Jesuítas criticam “erosão da democracia na Índia”, depois da confirmação da prisão do padre Swamy

| 6 Abr 21

Jesuítas, Padre Stan Swamy, Índia

Imagem de arquivo de uma manifestação em Londres a pedir a libertação do padre Swamy. Foto: Direitos reservados

 

O que está a acontecer na Índia indica “um desconforto e erosão da democracia”, dizem os jesuítas. A crítica surge depois de um tribunal da polícia antiterrorista ter negado a libertação, sob fiança, do padre Swamy, detido sob acusação de terrorismo por ter defendido indígenas no país, de forma não-violenta. 

 

A Companhia de Jesus e o seu Secretariado para a Justiça Social e a Ecologia lamentaram profundamente a decisão do tribunal especial da Agência Nacional de Investigação (NIA) de não libertar, sob fiança, o padre jesuíta indiano Stan Swamy, preso desde 8 de Outubro sob acusação de terrorismo. O padre, com 83 anos, sofre de Parkinson e de vários outros problemas de saúde, mas nada disso demoveu o tribunal.

A decisão judicial foi tomada no passado dia 22 de Março e agora conhecida e divulgada pela Companhia de Jesus, que “nega veementemente e condena” os argumentos usados na declaração do tribunal.

Estes basicamente seguem as acusações da NIA, a polícia anti-terrorista, que o prendeu: o padre Stan “participou numa grave conspiração, juntamente com membros de uma organização banida, para criar tumulto em todo o país e subjugar o governo, politicamente e com recurso à força”, diz a decisão.

Além de negarem estes argumentos, os jesuítas manifestam-se “indignados ao ler as 34 páginas da ordem do tribunal da NIA”, que se baseia “em documentos apresentados pela acusação”. Afirmando a sua solidariedade com o padre Stan “e tantos outros defensores dos direitos humanos”, os jesuítas dizem que querem “trazer à luz a verdade e a justiça”, defendendo “os direitos das pessoas vulneráveis de forma pacífica e não-violenta”.

Os jesuítas dizem, desde o início, que Stan Swamy apenas tem defendido várias populações indígenas contra o uso da força e que essa foi a verdadeira razão da sua prisão, como o 7MARGENS já noticiou.

“O que está a acontecer neste país, em particular nos últimos anos, não são incidentes isolados. É indicativo de um desconforto e erosão da democracia na Índia, conforme sublinhado no relatório internacional sobre a democracia (Democracy under Siege, Freedom in the World 2021, da Freedom House)”, escreve o padre Xavier Jeyaraj, colega de Swamy, no Ponto SJ, o portal dos jesuítas portugueses.

“O mais preocupante é que se negue a liberdade a um defensor dos direitos humanos com 83 anos e com diversos problemas de saúde”, acrescenta o padre Jeyaraj.

Na posição agora divulgada, os jesuítas reafirmam que “Stan se dedicou à defesa dos adivasis (povo indígena) e outras comunidades desfavorecidas cujos direitos fundamentais têm sido negados e sistematicamente espezinhados”.

Xavier Jeyaraj cita exemplos de “tantos outros defensores dos direitos humanos” que também devem ser defendidos: “estudantes, mulheres, agricultores, intelectuais, movimentos civis e qualquer um que tenha ousado opor-se ou criticar as políticas do governo, ao longo dos últimos anos”. Muitos deles, diz, são rotulados de “terroristas, criminosos e antipatrióticos” e são “encarcerados indefinidamente” ao abrigo da Lei de Prevenção de Actividades Ilegais (UAPA, da sigla inglesa), “com falta de transparência na investigação”.

 

“Um processo vasto em todo o país…”

O próprio padre Stan dizia, numa mensagem em vídeo, dois dias antes de ser preso: “O que me está a acontecer não é algo único que me esteja a suceder apenas a mim. É um processo mais vasto que está a acontecer por todo o país… Sinto-me feliz por fazer parte deste processo porque não sou um espectador silencioso, mas parte de um jogo e disposto a pagar o preço por isso, qualquer que ele seja”.

 

 

Acrescenta o padre Xavier que o seu colega Stan Swamy “inequivocamente crê, professa e se compromete em actividades” cujo objectivo é “assegurar a todos os cidadãos” a liberdade e igualdade, bem como “promover entre todos a fraternidade”. Os jesuítas, acrescenta, também “crêem e praticam os valores do diálogo pacífico e não-violento, como praticado por Mahatma Gandhi, pai da nação”.

O padre Xavier diz que os jesuítas não estão “surpreendidos com a ordem do tribunal especial da NIA” recusando a libertação do padre Swamy sob fiança. E recorda, a propósito, que outros jesuítas que optaram por estar ao lado dos mais pobres – como Rutilio Grande, em El Salvador, ou A.T. Thomas, em Jharkhand (Índia) – foram mortos.

Os jesuítas contestam a UAPA, que consideram violar “os princípios estabelecidos de que uma pessoa é inocente até que se prove ser culpada” e a lei geral segundo a qual “a fiança é norma; a prisão a excepção”. A lei foi agravada em Julho de 2019, passando o Governo central a poder reconhecer um indivíduo ou uma organização que considere indesejável como “terrorista”. A detenção e a impossibilidade de libertação sob fiança passaram a ser a regra para esses casos, acusam.

Apesar de tomadas de posição de personalidades e entidades como a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, ou de grupos de trabalho da ONU sobre detenção arbitrária, defensores dos direitos humanos ou questões de minorias, o Governo indiano não cedeu. Mas o padre Jerome D’Souza, presidente da Conferência dos Jesuítas da Ásia do Sul, já manifestou a esperança de que a justiça prevaleça e o padre Stan seja “libertado em breve e absolvido após um julgamento justo”.

