Jesuítas haitianos acusam presidente de “atirar gasolina ao fogo” em país sob violentos protestos

| 8 Mar 19

“Depois de oito dias de silêncio, enquanto o país está em chamas e ensanguentado, o Presidente da República, Jovenel Moise, usa as palavras para não dizer nada ou, pior ainda, atirar gasolina ao fogo.” Era assim que se iniciava uma declaração do superior dos jesuítas no Haiti, padre Jean Denis Saint-Felix, intitulada “Catástrofe humanitária, irresponsabilidade de nossos líderes e urgência de diálogo nacional”, citada pela Agência Fides. 

Jovenel Moise discursou para um país descontente a 14 de fevereiro (oito dias após o inicio de vários protestos), dizendo que vem tomando medidas para melhorar as vidas dos haitianos e pedindo paciência para as reformas terem efeito. No entanto, o discurso não apresentou nenhuma ideia para minimizar a inflação galopante, que tem levado a condições de vida extremamente precárias para a população que, na sua maioria (60 por cento), vive com menos de dois dólares por dia. Segundo o padre jesuíta, o discurso provocou apenas “desilusão, desgosto, raiva, vergonha” à população, também porque não continha nenhum anúncio de medidas concretas em resposta à crise que paralisou o país, imerso em caos e numa forte emergência humanitária.

Citando analistas políticos e baseado no seu próprio conhecimento direto, o padre Saint-Felix referia as exigências da população descontente: alto custo de vida, justiça social, perda de poder de compra, desvalorização da moeda, demanda por justiça e luta contra corrupção. Além disto, o jesuíta salienta que “crianças de famílias de baixos rendimentos estão a morrer à fome em muitos bairros pobres do país” e pergunta: “Qual é a saída? Até onde vai o Presidente da República?”.

Nas últimas três semanas, o país continua a viver protestos sucessivos pedindo a resignação do Presidente, acusado de corrupção. Pelo menos oito pessoas morreram durante os confrontos policiais e vários turistas têm sido impedidos de sair dos seus hotéis. Adicionalmente, segundo o The Guardian, 78 prisioneiros fugiram da prisão enquanto a polícia lidava com os manifestantes.

O padre jesuíta termina a sua carta afirmando que os religiosos “farão o seu dever de entrar em contato com todos os setores da vida nacional e propor um espaço para refletir sobre os mecanismos atuais desse diálogo necessário”. Para isso, acrescenta, irão “mobilizar todos os recursos, humanos e materiais, contactos e talentos, tanto nacionais como internacionais.”

Artigos relacionados

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Investigação

Quem traiu Anne Frank?

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Esta é a Igreja que eu amo! novidade

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Onde menos se espera, aí está Deus novidade

Por vezes Deus descontrola as nossas continuidades, provoca roturas, para que possamos crescer, destruir em nós uma ideia de Deus que é sempre redutora e substituí-la pela abertura à vida, onde Deus se encontra total e misteriosamente. É Ele, o seu espírito, que nos mostra o nosso nada e é a partir do nosso nada que podemos intuir e abrir-nos à imensidão de Deus, também nas suas criaturas, todas elas.

O Senhor a receber das mãos do servo

Sendo hoje 6 de Janeiro (19 de Janeiro no calendário gregoriano), no calendário juliano (seguido por grande parte dos cristãos ortodoxos em todo o mundo), celebramos a Festa da Teofania de Nosso Senhor Deus e Salvador Jesus Cristo, isto é, a festa da manifestação ou revelação ao mundo da Sua divindade, no mistério do Seu Baptismo no rio Jordão, das mãos de São João Baptista.

Cultura e artes

Cinema

Interiormente perturbador

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

[Os dias da semana]

A desinformação no YouTube

A denúncia, feita na passada quarta-feira (12 de Janeiro) passou despercebida, mas valeria a pena retê-la: o YouTube “é um dos principais canais de desinformação e informação deturpada online a nível mundial”.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This