Cineasta morreu aos 91 anos

Jean-Luc Godard (1930-2022): duas ou três coisas que eu sei dele

| 14 Set 2022

Jean-Luc Godard, cinema

Jean-Luc Godard em Berkeley, em 1968. Foto © Gary Stevens/Wikimedia Commons

 

O meu gosto pelo cinema não faz de mim um cinéfilo. Quero dizer, não me permite conhecer e ter aquela visão abrangente e global sobre a história do cinema, nem sequer de um autor. Apenas de um ou outro conheço melhor o conjunto da sua filmografia. Não é o caso sobre Godard, apesar de ter visto, faz muitos anos, alguns dos seus filmes “difíceis”, digamos assim.

Talvez pudesse começar por esta citação de João Bénard da Costa, para mim, aquele que melhor escrevia sobre cinema: “Com os bofes de fora, salve-se quem puder. E isso é a vida e isso é a paixão e isso é o cinema e isso é Godard… O cinema do desespero, da luta contra o vazio, da interrogação sem limites.” (Escritos sobre Cinema

Está feito, e bem, o retrato daquele que é considerado um dos mais importantes realizadores de cinema, não apenas pelos filmes que nos deixou, mas por aquilo que trouxe ao cinema, que obrigou o cinema a ser com ele e depois dele. Para ele, o cinema nunca foi de entretenimento, mas sempre uma forma de olhar e interrogar a vida. Basta ler o seu ódio de estimação à televisão (e a algum cinema americano), nestas palavras de uma entrevista ao Expresso (15 de Junho de 1991), a propósito do seu filme Nova Vaga: “Tenho mais a sensação que a televisão ocupa o meu país, que é o país do cinema, fazendo-o desaparecer. A televisão é como a ocupação alemã em França… Há qualquer coisa na cultura americana que o mundo, em geral, aceita. Por exemplo, o facto de os jovens usarem ‘jeans’: há uma imensa variedade de calças, as ‘jeans’ são óptimas, mas só ‘jeans’? Isso não. Porquê apenas as ‘jeans’? Passa a ser um uniforme e eu não gosto de uniformes, da uniformidade. Não gosto do exército porque são uniformes.”

Por mim, confesso que me interpelou sempre aquela loucura e irreverência dos filmes que vi dele. Sempre gostei do cinema que não nos deixa indiferentes, mas nos obriga a pensar, do cinema que nos interroga. Penso, por exemplo, no muito polémico Eu Vos Saúdo, Maria, que tanta reação (desnecessária, digo eu) provocou aquando da sua exibição. Volto à referida entrevista, em que Godard confessa a sua formação religiosa e fala expressamente deste filme:

“Qual é, então, esse sagrado?

Uma coisa banal, um sentimento que vem da civilização grega: o ecrã de cinema é maior do que nós.

Foi esse sentimento que o conduziu a filmar Eu Vos Saúdo, Maria (1983)?
Talvez. Em relação a Eu Vos Saúdo, Maria, as coisas são um pouco confusas. Eu próprio sinto-me muito confuso e, de um modo geral, o cinema que fiz até agora põe coisas no ecrã, do mesmo modo que se diz ‘pôr na mesa’: tenta clarificar as coisas, mostrar o jogo.

Je vous salue Marie, Jean-Luc Godard, Cinema, Maria

Imagem do filme Je Vous Salue Marie, de Jean-Luc Godard: “Esta história toda a gente a conhece. E o cinema deve poder perguntar: mas, afinal, como é que ela teve esta criança?” Foto: Direitos reservados.

 

Mas Eu Vos Saúdo Maria é um filme que trabalha directamente com elementos religiosos.

Porque é uma boa história, um bom argumento… Aliás, a ideia nem vinha de mim, está na introdução de um livro de Françoise Dolto que conta a história de José e Maria. Foi quando disse para mim: esta história, ao menos, toda a gente a conhece. E o cinema deve poder perguntar: mas, afinal, como é que ela teve esta criança? Talvez eu não seja suficientemente sincero para o filmar, mas a verdade é que ela teve a criança. A jogada é esta: e se ela a tivesse tido assim?”

Figura tutelar da Nouvelle Vague francesa – aquele movimento que mudou o modo de se ver e fazer cinema –, realizador genial, criativo, completamente livre e audaz, Godard não deixou ninguém indiferente nem o mundo ficou igual. E isto, para mim, é o que de melhor posso dizer dele. Ele não deixou que a vida lhe passasse ao lado e ensinou-nos a não deixar que ela nos passasse ao lado.

Bénard da Costa, outra vez: “Não me atrevo a jurar que Godard é o maior cineasta vivo. Mas é certamente um dos maiores de todos os tempos e um dos que mais decisivamente fez do cinema o que é e dos que o amam o que são.”

Também aprendi a gostar de cinema com ele; também aprendi a pensar com ele; também aprendi a sonhar com ele. Pierrot, le fou será sempre inesquecível.

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar).

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This