Jean Vanier (1928-2019), fundador d’A Arca e do Fé e Luz: Mudar o mundo, um coração de cada vez

| 7 Mai 19 | Destaques, Últimas

Jean Vanier fotografado em Agosto de 2015, em Taizé. Foto © Filipe Teixeira

Ao terminar o livro Verdadeiramente Humanos, Jean Vanier escrevia: “Somos todos chamados a percorrer o caminho que nos leva ao perdão se pretendermos tornar-nos verdadeiramente humanos, superar a divisão e a opressão e trabalhar em prol da paz. (…) Não coloquemos todavia a nossa mira demasiado alta. Não temos que ser salvadores do mundo! Somos simplesmente seres humanos, envoltos em fraqueza e em esperança, chamados a, todos juntos, mudar o nosso mundo, um coração de cada vez.”

Trazida por Alice Caldeira Cabral num texto no 7MARGENS sobre os últimos livros de Jean Vanier publicados em Portugal, a citação recorda que foi um coração de cada vez que Jean Vanier quis ajudar a transformar. O fundador das comunidades d’A Arca e co-fundador (com Marie-Hélène Mathieu) do movimento Fé e Luz, que sempre procuraram promover o acolhimento de pessoas com deficiência intelectual morreu nesta terça-feira, 7 de Maio, em Paris, às 2h10 da manhã (menos uma hora em Lisboa). Tinha 90 anos. Junto de si, estavam alguns amigos mais próximos, de acordo com o comunicado do Fé e Luz, que deu a notícia.

“Jean teve uma vida duma imensa fecundidade. Marcou a história d’A Arca e de Fé e Luz, assim de um grande número de pessoas como nós. Queremos dar graças por tudo isto. Jean enviou-nos todos em missão, faremos o melhor possível para responder ao seu desejo profundo para Fé e Luz: que a Boa Nova seja anunciada aos pobres”, diz o texto do Fé e Luz que anuncia a morte, assinado por quatro responsáveis do movimento: Marie-Hélène Mathieu, co-fundadora do Fé e Luz com Jean Vanier, Hoda Elturk, Raul Izquierdo Garcia e Corinne Chatain.

A história de Jean Vanier com o Fé e Luz começou no final de uma peregrinação ao santuário francês de Lourdes, na Páscoa de 1971. Jean e Marie-Hélène, recorda o comunicado do movimento, quiseram responder ao sofrimento de uma família que tinha sido excluída da peregrinação, por causa da deficiência intelectual dos seus filhos. Mas, como o próprio recordava numa entrevista que lhe fiz em Agosto de 2015 para o programa Setenta Vezes Sete, “estas pessoas estão próximas de Deus, porque são pessoas do coração e não da cabeça”.

Foi essa convicção que o levou há quase 55 anos (em Agosto de 1964), a convidar duas pessoas com deficiência intelectual para viver com ele numa pequena casa de Trosly-Breuil (região do Oise, uma hora a nordeste de Paris) que batiza como A Arca, partilhando “uma vida simples feita de entreajuda e de amizade”. Mais tarde, recordará: “Visitei asilos e descobri um vasto mundo de sofrimento que ignorava absolutamente. Tinha conhecido um mundo de eficácia na marinha e depois um mundo intelectual durante os meus estudos académicos.”

“Estas pessoas estão próximas de Deus, porque são pessoas do coração e não da cabeça” Foto reproduzida da página d’A Arca (https://www.larche.org/web/jeanvanier/home)

 

Ajudar sobreviventes dos campos de concentração

Antes da criação d’A Arca e do Fé e Luz, de facto, Jean Vanier já tinha feito outras experiências. Nascido numa família católica canadiana a 10 de Setembro de 1928, em Genebra (o seu pai era diplomata na Sociedade das Nações), alistou-se aos 13 anos no Colégio da Royal Navy em Dartmouth em plena II Guerra Mundial. Em 1945, quando o seu pai era embaixador do Canadá em Paris e a mãe delegada da Cruz-Vermelha, ajudou a acolher sobreviventes dos campos de concentração em Paris, experiência que o marca profundamente.

George Vanier, o pai, é nomeado Governador Geral do Canadá em 1959 e, aos 23 anos, Jean sai da marinha “para seguir Jesus e trabalhar para a construção da paz”. Em 1962, completa o doutoramento em Filosofia. Entretanto, passa um ano em Fátima vivendo quase como eremita, numa pequena casa ao lado da fraternidade das Irmãzinhas de Jesus, reflectindo sobre o seu futuro.

Na pequena aldeia de Trosly, rapidamente a casa se tornará pequena para acolher os voluntários que procuravam ouvi-lo, conversar ou ouvir as suas conferências ou partilhar momentos com as pessoas com deficiência.

Os lares d’A Arca multiplicam-se então não só por França como por todo o mundo – actualmente há 154 comunidades em 38 países, enquanto o Fé e Luz está presente em 85 países de todos os continentes com 1450 comunidades de encontro, em que as pessoas com deficiência e os seus familiares se reúnem regularmente.

Para lá d’A Arca e do Fé e Luz, dizia o comunicado do movimento, Jean Vanier “inspirou a criação de numerosas associações e influenciou milhares de pessoas no mundo, ilustres ou anónimas”. De sorriso franco e aberto, rosto tranquilo, era um “infatigável artesão da paz” que “nunca deixou de dar testemunho sobre a riqueza da fraternidade com os mais frágeis e de desejar devolver às pessoas com deficiência intelectual a sua dignidade e o seu lugar na sociedade e na Igreja”.

Jean Vanier em Fátima, em 2005. A localidade portuguesa foi um dos lugares da decisão de se dedicar às pessoas com deficiência. Foto: Direitos Reservados

 

“Uma decisão exemplar, uma marca de sabedoria”

Além das quatro dezenas de livros publicados, alguns dos quais disponíveis em português, Jean colocava ao serviço de todos mas sobretudo das pessoas com deficiência intelectual “o poder da sua eloquência, da sua inteligência, da sua força espiritual nos círculos religiosos ou laicos, profissionais ou políticos nos quatro cantos do mundo”.

Há já duas décadas que Jean Vanier se tinha retirado de todas as tarefas executivas d’A Arca e do Fé e Luz. “Uma decisão exemplar para um fundador e uma grande marca de sabedoria”, diz o comunicado de imprensa do Fé e Luz. “Desde essa altura tem-se dedicado à sua missão de testemunha da fraternidade com os mais humildes. Recebia na sua comunidade numerosos visitantes do mundo inteiro de todas as origens e de todas as condições.”

Até ao final do dia de terça-feira, o funeral não tinha ainda data marcada, mas deverá ser filmado e transmitido em directo via internet. Sabe-se que, cumprindo um desejo expresso pelo próprio Jean Vanier, as exéquias se realizarão na intimidade dos residentes na pequena comunidade de Trosly (onde residem actualmente mais de 60 pessoas), de alguns amigos próximos e vários representantes da Arca e do movimento Fé e Luz. Mais informação pode ser consultada na página da Arca na internet.

O mais importante, escrevia Jean Vanier numa frase reproduzida na página d’A Arca na internet, “não é fazer coisas para as pessoas que são pobres e sofrem, mas entrar em relação com elas e ajudá-las a encontrar confiança em si mesmas e descobrir os seus próprios dons”.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Cultura e artes

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco