JMJ em Lisboa com vista para o Tejo e a ponte Vasco da Gama

| 22 Jan 19

Mapa do local de realização das JMJ em Lisboa; foto reproduzida do Google Maps.

Será com vista para a Ponte Vasco da Gama e o rio Tejo, que centenas de milhar de jovens de todo o mundo celebrarão em Lisboa as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), presididas pelo Papa, no Verão de 2022. Tudo aponta para que o Parque do Tejo e do Trancão, na confluência dos concelhos de Lisboa e de Loures, por baixo da ponte construída em 1998, será o local central dos actos principais das (JMJ) em Lisboa. O anúncio formal do nome de Lisboa como cidade de acolhimento será feito pelo próprio Papa Francisco, no Panamá, no próximo domingo (talvez perto das 14h de Lisboa) quando estiver a terminar a missa de encerramento das 42ª JMJ e o Papa entregar a D. Manuel Clemente a “cruz das Jornadas”, o símbolo da sua realização e que presidirá a actividades de preparação da mesma. 

A decisão sobre o assunto foi confirmada ao 7MARGENS, esta manhã, por diversas fontes eclesiásticas. E vem atestar também a veracidade da notícia dada em Dezembro. Nessa altura, vários padres do patriarcado falavam de outras localizações possíveis – como as bases aéreas da Ota ou do Montijo. Mas acabou por prevalecer a ideia de que o fim-de-semana em que decorrem os actos principais das Jornadas – a vigília e a eucaristia presididas pelo Papa – deveriam decorrer em Lisboa.

O local de realização do acontecimento, que era uma das questões essenciais ainda pendentes, terá sido tomada tendo em conta não só a vontade do patriarcado de Lisboa em ter o acontecimento próximo da cidade, como também o “grande investimento” que o actual presidente da Câmara Municipal da capital, Fernando Medina, colocou no assunto – e que o faz deslocar-se ao Panamá com uma “grande comitiva”, como disse uma fonte estatal. Aliás, a confirmação de que tudo de essencial está resolvido é dada pelo facto de, no Panamá, estarem também, no próximo fim-de-semana, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

Um dos padres de Lisboa dizia mesmo que o Presidente da República, o patriarca, o presidente da Câmara e o vereador responsável pelo Urbanismo e Reabilitação Urbana já estiveram todos no local para avaliar as condições existentes. Zona de aluviões, o terreno apresenta alguns riscos, sobretudo se houvesse chuvas nos dias anteriores – facto menos provável, já que o acontecimento decorrerá no Verão; e também exigirá a construção ou instalação de pontes pedonais para que os participantes nas jornadas – sempre para cima de meio milhão, quando estas decorreram na Europa – possam atravessar o Trancão em segurança.

Além disso, a operação implica uma logística pesada: um altar para a celebração da missa e a vigília, sacristias para a paramentação de centenas de padres, salas de imprensa e de logística, largas centenas de casa de banho, camiões de transporte… Normalmente, de sábado para domingo os jovens dormem ao relento, no próprio campo onde decorrem esses actos principais, o que também implica espaço suficiente para estender centenas de milhares de sacos-cama e mochilas.

Provavelmente, o Colégio Pedro Arrupe – escola privada, mas liderada por pais e professores que se baseiam na espiritualidade jesuíta – poderá servir para assegurar várias destas necessidades. Mas, mesmo assim, e mesmo aproveitando todo o espaço disponível, a organização implica alguma complexidade.

Do lado do patriarcado e da Conferência Episcopal – já que uma iniciativa como esta implicará o envolvimento de todas as dioceses portuguesas (e até, talvez, de algumas espanholas mais próximas da fronteira) – também já terá sido escolhido o principal rosto para coordenar a vasta operação logística e organizativa: o padre Américo Aguiar, presidente da administração da Rádio Renascença, que coordenou a organização da visita do Papa Bento XVI ao Porto, além de ter trabalhado directamente no gabinete do então bispo do Porto, Manuel Clemente, antes de este ter vindo para o patriarcado. Além disso, uma das fontes assegurou ao 7MARGENS que Américo Aguiar já esteve no Panamá para observar a preparação das Jornadas que serão abertas pelo Papa nesta quinta-feira, 24.

 

Quem será o Papa que vem?

Decidida a realização e o local, falta que o Papa anuncie a data concreta. E só mais para a frente no tempo se perceberá se será ainda Francisco a presidir às jornadas de Lisboa ou se isso já caberá ao seu sucessor. O Papa argentino já fez saber, em diferentes ocasiões, que o seu será um pontificado curto, abrindo as portas à possibilidade de resignar, tal como fez Bento XVI, em 2013. É uma incógnita saber se Francisco vai resignar antes de 2022 ou não. Por isso, essa será ainda, durante algum tempo (ou mesmo durante mais três anos), a grande incógnita em relação a este acontecimento.

