JMJ em Lisboa com vista para o Tejo e a ponte Vasco da Gama

| 22 Jan 19

Mapa do local de realização das JMJ em Lisboa; foto reproduzida do Google Maps.

Será com vista para a Ponte Vasco da Gama e o rio Tejo, que centenas de milhar de jovens de todo o mundo celebrarão em Lisboa as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), presididas pelo Papa, no Verão de 2022. Tudo aponta para que o Parque do Tejo e do Trancão, na confluência dos concelhos de Lisboa e de Loures, por baixo da ponte construída em 1998, será o local central dos actos principais das (JMJ) em Lisboa. O anúncio formal do nome de Lisboa como cidade de acolhimento será feito pelo próprio Papa Francisco, no Panamá, no próximo domingo (talvez perto das 14h de Lisboa) quando estiver a terminar a missa de encerramento das 42ª JMJ e o Papa entregar a D. Manuel Clemente a “cruz das Jornadas”, o símbolo da sua realização e que presidirá a actividades de preparação da mesma. 

A decisão sobre o assunto foi confirmada ao 7MARGENS, esta manhã, por diversas fontes eclesiásticas. E vem atestar também a veracidade da notícia dada em Dezembro. Nessa altura, vários padres do patriarcado falavam de outras localizações possíveis – como as bases aéreas da Ota ou do Montijo. Mas acabou por prevalecer a ideia de que o fim-de-semana em que decorrem os actos principais das Jornadas – a vigília e a eucaristia presididas pelo Papa – deveriam decorrer em Lisboa.

O local de realização do acontecimento, que era uma das questões essenciais ainda pendentes, terá sido tomada tendo em conta não só a vontade do patriarcado de Lisboa em ter o acontecimento próximo da cidade, como também o “grande investimento” que o actual presidente da Câmara Municipal da capital, Fernando Medina, colocou no assunto – e que o faz deslocar-se ao Panamá com uma “grande comitiva”, como disse uma fonte estatal. Aliás, a confirmação de que tudo de essencial está resolvido é dada pelo facto de, no Panamá, estarem também, no próximo fim-de-semana, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

Um dos padres de Lisboa dizia mesmo que o Presidente da República, o patriarca, o presidente da Câmara e o vereador responsável pelo Urbanismo e Reabilitação Urbana já estiveram todos no local para avaliar as condições existentes. Zona de aluviões, o terreno apresenta alguns riscos, sobretudo se houvesse chuvas nos dias anteriores – facto menos provável, já que o acontecimento decorrerá no Verão; e também exigirá a construção ou instalação de pontes pedonais para que os participantes nas jornadas – sempre para cima de meio milhão, quando estas decorreram na Europa – possam atravessar o Trancão em segurança.

Além disso, a operação implica uma logística pesada: um altar para a celebração da missa e a vigília, sacristias para a paramentação de centenas de padres, salas de imprensa e de logística, largas centenas de casa de banho, camiões de transporte… Normalmente, de sábado para domingo os jovens dormem ao relento, no próprio campo onde decorrem esses actos principais, o que também implica espaço suficiente para estender centenas de milhares de sacos-cama e mochilas.

Provavelmente, o Colégio Pedro Arrupe – escola privada, mas liderada por pais e professores que se baseiam na espiritualidade jesuíta – poderá servir para assegurar várias destas necessidades. Mas, mesmo assim, e mesmo aproveitando todo o espaço disponível, a organização implica alguma complexidade.

Do lado do patriarcado e da Conferência Episcopal – já que uma iniciativa como esta implicará o envolvimento de todas as dioceses portuguesas (e até, talvez, de algumas espanholas mais próximas da fronteira) – também já terá sido escolhido o principal rosto para coordenar a vasta operação logística e organizativa: o padre Américo Aguiar, presidente da administração da Rádio Renascença, que coordenou a organização da visita do Papa Bento XVI ao Porto, além de ter trabalhado directamente no gabinete do então bispo do Porto, Manuel Clemente, antes de este ter vindo para o patriarcado. Além disso, uma das fontes assegurou ao 7MARGENS que Américo Aguiar já esteve no Panamá para observar a preparação das Jornadas que serão abertas pelo Papa nesta quinta-feira, 24.

 

Quem será o Papa que vem?

Decidida a realização e o local, falta que o Papa anuncie a data concreta. E só mais para a frente no tempo se perceberá se será ainda Francisco a presidir às jornadas de Lisboa ou se isso já caberá ao seu sucessor. O Papa argentino já fez saber, em diferentes ocasiões, que o seu será um pontificado curto, abrindo as portas à possibilidade de resignar, tal como fez Bento XVI, em 2013. É uma incógnita saber se Francisco vai resignar antes de 2022 ou não. Por isso, essa será ainda, durante algum tempo (ou mesmo durante mais três anos), a grande incógnita em relação a este acontecimento.

Durante os dias iniciais das Jornadas (quatro a cinco, para lá das semanas de preparação imediata), os jovens deverão ficar distribuídos por várias dioceses, onde se realizarão dezenas de actividades – debates, conferências, exposições, concertos, animação de rua… Depois, confluem para a capital, onde decorrem os actos principais sob a presidência do Papa.

Já desde 2011 que os responsáveis católicos portugueses tinham assumido querer trazer as JMJ para Portugal (e havia mesmo um pedido ao Vaticano, datado de 2009). E também já nessa altura era previsível que, pelo calendário da sua realização, isso nunca seria possível antes de 2021 ou 2022. O processo de decisão jogou a favor de Lisboa e a data acaba por ser a primeira possível.

 

 

Breves

China

Repressão contra uigures não para

O município de Konasheher, no centro da região uigur chinesa (Xinjiang), detém, segundo um levantamento da Associated Press (AP), a maior taxa de prisão conhecida no mundo: mais de 10.000 uigures (um em cada 25 habitantes) estão presos, acusados pelos tribunais chineses de atos de terrorismo.

