JMJ: e um projecto dinamizador dos jovens a bem da humanidade?

| 19 Fev 2023

Jovens festejam o anúncio de Lisboa como próximo anfitrião da JMJ. Foto @JMJ2023 Lisboa

 

Com 85 anos não sou jovem, mas o tema, pelo que tem constado nos media, tem-me arranhado cá por dentro. São palcos, cenários, figurantes no’s palco’s, milhões envolvidos, coisas referentes ao “espectáculo”. Temas que façam da Jornada um projecto válido e dinamizador da juventude, para bem da humanidade e do mundo todo (não refiro para bem da Igreja, porque esta não pode ser a primeira visada) ainda não consegui ver grande coisa.

Porque a minha sensibilidade e fé também vão pondo de lado o vazio de espectáculos e de muitos ritos, pensei pôr o assunto de lado como coisa que não tivesse a ver comigo.  Mas o íntimo não sossegou e cá por dentro velhas convicções, ideais, memórias começaram de fervilhar.

Não sei explicar como dei comigo a pensar na imagem do Papa Francisco a caminhar sozinho pela Praça de São Pedro, silenciosamente e decidido, como se carregasse aos ombros uma humanidade inteira para enfrentar a guerra da covid. Nessa altura já não estava só: havia uma multidão de cientistas, de médicos e de todo o pessoal de saúde, de governantes a coordenarem defesas, de gente de todos os níveis armada de máscaras, de artistas jovens e menos jovens a derrubarem paredes de isolamentos, voluntários sem rótulo de partido nem igreja a levarem comida e apoio a quem não tinha nada disso. Um mundo a lutar para salvar a vida.

Às tantas encalhei na ideia de 800 a 1000 bispos no palco do altar da missa papal. E tudo se transtornou outra vez: não consegui ver se havia muita diferença entre essa imagem e aquelas que a TV nos dá de grandes desfiles militares em nações que orgulhosamente afirmam o seu poder militar. São grandes formações de soldados rigorosamente fardados com fardas vistosas, desfiles de material de guerra, enfim, afirmação de poder.

E uma quantidade de bispos, todos vestidos primorosamente de igual com paramentos, mitras, solidéus, que imagem deixa senão a de um poder clerical da Igreja? O que é que isso diz à multidão de jovens ali reunidos, que imagem levam de uma Igreja que quer ser fermento de nova humanidade? Poder militar/cívico, poder espiritual; tudo PODER. Nada a ver com a MENSAGEM de Jesus. O Evangelho fala de multidões que O seguiam, sem armas nem ornamentos especiais, sem dinheiro, sequiosas da Palavra, de pão, de saúde. Tanto que temos de aprender. O que seria se as jornadas mundiais de juventude fossem ocasião para a Igreja, as igrejas, cortarem de vez com o espectáculo de poder espiritual.  Seria um passo grande se os bispos deixassem todos livre o seu lugar no palco da grande celebração e, sem mitras, solidéus, paramentos vistosos, se misturassem com os jovens das suas dioceses; nasceria daí conhecimento, proximidade, empatia, comunhão de ideais, equipa que fosse fermento na massa, de regresso às suas terras. Teria valido a Jornada Mundial da Juventude para ajudar, aos poucos, a humanidade a ser mais humana.

Para isto seria apenas necessário uma centelha de querer que não tivesse ninguém a querer apagá-la.

P.S. – E o que fazer às mitras, solidéus e paramentos que a estas horas já foram objecto de negócio nada barato? Venda-se tudo em leilão, porque certamente haverá colecionadores interessados…

 

António Correia

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This