Contra o preconceito

Jesuítas lançam campanha para promover empregabilidade de migrantes

| 16 Out 2023

Campanha JRS Portugal empregabilidade migrantes

Um dos cartazes da mais recente campanha do JRS Portugal.

 

“Há muitas pessoas refugiadas e imigrantes que apenas procuram um trabalho digno, mas tudo o que encontram são vínculos laborais precários sem contrato”, lamenta o JRS – Serviço Jesuíta aos Refugiados em Portugal. Por isso, a instituição acaba de lançar uma campanha de sensibilização para a contratação destas pessoas. Sob o mote “Algumas desculpas escondem um preconceito”, a iniciativa pretende “desconstruir os mitos mais comuns associados à contratação de pessoas imigrantes e refugiadas”.

“É verdade que existem alguns desafios e contratempos na contratação de pessoas imigrantes ou refugiadas, particularmente em situações de ilegalidade. Mas vamos ser honestos. Algumas das razões dadas quando um empregador recusa a ideia de os contratar têm base em preconceitos”, afirma o JRS Portugal no comunicado de apresentação da campanha, cujas imagens incluem mensagens como “O teu currículo é perfeito, mas agora não é o momento certo não é reconhecido cá.”, ou “Tens o perfil ideal para nós, mas não conheces este mercado vestes-te de forma diferente.”.

Através desta campanha, o JRS Portugal pretende apelar à consciência das entidades empregadoras e demonstrar que as oportunidades de trabalho dignas e respeitadoras dos direitos humanos podem fazer diferença, não só na vida dos trabalhadores imigrantes e refugiados, mas também na sociedade portuguesa como um todo: “Uma oportunidade de emprego digno representa o início de uma nova fase na vida de muitas pessoas imigrantes e refugiadas. Permite, ainda, alavancar uma série de dimensões do processo de integração, como o acesso a habitação em Portugal, o apoio à família no país de origem, entre outras”, refere André Costa Jorge, diretor-geral do JRS Portugal.

“Mas contratar pessoas imigrantes ou refugiadas não é um gesto de caridade ou boa ação, e é precisamente isso que queremos transmitir com esta campanha. É uma situação em que todas as partes ganham, ou win-win-win: beneficiam o empregador, a pessoa estrangeira contratada mas, também, os portugueses”, acrescenta ainda o responsável.

A organização disponibiliza no seu site uma área dedicada aos empregadores que desejem “contratar recursos humanos para as suas empresas/habitações particulares”, oferecendo-se para selecionar candidatos adequados às necessidades dos mesmos entre os seus utentes migrantes e acompanhar todo o processo de empregabilidade, nomeadamente através de “formação dos candidatos à medida das necessidades da empresa”.

Em 2022, o JRS Portugal conseguiu angariar 770 ofertas de emprego digno para as pessoas imigrantes e refugiadas que acolhe e acompanha diariamente.

 

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril

Três obras para ler

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril novidade

Abril, livros mil é o cliché óbvio, e até preguiçoso, para o manancial de edições no mercado livreiro português sobre os 50 anos do 25 de Abril ou que, aproveitando a efeméride redonda da Revolução dos Cravos, se inscrevem na história da ditadura do Estado Novo e da democracia nascida em 1974. O 7MARGENS traz três (breves) propostas. Abril é sinónimo de diversidade e as férias podem ser ocasião para descobrir mais como se fez a democracia que vivemos há cinco décadas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário

De norte a sul do país

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário novidade

O período do verão é muitas vezes utilizado pelos jovens bahá’ís como uma oportunidade para dedicar tempo ao serviço, e este ano não está a ser diferente. A Caravana de Serviço, um projeto que reúne jovens de diversas localidades para atividades de serviço comunitário de norte a sul do país, começou com grande entusiasmo no final de junho com o evento Reconecta, realizado em Monchique, e já em julho com um  acampamento nacional, em Palmela.

Palavras violentas, consequências violentas

Palavras violentas, consequências violentas novidade

Com uma percentagem significativa do país armada, e pelo menos uma percentagem violentamente zangada, temos de concordar que a única esperança para a paz é, como se diz, “reduzir a retórica”. – A reflexão de Phyllis Zagano sobre o panorama atual nos EUA

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This