Obras do artista “incomodam”

Jesuítas “seguram” padre Rupnik em Roma por causa de novos casos de abusos

| 25 Jan 2023

Marko Ivan Rupnik, padre jesuíta, arte

Marko Ivan Rupnik: os jesuítas querem que ele se mantenha na região de Roma. Foto © Centroaletti, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

O padre Marko Ivan Rupnik, acusado (e, em parte, julgado pelo Vaticano) por abusar de freiras, foi intimado pela Companhia de Jesus, de que é membro, a não se afastar da região de Roma, enquanto decorrerem inquéritos preliminares relativos a denúncias por parte de novas vítimas.

A informação acaba de ser divulgada pela redação em Itália da Agência Católica de Informação (ACIPrensa) que cita como fonte o padre Johan Verschueren, conselheiro geral e delegado para as Casas Jesuítas e Obras Interprovinciais de Roma. Este alto responsável da Companhia de Jesus e superior direto de Rupnik assegurou que lhe pediu para “não abandonar a região do Lazio”, em Itália, que inclui Roma e arredores.

Apesar de ter sido anunciado, no início de janeiro, que o padre Rupnik se encontra presentemente a viver num mosteiro, informações da Catholic News Agency referem uma resposta do seu superior que deixa a possibilidade de não ser assim. Tendo-lhe sido perguntado se Rupnik estava de facto num mosteiro, Johan Verschueren teve uma resposta inconclusiva: “Isso muito me surpreenderia”. Com base nesta resposta, a ACIPrensa levanta a possibilidade de os responsáveis dos jesuítas desconhecerem onde está aquele seu membro.

As investigações em curso, indicou o padre Verschueren, referem-se “às novas informações dos depoimentos e a algumas novas denúncias que foram apresentadas à nossa equipa de referência” (alusão ao grupo criado pelos jesuítas para receber e tratar este tipo de situações). Ele fez notar que “ainda não é altura” de fazer o ponto de situação sobre essas investigações, o que deverá ocorrer “em algum momento do mês de fevereiro”.

 

A quarta vítima conta a sua história

Entretanto, o italiano Domani voltou nesta terça-feira, 24, a este assunto, divulgando uma nova entrevista – a quarta – com outra religiosa da Comunidade Loyola, também de nacionalidade eslovena.

Klara (nome fictício) acusa Rupnik de, desde a adolescência, a ter manobrado para que não seguisse o curso de enfermeira (de que gostava para poder ajudar os outros, eventualmente como missionária) e pressionando-a para que entrasse no Instituto Loyola.

Uma vez aí, terá começado a abusar dela sexual e psicologicamente, desde os 22 anos, tendo ele, nessa altura, 32. O processo, pormenorizado na entrevista, foi idêntico ao de outros casos já vindos a público desde dezembro: manipulação psicológica, abuso sexual, eventualmente com envolvimento de outra religiosa, e agressão psicológica e emocional, quando ela começou a resistir às pretensões do agressor.

O padre Marko Rupnik não dá qualquer sinal de querer responder a mensagens de contacto por parte dos media, nomeadamente no Centro Aletti, onde costumava viver. Também do Vaticano não há qualquer declaração sobre este caso, o que está longe de contribuir para uma apreciação positiva da política seguida de combate aos abusos.

Enquanto isso, começam a conhecer-se algumas consequências. Na Eslovénia, repetem-se os pedidos e apelos a que ele entregue ao Estado o prestigiado prémio artístico que recebeu em 2000 e outros galardoados começam a manifestar incomodidade por se encontrarem na mesma lista de um abusador.

marko Ivan Rupnik, arte, mosaico, Jesus, Inácio de Loiola, cruz

Jesus Cristo e Inácio de Loiola carregando a cruz, pormenor de mosaico de Rupnik na Cova de Santo Inácio (Manresa, Catalunha). Foto © Medol, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons.

 

Na Polónia, o jornal Life in Krakow relata que as vítimas de abusos, que desde 2019 se encontravam uma vez por mês para rezar no santuário dedicado a João Paulo II, em Cracóvia, acabam de decidir mudar de lugar: sentiam-se incomodadas por estarem num local cujo interior é decorado com os painéis de mosaicos do padre Rupnik.

Por sua vez, a Universidade Católica Francisco de Vitoria, em Espanha, mandou suspender os trabalhos de decoração da nova capela em construção, que se encontravam em fase de conceção e desenvolvimento pela equipa liderada por Marko Rupnik. A notícia veio na ACIPrensa.

Já em meados de dezembro a Pauline Books and Media decidiu retirar do mercado três traduções de livros de Rupnik para inglês. Uma semana antes, o bispo de Versalhes, em França, emitiu um comunicado conjunto com o pároco de Montigny-Voisins anunciando o cancelamento de uma obra de decoração da nova igreja desta paróquia, que tinha sido contratada ao padre Rupnik.

 

Papa fala pela primeira vez sobre o caso

Na entrevista dada pelo Papa Francisco a Nicole Winfield, jornalista da Associated Press [ver outra notícia no 7MARGENS], ela refere-lhe que a comunicação dos Jesuítas sobre o caso dos abusos do padre Rupnik não foi muito clara, dando conta ao Papa das dúvidas que ficaram sobre o modo como o assunto foi decidido.

Perante este âmbito delimitado da questão, a resposta de Francisco revela que o primeiro caso de abuso, relativamente recente, apreciado na então Congregação da Doutrina da Fé, em 2021, conduziu a um acordo, que envolveria uma compensação à vítima em dinheiro.

Quando, nesse ano, se descobre um percurso de abusos de há algumas décadas, com início na Eslovénia, percebe-se, afirma o Papa, “que se está a lidar com uma pessoa muito limitada, que por vezes é, no entanto, poderosa”.

Passando para um registo em abstrato e fazendo uma comparação com lideres nazis ou fascistas, que podem “fazer muito mal”, o Papa acrescenta: “não é uma limitação que os impede, é uma limitação que os torna delinquentes. E nisto ajuda muito a distinguir entre pecado e crime”.

“Os pecados, explica, são sempre perdoados. Somos todos pecadores. Mas o crime, sim eu perdoo, mas tu pagas, reparas o crime. E nisto tem de se ser muito claro. Não basta perdoar e que [quem é perdoado] não reincida. Não, não! É preciso reparar e ver como reparar. E alguns devem abandonar o estado clerical porque não podem continuar numa tal situação pastoral”.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This