JMJ 2023: para lá das polémicas dos altares

| 23 Abr 2023

JMJ Lisboa 2023

Encontro internacional de preparação para a JMJ Lisboa 2023: espera-se que, para lá das polémicas, o evento redunde num grande êxito.  Foto © JMJ Lisboa 2023/N.Moreira

 

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) é considerada uma das maiores iniciativas da Igreja Católica. Os seus organizadores esperam reunir em Lisboa mais de um milhão de jovens do mundo inteiro, na semana de 1 a 6 de agosto deste ano. Esta Jornada é aberta a todos os jovens, com idades compreendidas entre os 14 e os 30 anos de idade. O lema para este encontro foi retirado do Evangelho de S. Lucas: “Maria levantou-se e partiu apressadamente” (Lc. 1,39).

Como se sabe pelos meios da comunicação social, desde há algum tempo a esta parte, não têm faltado polémicas à volta da sua realização, devidas sobretudo aos gastos sumptuosos que estavam para acontecer com dois dos altares. A discussão visou ainda o orçamento total desta realização, que poderá importar em 160 milhões de euros, pagos sobretudo pela Administração central e pelas Câmaras de Lisboa, Odivelas e Loures. Para se enfrentar estas despesas, juntar-se-ão as inscrições e subsídios anónimos e o contributo dos patrocinadores, cujos montantes, como está acordado, não serão divulgados. O que é pena.

O bispo responsável por esta iniciativa papal, D. Américo Aguiar, auxiliar da diocese de Lisboa, numa entrevista, repetindo uma vontade do Papa Francisco, informou que a JMJ se destina a todos os jovens, com ou sem religião. Para a sua realização, estão previstos cerca de 50 palcos, em vários locais da cidade de Lisboa, para serem debatidos problemas da juventude ou temas como o diálogo inter-religioso. Este mesmo bispo, presidente da Fundação JMJ2023, foi confrontado com o facto da jornada realizada em Madrid, em 2011, ter custado apenas cerca de 50 milhões de euros, muito inferior ao que se prevê gastar em Lisboa. Mesmo as outras, realizadas em diversos países do mundo, nunca atingiram o que se prevê gastar em Portugal.

Sabe-se já que a organização da JMJ recebeu cerca de cinco milhões de euros de donativos empresariais. Ou seja, pouco mais de 6% dos 80 milhões que só a Igreja tem previsto gastar. Por sua vez, a Câmara de Lisboa vai despender até 35 milhões e a Câmara de Loures avançará com uma verba entre nove e dez milhões de euros. Relativamente à Câmara de Oeiras, organizadora do encontro dos voluntários do evento com o Papa Francisco, ainda não revelou o montante que irá investir. Um enorme valor que os organizadores dizem resultar em futuro retorno, muito acima do que se irá gastar, graças às despesas pessoais dos peregrinos que poderão vir a deixar em Lisboa.

Estes volumosos gastos incluem também a recuperação de um aterro sanitário que era uma lixeira e um complexo logístico, cheio de contentores. Será neste local recuperado que irá decorrer o grande encontro com o Papa Francisco. Tem sido sobretudo a construção do altar desta cerimónia, agora cortado em 30% do seu preço inicial de cinco milhões, que tem motivado a maior parte das polémicas. O presidente da Câmara de Lisboa Carlos Moedas garantiu que este enorme espaço verde irá ficar para ser reutilizado em futuros grandes eventos.

Mas a Jornada não irá reduzir-se ao polémico altar. Irá prolongar-se por várias zonas da cidade de Lisboa, desde o Parque Eduardo VII a Belém, bem como a Loures e a Oeiras.

Recordemos que a JMJ nasceu por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985 em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

Quando em 2019, no Panamá, esta iniciativa foi confirmada para ser realizada em Lisboa [tinha sido noticiada antes pelo Religionline/7MARGENS] em 2022, a Igreja falou com representantes do Estado e todos concordaram em assumir as despesas da JMJ, a qual foi entretanto adiada, devido à pandemia.

Segundo os seus organizadores, já estão inscritos, para participar nestas Jornadas, 20 mil voluntários [e faltam cerca de 10 mil, segundo noticiou o Público neste domingo].

De todo o mundo, são esperados mais de um milhão de jovens e 550 mil já manifestaram interesse em participar. Destes, 20 mil até já pagaram a sua inscrição e representam 183 países. Para lá das polémicas, com toda a alegria os iremos receber. Será uma oportunidade única na vida de todos nós que urge aproveitar. A bem da juventude que hoje vive dias difíceis, espera-se que, para lá das polémicas, redunde num grande êxito.

 

Florentino Beirão é professor do ensino secundário. Contacto: florentinobeirao@hotmail.com

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This