Os jesuítas apelam ainda “a todos os governos, instituições internacionais e grupos e organizações da sociedade civil que exijam ao Estado Indiano que revogue a UAPA e liberte Stan e os demais defensores dos direitos humanos imediatamente”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Derrota no estádio, pancada em casa

[Os Dias da Semana]

Derrota no estádio, pancada em casa

A condescendência perante o machismo ou, pelo menos, perante as suas manifestações mais degradantes – dir-se-ia – acabou. Mas continua a haver demasiadas notícias que revelam existir ainda uma injustificada complacência perante a agressividade contra as mulheres e também contra os que, de algum modo, são mais vulneráveis.

Breves

Música, património e natureza

Festival Terras sem Sombra revisita herança judaica em Castelo de Vide novidade

O Festival Terras sem Sombra apresenta, na Igreja Matriz de Santa Maria da Devesa (31 de Julho, 21h30), o concerto pelo reputado Utopia Ensemble, que interpreta obras da polifonia europeia. O festival junta as memórias judaicas de Castelo de Vide, revisitadas na acção de património (31 de Julho, 15h), e as deslumbrantes paisagens da Serra de S. Mamede (1 de Agosto, 9h30), com a rica biodiversidade deste território por horizonte.

Responsável também pelas obras no Mar da Palha

José Sá Fernandes preside a Grupo de acompanhamento da JMJ 2023 novidade

O governo português anunciou a criação de um Grupo de Projeto com vista a acompanhar e agilizar todas as questões relacionadas com o “acompanhamento, em termos operacionais, dos trabalhos de preparação deste evento”. “Considerando a diversidade, a complexidade, a natureza e a dimensão das ações a desenvolver no âmbito da preparação da JMJ 2023, o Governo, através Resolução do Conselho de Ministros n.º 45/2021, criou um Grupo de Projeto para assegurar o acompanhamento”, pode ler-se no comunicado de imprensa a que o 7Margens teve acesso.

Cidadãos vítimas de spyware

Amnistia exige resposta do governo húngaro ao escândalo Pegasus

Uma investigação publicada esta terça-feira, 20 de julho, pelo Direkt36 (órgão de comunicação húngaro sem fins lucrativos) revelou que os telefones de mais de 300 cidadãos daquele país foram identificados como possíveis alvos do software de vigilância Pegasus, comercializado pela empresa israelita NSO Group. Peritos da Amnistia Internacional (AI) confirmaram que, em inúmeros casos, este software tinha, de facto, sido instalado, e a organização exige agora uma reação da parte das autoridades húngaras.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

Paquistão

As jovens cristãs que enfrentam a discriminação e perseguição

“Quando fui para a universidade sofri muitos actos de discriminação por parte dos meus professores e colegas, a tal ponto que não conseguia concentrar-me nos meus estudos”, conta Ashia, 17 anos, cristã paquistanesa. Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) desenvolve programa para capacitar mulheres em situações particularmente difíceis.

É notícia

Sínodo dos Bispos 2023

Quem é quem nas comissões preparatórias

Estão constituídas as três comissões preparatórias do Sínodo dos Bispos católicos de 2023, cujo início será já no próximo mês de outubro, em todas as dioceses do mundo. As pessoas escolhidas indiciam a vontade de mudança introduzida pelo Papa Francisco, conforme o 7MARGENS explica noutro texto. Fica a seguir a lista completa.

Entre margens

Jesus Cristo tinha uma agenda liberal?

Dizer apenas que todas as vidas são importantes é uma tirada lapalissiana. É óbvio que sim, mas o problema é que nem todas as vidas estão em risco devido a fenómenos sociais como o racismo, a xenofobia, a violência sobre mulheres e crianças, o abuso sexual e o tráfico de pessoas, já para não falar nesta economia que mata, no dizer do Papa Francisco.

Mulheres, aptas para o ministério sacerdotal

No ano de 2020, na Igreja de Inglaterra (Comunhão Anglicana), das 591 pessoas recomendadas para a formação ao ministério ordenado e assumirem funções ministeriais a tempo inteiro, a maioria dos candidatos são do género feminino.

Como regressar à vida?

Num recente inquérito à opinião pública, as pessoas consideram que as medidas contra a Covid-19 foram positivas, mas queixam-se que a democracia se viu limitada. É um julgamento natural. Importa, porém, compreender que fomos surpreendidos por uma enfermidade que continuamos a desconhecer.

Cultura e artes

Monumento e jardim aberto ao público

Capela dos Coimbras, aberta ao público, quer ser “ex-líbris” de Braga novidade

A capela privada mais antiga de Braga, localizada no centro histórico da cidade e que está classificada como monumento nacional, abriu ao público esta quarta-feira, 28 de julho. Os seus proprietários querem torná-la um ponto de paragem obrigatório de Braga, “quer pelo valor patrimonial e artístico que encerra, quer pelo seu jardim com esplanada, onde a partir de agora é possível usufruir do espaço, assistir a concertos e outras iniciativas culturais ou tomar alguma refeição ligeira.

Lançamento

Um livro para entender o imaginário católico de Sting

Evyatar Marienberg, historiador da religião na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, escreveu um livro sobre a imaginação católica de Sting e de como ela alimentou a sua criatividade. Antes de ser quem é na cena do rock internacional como o principal compositor e vocalista do Police, Sting (nascido Gordon Sumner em 1951) cresceu na cidade de Wallsend, Inglaterra, e frequentou escolas católicas. Recebeu o Crisma aos 14 anos e casou-se com sua primeira esposa na Igreja Católica aos 25 anos.

Sete Partidas

Aquele que habita os céus sorri

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This