JMJ: e um projecto dinamizador dos jovens a bem da humanidade?

| 19 Fev 2023

Jovens festejam o anúncio de Lisboa como próximo anfitrião da JMJ. Foto @JMJ2023 Lisboa

 

Com 85 anos não sou jovem, mas o tema, pelo que tem constado nos media, tem-me arranhado cá por dentro. São palcos, cenários, figurantes no’s palco’s, milhões envolvidos, coisas referentes ao “espectáculo”. Temas que façam da Jornada um projecto válido e dinamizador da juventude, para bem da humanidade e do mundo todo (não refiro para bem da Igreja, porque esta não pode ser a primeira visada) ainda não consegui ver grande coisa.

Porque a minha sensibilidade e fé também vão pondo de lado o vazio de espectáculos e de muitos ritos, pensei pôr o assunto de lado como coisa que não tivesse a ver comigo.  Mas o íntimo não sossegou e cá por dentro velhas convicções, ideais, memórias começaram de fervilhar.

Não sei explicar como dei comigo a pensar na imagem do Papa Francisco a caminhar sozinho pela Praça de São Pedro, silenciosamente e decidido, como se carregasse aos ombros uma humanidade inteira para enfrentar a guerra da covid. Nessa altura já não estava só: havia uma multidão de cientistas, de médicos e de todo o pessoal de saúde, de governantes a coordenarem defesas, de gente de todos os níveis armada de máscaras, de artistas jovens e menos jovens a derrubarem paredes de isolamentos, voluntários sem rótulo de partido nem igreja a levarem comida e apoio a quem não tinha nada disso. Um mundo a lutar para salvar a vida.

Às tantas encalhei na ideia de 800 a 1000 bispos no palco do altar da missa papal. E tudo se transtornou outra vez: não consegui ver se havia muita diferença entre essa imagem e aquelas que a TV nos dá de grandes desfiles militares em nações que orgulhosamente afirmam o seu poder militar. São grandes formações de soldados rigorosamente fardados com fardas vistosas, desfiles de material de guerra, enfim, afirmação de poder.

E uma quantidade de bispos, todos vestidos primorosamente de igual com paramentos, mitras, solidéus, que imagem deixa senão a de um poder clerical da Igreja? O que é que isso diz à multidão de jovens ali reunidos, que imagem levam de uma Igreja que quer ser fermento de nova humanidade? Poder militar/cívico, poder espiritual; tudo PODER. Nada a ver com a MENSAGEM de Jesus. O Evangelho fala de multidões que O seguiam, sem armas nem ornamentos especiais, sem dinheiro, sequiosas da Palavra, de pão, de saúde. Tanto que temos de aprender. O que seria se as jornadas mundiais de juventude fossem ocasião para a Igreja, as igrejas, cortarem de vez com o espectáculo de poder espiritual.  Seria um passo grande se os bispos deixassem todos livre o seu lugar no palco da grande celebração e, sem mitras, solidéus, paramentos vistosos, se misturassem com os jovens das suas dioceses; nasceria daí conhecimento, proximidade, empatia, comunhão de ideais, equipa que fosse fermento na massa, de regresso às suas terras. Teria valido a Jornada Mundial da Juventude para ajudar, aos poucos, a humanidade a ser mais humana.

Para isto seria apenas necessário uma centelha de querer que não tivesse ninguém a querer apagá-la.

P.S. – E o que fazer às mitras, solidéus e paramentos que a estas horas já foram objecto de negócio nada barato? Venda-se tudo em leilão, porque certamente haverá colecionadores interessados…

 

António Correia

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik

Para "dar prioridade às vítimas"

Santuário de São João Paulo II, nos EUA, vai tapar obras de arte de Rupnik novidade

Os Cavaleiros de Colombo, maior organização leiga católica do mundo, anunciaram esta quinta-feira,11 de julho, que irão cobrir os mosaicos da autoria do padre Marko Rupnik, acusado de abusos sexuais e de poder, que decoram as duas capelas do Santuário Nacional de São João Paulo II, em Washington, e a capela da sede da organização em New Haven, Connecticut (EUA). A decisão, inédita na Igreja, surge uma semana depois de o bispo de Lourdes ter admitido considerar que os mosaicos do padre e artista esloveno que decoram o santuário mariano francês acabarão por ter de ser retirados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This