Países em conflito representados

Já há mais de 50 mil inscritos para a Jornada Mundial das Crianças, em Roma

| 4 Mar 2024

Papa Francisco com crianças. Foto World Children Day

 “Sozinhos, queridas meninas e queridos meninos, não podemos sequer ser felizes, porque a alegria cresce na medida em que a partilhamos”, escreve o Papa às crianças na sua mensagem para esta primeira Jornada. Foto © World Children Day

 

“Estamos a receber uma tempestade de amor”. É o que diz o coordenador da I Jornada Mundial das Crianças, que irá realizar-se em Roma nos próximos dias 25 e 26 de maio, perante as já mais de 57 mil inscrições recebidas e os inúmeros pedidos de informações que não param de chegar. O padre Enzo Fortunato acredita que serão mais de 100 mil os participantes na iniciativa inédita, cujo programa e mensagem do Papa foram divulgados este fim de semana.

Até ao momento, está já garantida a participação de crianças provenientes de sessenta países, incluindo muitos daqueles que são atualmente assolados por violentos conflitos, como a Ucrânia, o Afeganistão, a República Democrática do Congo, a Etiópia, a Eritreia e a Síria. Estão também já inscritas uma delegação de crianças oriundas da região de Cabo Delgado (Moçambique), e outra da Terra Santa.

“Ao instituir esta Jornada, o Papa foi profético”, sublinha o padre Fortunato em declarações ao Vatican News, visivelmente impressionado com os testemunhos que tem recebido de todo o mundo. É o caso de um voluntário a trabalhar numa missão católica no Uganda há 54 anos e que expressou a alegria de poder levar a Roma quatro crianças de oito anos.

A Jornada será também aberta a crianças de outras Igrejas cristãs e de outras religiões. “Todas as crianças devem ser incluídas, especialmente as mais vulneráveis e as vítimas da guerra”, assinala por seu lado Marco Impagliazzo, presidente da Comunidade de Sant’Egidio, que está a colaborar com o Dicastério para a Cultura e a Educação da Santa Sé na organização da Jornada. Porque o objetivo da iniciativa, refere, “é dar esperança a este mundo”.

 

A mensagem do Papa

É também por isso que, na sua mensagem para a I Jornada Mundial das Crianças, divulgada este sábado, 2 de março, o Papa começa por esclarecer que se dirige a todos. “Todos sois importantes e, juntos – os de perto e os de longe –, manifestais o desejo que há em cada um de nós de crescer e se renovar. Lembrais-nos que somos, todos, filhos e irmãos e ninguém pode existir sem uma pessoa que o traga ao mundo, nem crescer sem ter outros a quem dar amor e de quem receber amor”, escreve Francisco.

E às “queridas meninas” e “queridos meninos” que lerem a mensagem pede: “não esqueçais quem dentre vós embora tão pequeno já se encontra a lutar contra doenças e dificuldades, no hospital ou em casa, quem é vítima da guerra e da violência, quem padece a fome e a sede, quem vive na rua, quem é forçado a combater como soldado ou tem de escapar como refugiado, separado dos seus pais, quem não pode ir à escola, quem é vítima de grupos criminosos, das drogas ou doutras formas de escravidão, dos abusos”.

Lembrando a frase proferida por Jesus que escolheu para dar o mote a esta primeira Jornada – “Eu renovo todas as coisas (Ap 21, 5) – o Papa explica o seu significado prático: “com Jesus, podemos sonhar uma nova humanidade e trabalhar por uma sociedade mais fraterna e atenta à nossa casa comum, começando por coisas simples como saudar os outros, pedir licença, pedir desculpa, dizer obrigado. O mundo transforma-se antes de mais através de pequenas coisas, sem ter vergonha de realizar apenas pequenos passos”.

Francisco sublinha ainda o quão importante é a partilha e a comunhão com os outros. “Sozinhos, queridas meninas e queridos meninos, não podemos sequer ser felizes, porque a alegria cresce na medida em que a partilhamos”, escreve o Papa. E deixa o aviso: “Quando guardamos só para nós o que recebemos, ou até fazemos uma birra para conseguir esta ou aquela dádiva, na realidade esquecemo-nos de que o maior dom somos nós mesmos, uns para os outros: somos nós a «prenda de Deus». Os outros dons servem apenas para estar juntos; se não os utilizamos para isso, seremos eternos insatisfeitos e nunca nos bastarão”. Assim nasce a amizade, assinala ainda Francisco: “na partilha e no perdão, com paciência, coragem, criatividade e imaginação, sem medo nem preconceitos”.

Por último, o Papa confidencia “um segredo importante”: que “para sermos verdadeiramente felizes é preciso rezar, rezar muito, todos os dias, porque a oração liga-nos diretamente a Deus, enche-nos o coração de luz e calor e ajuda-nos a fazer tudo com confiança e serenidade”.

 

Testemunhos, atuações musicais e missa

Além da mensagem do Papa, foram divulgados este fim de semana aqueles que serão os principais momentos do programa da Jornada Mundial das Crianças: no sábado, 25 de maio, a partir das 15 horas (hora local), as atividades decorrerão no Estádio Olímpico de Roma, com destaque para os testemunhos e atuações de artistas de todo o mundo, incluindo um grupo de padres de Buenos Aires, o futebolista do Senegal Ibrahima Balde, o jovem migrante autor do livro “Fratellino”, o ator Lino Banfi, o apresentador Carlo Conti e os cantores Gianni Morandi e Mr Rain. No domingo, 26, o encontro será na Praça São Pedro, onde, às 10h30, o Papa Francisco presidirá à missa.

Todos aqueles que pretendam participar deverão inscrever-se através da página oficial da Jornada, onde estão disponíveis informações adicionais e em permanente atualização sobre o encontro.

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This