canal da Mancha bateu recordes: 180 em apenas um dia. Mas outros 200 foram intercetados e forçados a voltar para os campos improvisados no norte de França.

Os dez refugiados recebidos em Roma, de nacionalidade afegã, foram os últimos de um grupo de 67 pessoas a ser resgatadas do sobrelotado campo de Lesbos, por iniciativa do Papa Francisco, numa parceria entre a Esmolaria Apostólica da Santa Sé e a Comunidade de Sant’Egídio, noticia o Rome Reports.

O “corredor do Papa” é um dos vários corredores humanitários em Itália, os quais permitem a instituições privadas acolher refugiados no país e apoiar a sua integração. Diversos países europeus copiaram o modelo italiano, o que, segundo dados do portal Infomigrants, permitiu receber na Europa, até ao momento, um total de 3.000 refugiados oriundos de países em guerra, como a Líbia, ou de campos sobrelotados, como Moria.

Um número que continua a ser insuficiente, como prova a quantidade cada vez maior de migrantes que arriscam a vida ao tentar chegar ao Reino Unido, em pequenos botes, através da via marítima mais movimentada do mundo, o Canal da Mancha.

 

“Vítimas da escravatura moderna”

No passado dia 12 de julho, o Reino Unido registou um número diário recorde de migrantes a entrar no país por essa via, avançou a BBC News. Pelo menos 180 pessoas chegaram ao país nesse dia, sendo que outras 200 foram intercetadas pelas autoridades francesas e impedidas de completar a travessia. Só este ano, já conseguiram atravessar o Canal da Mancha e entrar no Reino Unido mais de 2.500 migrantes.

A secretária de Estado britânica para os Assuntos Internos, Priti Patel, anunciou uma “nova abordagem operacional” em parceria com o Governo francês, que consiste num “compromisso partilhado de enviar as embarcações no Canal da Mancha de volta para França, em vez de permitir que cheguem ao Reino Unido”.

Mas a organização de defesa dos direitos humanos People Not Walls (“Pessoas, Não Muros”) apelou este domingo, 19 de julho, ao Governo britânico que acolha estes migrantes, oriundos dos campos de refugiados improvisados existentes em Calais (França), e que os trate “com dignidade e respeito”, dando-lhes “acesso a rotas seguras para que possam pedir asilo no Reino Unido, em vez de arriscarem as suas vidas em travessias perigosas”, muitas vezes promovidas por traficantes.

Tendo como mote a frase “Their lives matter” (em português, “as vidas deles importam”, numa alusão ao slogan criado na sequência da morte de George Floyd, “Black lives matter”), a People Not Walls publicou um manifesto onde recorda que estes refugiados “são seres humanos com famílias, que sofreram experiências traumáticas, não pessoas a serem afastadas do Reino Unido a todo o custo”.

A organização de defesa dos direitos humanos sublinha ainda que as condições de vida nos campos de refugiados do norte de França são “desumanas”e que as pessoas que procuram sair “caem nas mãos de traficantes e tornam-se vítimas da escravatura moderna, em vez de encontrarem segurança”. Por isso, conclui a organização, “é moralmente inaceitável deixar sem alternativas aqueles que procuram um refúgio, e que ainda arriscam as suas vidas em botes frágeis”.

 

Papa convida a um exercício de escuta

Numa tentativa de dar a conhecer melhor a realidade dos refugiados e encontrar soluções para que os seus direitos sejam salvaguardados, o Papa Francisco lançou esta segunda-feira o terceiro vídeo de preparação do Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, que será assinalado a 27 de setembro.

Subordinados ao tema “Forçados, como Jesus Cristo, a fugir”, os vídeos, com periodicidade mensal, inspiram-se na mensagem do Papa e apresentam testemunhos reais de pessoas forçadas a abandonar as suas casas.

Neste terceiro vídeo, é possível conhecer Sarah Hassan, iraquiana, pertencente à minoria religiosa yazidi, que conta como cristãos e muçulmanos lhe abriram as portas quando teve de fugir para o Curdistão. No curto vídeo, Sarah apela a todos para que escutem os refugiados e conheçam as suas histórias, e acredita que, se isso acontecer, poderemos “construir uma comunidade melhor”.