Durante os dias iniciais das Jornadas (quatro a cinco, para lá das semanas de preparação imediata), os jovens deverão ficar distribuídos por várias dioceses, onde se realizarão dezenas de actividades – debates, conferências, exposições, concertos, animação de rua… Depois, confluem para a capital, onde decorrem os actos principais sob a presidência do Papa.

Já desde 2011 que os responsáveis católicos portugueses tinham assumido querer trazer as JMJ para Portugal (e havia mesmo um pedido ao Vaticano, datado de 2009). E também já nessa altura era previsível que, pelo calendário da sua realização, isso nunca seria possível antes de 2021 ou 2022. O processo de decisão jogou a favor de Lisboa e a data acaba por ser a primeira possível.

 

 

Breves

Uma viagem global pela santidade com o padre Adelino Ascenso

Do Tibete a Varanasi e ao Líbano, do budismo ao cristianismo, passando pelo hinduísmo. Uma viagem pela santidade em tempos de globalização é o que irá propor o padre Adelino Ascenso, no âmbito do Seminário Internacional de Estudos Globais, numa sessão presencial e em vídeo.

Uma “Teo Conversa” no Facebook

A propósito da nova revista de Teologia Ad Aeternum, a área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona vai iniciar nesta quinta-feira, 29, às 22h (19h em Brasília) um conjunto de debates em vídeo, que podem ser acompanhados na respectiva página no Facebook. 

Antigo engenheiro militar sucede a Barbarin como arcebispo de Lyon

O Papa nomeou esta quinta-feira, 22 de outubro, Olivier de Germay, até agora bispo de Ajaccio (na Córsega), como novo arcebispo de Lyon. Está assim encontrado o sucessor do cardeal Philippe Barbarin, cuja renúncia tinha sido aceite por Francisco em março deste ano. 

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

Outras margens

Cultura e artes

Música e desporto, ou a teologia prática da ascese novidade

A ascese como exercício espiritual e corporal, como experiência artística, como prática comunicacional ou como metáfora da casa comum. Estes serão os próximos temas da X Jornada de Teologia Prática, dedicada ao tema O Apelo do Essencial, que é promovida pela Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa (FT/UCP)

Museus do Vaticano com cursos e iniciativas online

Os Patronos de Artes dos Museus do Vaticano lançaram uma série de iniciativas e cursos em vídeo, que incluem conferências ao vivo ou uma “hora do café” de perguntas e respostas com especialistas. O objectivo é que os participantes e apoiantes dos museus permaneçam ligados durante a pandemia.

O mosaico de todos os dramas da humanidade no filme “Francesco” que o 7MARGENS já viu

Um mosaico construído pelos dramas da humanidade, que o Papa assumiu como seus, é como se pode definir o filme-documentário Francesco, do realizador russo Evgeny Afineevsky, que foi apresentado na Festa do Cinema de Roma na passada quarta-feira. Na noite deste domingo, 25, a obra ficou disponível no Savannah Film Festival (EUA), podendo ser alugado e visto até ao próximo sábado.

Pessoas

Sete Partidas

Outono em Washington DC: cores quentes, cidade segregada

Vou jantar fora com um grupo de amigas, algo que parece impensável nos dias que correm, e fico deslumbrada com o ambiente que se vive nas ruas, deparo-me com inúmeros bancos de jardim que agora se transformaram em casa para alguém, algumas tendas de campismo montadas em Dupont Circle, a rotunda que define a fronteira invisível entre ricos e pobres.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

“Fratelli Tutti”: Corajoso apelo novidade

Paul Ricoeur distingue nesse ponto a solidariedade e o cuidado ou caridade. Se a solidariedade é necessária, não pode reduzir-se a uma mera lógica assistencial. É preciso cuidar. Se as políticas de Segurança Social têm de se aperfeiçoar, a sociedade é chamada a organizar-se para o cuidado de quem está só ou está a ficar para trás.

Uma espiritualidade com ou sem Deus?

Sempre que o Homem procura ser o centro-de-si-mesmo, o individualismo e o relativismo crescem gerando o autoconsumo de si mesmo. Espiritualmente, há uma espiral autocentrada presente nos livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal, que na bondade da intenção, não têm a capacidade de ajudar a sair de um ciclo vicioso egoísta e possessivo. No vazio cabem sempre muitas coisas, mas nenhuma se encaixa verdadeiramente.

Fale connosco