Maratona de cartas da AI

Janna Jihad, a jornalista mais jovem da Terra Santa

| 29 Dez 2021

Janna Jihad. Foto © Amnistia Internacional

Janna Jihad. Foto © Amnistia Internacional.

 

Janna Jihad é uma jovem ativista e jornalista de 15 anos. Tem cara de miúda, as borbulhas no rosto não enganam, como diz a conhecida canção. Recorda-me bem a minha sobrinha, uns meses mais velha. Não engana. As preocupações de ambas deveriam ser os estudos, os passatempos próprios de uma adolescente da sua idade, as atividades extracurriculares que têm, os traços de personalidade e a procura de identidade pessoal que começa a surgir nesta altura da vida em que se encara o futuro com borbulhas no rosto.

Mas em Nabi Saleh, a pequena aldeia palestiniana localizada na Cisjordânia ocupada, a vida não deixa esta jornalista ser uma menina de 15 anos a sonhar com o futuro, ou com as preocupações devidas da idade; antes obriga-a a registar o presente. E esse vai sendo o seu trabalho, o de documentar da forma que pode – com imagens, sons e descrições ao vivo e em modo reportagem – as violações de direitos humanos e repressão pelas autoridades israelitas. É através de fotografias e vídeos que faz os seus registos, materiais que depois são vistos por centenas de milhares de pessoas em todo o mundo.

Aos 13 anos, Janna tornou-se a mais jovem jornalista palestiniana portadora de carteira profissional. Esse reconhecimento foi-lhe dado não só pela qualidade do seu trabalho, mas também para a proteger. Apesar de tudo, é constantemente ameaçada pelo que faz. O seu direito à liberdade de expressão, à liberdade de reunião pacífica e à educação estão sob risco contínuo e, enquanto criança e ativista, pode sofrer violência física, castigos coletivos, criminalização em tribunais militares, tortura e outros maus-tratos.

Só entre janeiro e junho de 2021, as forças israelitas mataram pelo menos 73 crianças nos Territórios Palestinianos Ocupados. Apesar de Israel ter ratificado a Convenção sobre os Direitos da Criança, o país apenas aplica as proteções previstas no tratado às crianças israelitas e não alarga as mesmas aos menores palestinianos. Todos os anos, Israel instaura processos contra 500 a 700 crianças palestinianas, em tribunais militares que não cumprem os requisitos para garantirem julgamentos justos.

A atuação das forças bélicas naquela região é arbitrária. Custa crer que um lugar sagrado para tantos milhões de pessoas no mundo seja palco de tanta violência, de tanta contradição com os profetas que percorreram aqueles caminhos e lavaram dos pés o pó daquela terra.

Janna é muito ativa na sua comunidade. Gosta de organizar atividades para as crianças em regime de voluntariado, toca ukelele, está a aprender a tocar guitarra e joga basquetebol. Além disso, sabe dançar a dança tradicional palestianana Dabka e gosta de bordar, especialmente bordados tradicionais Tatreez. É também muito ativa nas redes sociais, usa-as para denunciar e expor a realidade de quem vive nos Territórios Palestinianos Ocupados.

Os conflitos naquele lugar de admiração para tantas pessoas passam ao lado do turismo de excursão. Muitas vezes, deliberadamente por parte das autoridades. Por outro lado, partidos políticos cá e noutros países vão cavando trincheiras e colocam-se como se de um jogo se tratasse, tomando lados, como adeptos. Israel sofreu muito durante a Segunda Guerra Mundial, e ainda antes disso, ao longo dos milénios: os israelitas foram podendo estar naquela terra, outras vezes expulsos, outra vez de novo naquele território, outras vezes em diáspora. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, as Nações Unidas, em reparação, convencionaram destinar aquela terra aos israelitas, sem ter suficientemente em conta quem já lá estava e vivia. O tema é demasiado complexo para um artigo como este, que é sobre uma jovem de 15 anos, a Janna, que nasceu numa terra que lhe dizem não ser dela. Que longe do que devia ser a vista de qualquer criança, vê violações de direitos humanos e violência desde que nasceu.

O apelo que faço hoje não é da paz que devemos desejar e trabalhar para que as pessoas que vivem naqueles territórios encontrem. É um mais concreto, mais pequeno e tão rápido a fazermos a nossa parte: participe no projeto da Amnistia Internacional “Maratona de Cartas” e assine a petição dirigida ao Comité Especial para os Direitos das Crianças em Israel (composto por elementos da Assembleia Geral de Israel, o Knesset), e diga às autoridades israelitas que devem proteger Janna, e todas as crianças palestinianas, da discriminação e violência, tal como previsto na Convenção sobre os Direitos da Criança. Todas as assinaturas serão entregues pela Amnistia Internacional e, acredite, farão a diferença. Cada assinatura, cada gota de água… tanto dá, até que fura. Assim o diz a sabedoria popular, assim faremos até acontecer.

Como qualquer outra criança no mundo, Janna e os seus amigos têm o direito – o dever até – de brincarem na rua sem gás lacrimogénio a cair-lhes em cima.

 

Pedro A. Neto é diretor-executivo da Amnistia Internacional Portugal

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This