“Foco nas vítimas”

JMJ assina protocolo com APAV para prevenir abusos sexuais durante a Jornada

| 2 Mar 2023

JMJ, Protocolo Abusos sexuais, APAV

João Lázaro, presidente da APAV (esqª) e Américo Aguiar, o bispo que preside à Fundação JMJ, na apresentação do protocolo. Foto © Ricardo Perna/JMJ Lisboa 2023

 

A Fundação JMJ Lisboa 2023 e a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) assinaram um protocolo para prevenir crimes de abuso e de violência, sexual ou corporal, durante a Jornada Mundial da Juventude. O protocolo tem como objectivo capacitar e formar colaboradores e voluntários da jornada, que terão “formação específica” na prevenção de apoio à vítima, agindo perante possíveis ocorrências nos locais das iniciativas em Lisboa e nas dioceses de acolhimento de participantes.

“É claramente com muita honra e com grande sentido de responsabilidade e com muito orgulho que aceitamos este desafio e queremos estar à altura de corresponder à confiança que nos é depositada”, afirmou João Lázaro, presidente da APAV.

É a primeira vez que no planeamento de uma iniciativa como a JMJ e na sua realização se coloca “o foco nas vítimas”, afirmou Lázaro.

O bispo Américo Aguiar, coordenador-geral da JMJ, que decorrerá em Lisboa, entre os dias 1 e 6 de agosto, considera que o protocolo concretiza “as melhoras práticas possíveis” para prevenir abusos e violência e garantir que “as vítimas nunca sejam esquecidas”.

No final, o mesmo responsável disse que a “tolerância zero e transparência total” em relação aos abusos terá de ser efectiva também a partir das resoluções da assembleia da Conferência Episcopal Portuguesa, esta sexta-feira em Fátima.

A execução do protocolo terá um custo de 100 mil euros, apoiado pelo Cabido da Sé de Lisboa.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This