Entrada livre

Livro sobre Pemba apresentado em Braga

Fundada em 1957, a diocese moçambicana de Pemba tornou-se amplamente conhecida pela circunstância de, desde há anos, ter sido constantemente vítima do terrorismo. Um livro com a história da evangelização do seu território, intitulado Testemunhas de uma Memória Viva – História da Evangelização da Província de Cabo Delgado, é apresentado em Braga, no Centro Pastoral da Arquidiocese (Rua de São Domingos, 94 B), na próxima segunda-feira, 16 de Maio, às 17h00.

Iniciativa pela paz

“Não à guerra”, dizem as crianças de Braga

Cerca de um milhar de crianças que frequentam o 1.º ciclo de escolaridade em diversos estabelecimentos de ensino bracarenses participaram na tarde desta segunda-feira, dia 9 de Maio, no centro da cidade de Braga. numa acção de solidariedade e de homenagem às crianças ucranianas.

Boas notícias

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

Migrantes e refugiados contam vidas em teatro

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

E como se arruma a vida numa pequena mala se tivermos apenas uma hora para fugir das bombas? Porque temos de decidir deixar para trás a roupa nova, o colchão de yoga, o livro que se começou a ler? Como se pode trocar um dia de aniversário pelo dia de início de uma guerra que outros nos fazem? Porque não se pode, sequer, encenar o pequeno teatro que era costume fazer para os amigos nesse dia?

Outras margens

Cultura e artes

Pré-publicação

Qual é a religião de Deus?

Na próxima quinta-feira, 19 de maio, será apresentado no Porto Todos Nós Somos Sendo (ed. Contraponto), o livro que completa uma trilogia de conversas entre frei Fernando Ventura e Joaquim Franco. O 7MARGENS antecipa um excerto da obra, na qual frei Fernando e Joaquim questionam: “qual é a religião de Deus?” 

Filme no Dia Internacional

Aprender a “Viver Juntos em Paz” 

Em sintonia com os objetivos do Dia Internacional de Viver Juntos em Paz, que esta segunda-feira, 16 de maio, se celebrou, a organização Aliança das Civilizações, da ONU, lançou o filme All of Us [Todos nós], do realizador Pierre Pirard, em parceria com outras organizações internacionais.

Exposições, música e debates

“Diakuyu”: uma iniciativa para ajudar os ucranianos, e agradecer-lhes também

Uma exposição solidária com recolha de fundos para apoio aos refugiados ucranianos em Portugal está patente desde esta quinta-feira, 12, na Galeria Santa Maria Maior, em Lisboa. O título da exposição, Diakuyo, ou “obrigado” em ucraniano, foi escolhido por se tratar de “uma homenagem e agradecimento ao povo ucraniano, que não está está só a lutar em causa própria, mas para a defesa de valores universais da humanidade como a liberdade e a justiça”, explica a organização em nota enviada ao 7MARGENS.

Festival Terras Sem Sombra

“O esplendor da polifonia sacra portuguesa” na Vidigueira

O grupo vocal Cupertinos, dirigido por Luís Toscano será o convidado do segundo concerto do Festival Terras sem Sombra, na sua temporada 2022. O espectáculo decorre na Igreja de São Cucufate, em Vila de Frades (Vidigueira), um monumento que a organização considerou ter “excepcionais condições acústicas para a interpretação da música vocal”. Será neste sábado, 14 de Maio, a partir das 21h30. Uma forma de (re)descobrir “o esplendor da polifonia sacra portuguesa do Renascimento e do Maneirismo”, como sugere a organização.

Pessoas

Aprender a “Viver Juntos em Paz” 

Filme no Dia Internacional

Aprender a “Viver Juntos em Paz” 

Em sintonia com os objetivos do Dia Internacional de Viver Juntos em Paz, que esta segunda-feira, 16 de maio, se celebrou, a organização Aliança das Civilizações, da ONU, lançou o filme All of Us [Todos nós], do realizador Pierre Pirard, em parceria com outras organizações internacionais.

Sete Partidas

Páscoa na Arménia

Quando andámos a filmar o ARtMENIANS em 2014, pudemos assistir ao #rito da Páscoa da Igreja Arménia: Domingo de Ramos em Etchmiadzin (o “Vaticano” da Igreja Arménia), e Domingo de Páscoa no mosteiro de Gelarde. Recomendo tudo: as celebrações, os cânticos antiquíssimos, a vivência da fé, os cenários. A alegria das crianças no Domingo de Ramos, a festa da ressurreição em Gelarde – e uma solista a cantar numa sala subterrânea, uma das primeiras igrejas cristãs do mundo. 

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Sermos pessoas “Laudato Si’” sem esforço novidade

Há quase dois anos que em nossa casa deixámos de comprar iogurtes e começámos a fazê-los em casa. Um dia fizemos as contas e essa pequena mudança representa cerca de 1000 embalagens de plástico que deixámos de consumir. Se 1000 famílias fizessem como nós, seria 1 tonelada a menos de plástico. As grandes mudanças começam pelas pequenas.

Não quero senão

Se aos olhos de alguém transpareço / noutros sorrisos me encontro / aprendi a voar nos abismos / da alma humana inacabada / entristecida de arrogâncias / falácias perpétuas sem rosto

A hermenêutica de Jesus (3): Jesus e as Parábolas

O ensino das sagradas escrituras na época de Jesus era uma prática comum entre o povo judeu. Desde cedo, os rabinos ensinavam às crianças a leitura e escrita da Torá e a memorizar grandes porções da mesma. Entre as várias técnicas de ensino, estava a utilização de parábolas.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This