Cineasta morreu aos 91 anos

Jean-Luc Godard (1930-2022): duas ou três coisas que eu sei dele

| 14 Set 2022

Jean-Luc Godard, cinema

Jean-Luc Godard em Berkeley, em 1968. Foto © Gary Stevens/Wikimedia Commons

 

O meu gosto pelo cinema não faz de mim um cinéfilo. Quero dizer, não me permite conhecer e ter aquela visão abrangente e global sobre a história do cinema, nem sequer de um autor. Apenas de um ou outro conheço melhor o conjunto da sua filmografia. Não é o caso sobre Godard, apesar de ter visto, faz muitos anos, alguns dos seus filmes “difíceis”, digamos assim.

Talvez pudesse começar por esta citação de João Bénard da Costa, para mim, aquele que melhor escrevia sobre cinema: “Com os bofes de fora, salve-se quem puder. E isso é a vida e isso é a paixão e isso é o cinema e isso é Godard… O cinema do desespero, da luta contra o vazio, da interrogação sem limites.” (Escritos sobre Cinema

Está feito, e bem, o retrato daquele que é considerado um dos mais importantes realizadores de cinema, não apenas pelos filmes que nos deixou, mas por aquilo que trouxe ao cinema, que obrigou o cinema a ser com ele e depois dele. Para ele, o cinema nunca foi de entretenimento, mas sempre uma forma de olhar e interrogar a vida. Basta ler o seu ódio de estimação à televisão (e a algum cinema americano), nestas palavras de uma entrevista ao Expresso (15 de Junho de 1991), a propósito do seu filme Nova Vaga: “Tenho mais a sensação que a televisão ocupa o meu país, que é o país do cinema, fazendo-o desaparecer. A televisão é como a ocupação alemã em França… Há qualquer coisa na cultura americana que o mundo, em geral, aceita. Por exemplo, o facto de os jovens usarem ‘jeans’: há uma imensa variedade de calças, as ‘jeans’ são óptimas, mas só ‘jeans’? Isso não. Porquê apenas as ‘jeans’? Passa a ser um uniforme e eu não gosto de uniformes, da uniformidade. Não gosto do exército porque são uniformes.”

Por mim, confesso que me interpelou sempre aquela loucura e irreverência dos filmes que vi dele. Sempre gostei do cinema que não nos deixa indiferentes, mas nos obriga a pensar, do cinema que nos interroga. Penso, por exemplo, no muito polémico Eu Vos Saúdo, Maria, que tanta reação (desnecessária, digo eu) provocou aquando da sua exibição. Volto à referida entrevista, em que Godard confessa a sua formação religiosa e fala expressamente deste filme:

“Qual é, então, esse sagrado?

Uma coisa banal, um sentimento que vem da civilização grega: o ecrã de cinema é maior do que nós.

Foi esse sentimento que o conduziu a filmar Eu Vos Saúdo, Maria (1983)?
Talvez. Em relação a Eu Vos Saúdo, Maria, as coisas são um pouco confusas. Eu próprio sinto-me muito confuso e, de um modo geral, o cinema que fiz até agora põe coisas no ecrã, do mesmo modo que se diz ‘pôr na mesa’: tenta clarificar as coisas, mostrar o jogo.

Je vous salue Marie, Jean-Luc Godard, Cinema, Maria

Imagem do filme Je Vous Salue Marie, de Jean-Luc Godard: “Esta história toda a gente a conhece. E o cinema deve poder perguntar: mas, afinal, como é que ela teve esta criança?” Foto: Direitos reservados.

 

Mas Eu Vos Saúdo Maria é um filme que trabalha directamente com elementos religiosos.

Porque é uma boa história, um bom argumento… Aliás, a ideia nem vinha de mim, está na introdução de um livro de Françoise Dolto que conta a história de José e Maria. Foi quando disse para mim: esta história, ao menos, toda a gente a conhece. E o cinema deve poder perguntar: mas, afinal, como é que ela teve esta criança? Talvez eu não seja suficientemente sincero para o filmar, mas a verdade é que ela teve a criança. A jogada é esta: e se ela a tivesse tido assim?”

Figura tutelar da Nouvelle Vague francesa – aquele movimento que mudou o modo de se ver e fazer cinema –, realizador genial, criativo, completamente livre e audaz, Godard não deixou ninguém indiferente nem o mundo ficou igual. E isto, para mim, é o que de melhor posso dizer dele. Ele não deixou que a vida lhe passasse ao lado e ensinou-nos a não deixar que ela nos passasse ao lado.

Bénard da Costa, outra vez: “Não me atrevo a jurar que Godard é o maior cineasta vivo. Mas é certamente um dos maiores de todos os tempos e um dos que mais decisivamente fez do cinema o que é e dos que o amam o que são.”

Também aprendi a gostar de cinema com ele; também aprendi a pensar com ele; também aprendi a sonhar com ele. Pierrot, le fou será sempre inesquecível.

 

Manuel Mendes é padre católico e pároco de Esmoriz (Ovar).

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This