É também essa a mensagem de Francisco: “Num mundo onde todos querem ter razão, não há mais espaço para escutar. Fala-se apenas. Mas é somente através da escuta humilde e atenta que podemos realmente chegar a reconciliar-nos”.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Antigo engenheiro militar sucede a Barbarin como arcebispo de Lyon

O Papa nomeou esta quinta-feira, 22 de outubro, Olivier de Germay, até agora bispo de Ajaccio (na Córsega), como novo arcebispo de Lyon. Está assim encontrado o sucessor do cardeal Philippe Barbarin, cuja renúncia tinha sido aceite por Francisco em março deste ano. 

Declarações do Papa sobre homossexuais “não afetam a doutrina da Igreja”, dizem bispos portugueses

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considera que as declarações do Papa sobre a proteção legal a uniões de pessoas do mesmo sexo “não afetam a doutrina da Igreja” sobre o matrimónio. Em nota enviada à agência Ecclesia esta quarta-feira, 22, os bispos portugueses sublinham que as afirmações de Francisco contidas no novo documentário “Francesco” já eram conhecidas anteriormente e “revelam a atenção constante do Papa às necessidades reais da vida concreta das pessoas”.

Índia: Bispos fazem greve de fome em defesa das escolas cristãs

Três bispos católicos fizeram greve de fome na passada terça-feira, 20 de outubro, diante da Secretaria de Estado de Kerala (um dos 28 estados indianos), para reivindicar o cumprimento dos direitos constitucionais das escolas cristãs no país, divulgou a UCA News.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Luto nacional a 2 de novembro, missa pelas vítimas da pandemia no dia 14

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 22, o decreto que declara a próxima segunda-feira, 2 de novembro, dia de luto nacional “como forma de prestar homenagem a todos os falecidos, em especial às vítimas da pandemia”. No próximo dia 14 de novembro, será a vez de a Conferência Episcopal Portuguesa celebrar uma eucaristia de sufrágio pelas pessoas que já faleceram devido à covid-19 no nosso país.

Camarões: Padre jesuíta detido por fazer uma peregrinação a pé

Ludovic Lado, um padre jesuíta que se preparava para iniciar, sozinho e a pé, uma “peregrinação pela paz” entre as cidades de Japoma e Yaoundé, capital dos Camarões, foi detido pela polícia, que o acusou de estar a praticar uma “atividade ilegal na via pública”. O padre foi depois submetido a um interrogatório, onde o questionaram sobre eventuais motivações políticas e lhe perguntaram especificamente se era apoiante do líder da oposição, Maurice Kamto.

Twitter segue exemplo do Facebook e proíbe negação do Holocausto

Depois do Facebook, agora foi a vez de o Twitter banir da sua rede social conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto. “Condenamos fortemente o antissemitismo e a conduta de ódio não tem lugar absolutamente  nenhum no nosso serviço”, afirmou um porta-voz da empresa em comunicado à imprensa. O responsável garantiu também que irão agir “contra conteúdos que glorifiquem ou elogiem atos históricos de violência e genocídio, incluindo o Holocausto”.

Entre margens

… E as Cuidadoras? novidade

Durante o confinamento reli um livro de que muito gosto, “Passagens” de Teolinda Gersão, que ganhou o Prémio Fernando Namora em 2015. Trata-se de uma obra escrita a várias vozes, tomando como ponto de partida uma senhora idosa (Srª D. Ana, ex-farmacêutica) que morre durante o sono no lar onde residia. Ao longo do livro várias “falas” se fazem ouvir à sua volta, enquanto repousa no caixão na capela do lar.

A pena de morte na visão de Francisco: clareza e inspiração

Em boa hora este documento. Custa acreditar que a Igreja Católica, na sua representação máxima, tenha demorado 20 séculos após o nascimento do fundador do cristianismo – que foi vítima de pena de morte – a tomar posição inequívoca e final sobre o tema. Outros antecessores falaram sobre este assunto, Francisco encerra-o.

Ter ou ‘Bem Viver’?

“Todos nós, seres humanos, nascemos nesta terra com a mesma dignidade (…). Se alguém não tem o necessário para viver com dignidade, é porque outrem se está a apropriar do que lhe é devido.” Na encíclica Fratelli Tutti (“Todos irmãos”), caída ao húmus do mundo no início do outono, o papa Francisco desfaz o estuque do grande pilar do capitalismo e da grande ilusão do ocidente: a propriedade privada. E propõe: e se à ideia de propriedade sobrepuséssemos a de solidariedade?

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco