Jean Vanier (1928-2019), fundador d’A Arca e do Fé e Luz: Mudar o mundo, um coração de cada vez

| 7 Mai 19

Jean Vanier fotografado em Agosto de 2015, em Taizé. Foto © Filipe Teixeira

Ao terminar o livro Verdadeiramente Humanos, Jean Vanier escrevia: “Somos todos chamados a percorrer o caminho que nos leva ao perdão se pretendermos tornar-nos verdadeiramente humanos, superar a divisão e a opressão e trabalhar em prol da paz. (…) Não coloquemos todavia a nossa mira demasiado alta. Não temos que ser salvadores do mundo! Somos simplesmente seres humanos, envoltos em fraqueza e em esperança, chamados a, todos juntos, mudar o nosso mundo, um coração de cada vez.”

Trazida por Alice Caldeira Cabral num texto no 7MARGENS sobre os últimos livros de Jean Vanier publicados em Portugal, a citação recorda que foi um coração de cada vez que Jean Vanier quis ajudar a transformar. O fundador das comunidades d’A Arca e co-fundador (com Marie-Hélène Mathieu) do movimento Fé e Luz, que sempre procuraram promover o acolhimento de pessoas com deficiência intelectual morreu nesta terça-feira, 7 de Maio, em Paris, às 2h10 da manhã (menos uma hora em Lisboa). Tinha 90 anos. Junto de si, estavam alguns amigos mais próximos, de acordo com o comunicado do Fé e Luz, que deu a notícia.

“Jean teve uma vida duma imensa fecundidade. Marcou a história d’A Arca e de Fé e Luz, assim de um grande número de pessoas como nós. Queremos dar graças por tudo isto. Jean enviou-nos todos em missão, faremos o melhor possível para responder ao seu desejo profundo para Fé e Luz: que a Boa Nova seja anunciada aos pobres”, diz o texto do Fé e Luz que anuncia a morte, assinado por quatro responsáveis do movimento: Marie-Hélène Mathieu, co-fundadora do Fé e Luz com Jean Vanier, Hoda Elturk, Raul Izquierdo Garcia e Corinne Chatain.

A história de Jean Vanier com o Fé e Luz começou no final de uma peregrinação ao santuário francês de Lourdes, na Páscoa de 1971. Jean e Marie-Hélène, recorda o comunicado do movimento, quiseram responder ao sofrimento de uma família que tinha sido excluída da peregrinação, por causa da deficiência intelectual dos seus filhos. Mas, como o próprio recordava numa entrevista que lhe fiz em Agosto de 2015 para o programa Setenta Vezes Sete, “estas pessoas estão próximas de Deus, porque são pessoas do coração e não da cabeça”.

Foi essa convicção que o levou há quase 55 anos (em Agosto de 1964), a convidar duas pessoas com deficiência intelectual para viver com ele numa pequena casa de Trosly-Breuil (região do Oise, uma hora a nordeste de Paris) que batiza como A Arca, partilhando “uma vida simples feita de entreajuda e de amizade”. Mais tarde, recordará: “Visitei asilos e descobri um vasto mundo de sofrimento que ignorava absolutamente. Tinha conhecido um mundo de eficácia na marinha e depois um mundo intelectual durante os meus estudos académicos.”

“Estas pessoas estão próximas de Deus, porque são pessoas do coração e não da cabeça” Foto reproduzida da página d’A Arca (https://www.larche.org/web/jeanvanier/home)

 

Ajudar sobreviventes dos campos de concentração

Antes da criação d’A Arca e do Fé e Luz, de facto, Jean Vanier já tinha feito outras experiências. Nascido numa família católica canadiana a 10 de Setembro de 1928, em Genebra (o seu pai era diplomata na Sociedade das Nações), alistou-se aos 13 anos no Colégio da Royal Navy em Dartmouth em plena II Guerra Mundial. Em 1945, quando o seu pai era embaixador do Canadá em Paris e a mãe delegada da Cruz-Vermelha, ajudou a acolher sobreviventes dos campos de concentração em Paris, experiência que o marca profundamente.

George Vanier, o pai, é nomeado Governador Geral do Canadá em 1959 e, aos 23 anos, Jean sai da marinha “para seguir Jesus e trabalhar para a construção da paz”. Em 1962, completa o doutoramento em Filosofia. Entretanto, passa um ano em Fátima vivendo quase como eremita, numa pequena casa ao lado da fraternidade das Irmãzinhas de Jesus, reflectindo sobre o seu futuro.

Na pequena aldeia de Trosly, rapidamente a casa se tornará pequena para acolher os voluntários que procuravam ouvi-lo, conversar ou ouvir as suas conferências ou partilhar momentos com as pessoas com deficiência.

Os lares d’A Arca multiplicam-se então não só por França como por todo o mundo – actualmente há 154 comunidades em 38 países, enquanto o Fé e Luz está presente em 85 países de todos os continentes com 1450 comunidades de encontro, em que as pessoas com deficiência e os seus familiares se reúnem regularmente.

Para lá d’A Arca e do Fé e Luz, dizia o comunicado do movimento, Jean Vanier “inspirou a criação de numerosas associações e influenciou milhares de pessoas no mundo, ilustres ou anónimas”. De sorriso franco e aberto, rosto tranquilo, era um “infatigável artesão da paz” que “nunca deixou de dar testemunho sobre a riqueza da fraternidade com os mais frágeis e de desejar devolver às pessoas com deficiência intelectual a sua dignidade e o seu lugar na sociedade e na Igreja”.

Jean Vanier em Fátima, em 2005. A localidade portuguesa foi um dos lugares da decisão de se dedicar às pessoas com deficiência. Foto: Direitos Reservados

 

“Uma decisão exemplar, uma marca de sabedoria”

Além das quatro dezenas de livros publicados, alguns dos quais disponíveis em português, Jean colocava ao serviço de todos mas sobretudo das pessoas com deficiência intelectual “o poder da sua eloquência, da sua inteligência, da sua força espiritual nos círculos religiosos ou laicos, profissionais ou políticos nos quatro cantos do mundo”.

Há já duas décadas que Jean Vanier se tinha retirado de todas as tarefas executivas d’A Arca e do Fé e Luz. “Uma decisão exemplar para um fundador e uma grande marca de sabedoria”, diz o comunicado de imprensa do Fé e Luz. “Desde essa altura tem-se dedicado à sua missão de testemunha da fraternidade com os mais humildes. Recebia na sua comunidade numerosos visitantes do mundo inteiro de todas as origens e de todas as condições.”

Até ao final do dia de terça-feira, o funeral não tinha ainda data marcada, mas deverá ser filmado e transmitido em directo via internet. Sabe-se que, cumprindo um desejo expresso pelo próprio Jean Vanier, as exéquias se realizarão na intimidade dos residentes na pequena comunidade de Trosly (onde residem actualmente mais de 60 pessoas), de alguns amigos próximos e vários representantes da Arca e do movimento Fé e Luz. Mais informação pode ser consultada na página da Arca na internet.

O mais importante, escrevia Jean Vanier numa frase reproduzida na página d’A Arca na internet, “não é fazer coisas para as pessoas que são pobres e sofrem, mas entrar em relação com elas e ajudá-las a encontrar confiança em si mesmas e descobrir os seus próprios dons”.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo novidade

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas novidade

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco