JMJ em Lisboa com vista para o Tejo e a ponte Vasco da Gama

| 22 Jan 19 | Destaques, Jovens: Sínodo e Jornada Mundial da Juventude, Últimas

Mapa do local de realização das JMJ em Lisboa; foto reproduzida do Google Maps.

Será com vista para a Ponte Vasco da Gama e o rio Tejo, que centenas de milhar de jovens de todo o mundo celebrarão em Lisboa as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), presididas pelo Papa, no Verão de 2022. Tudo aponta para que o Parque do Tejo e do Trancão, na confluência dos concelhos de Lisboa e de Loures, por baixo da ponte construída em 1998, será o local central dos actos principais das (JMJ) em Lisboa. O anúncio formal do nome de Lisboa como cidade de acolhimento será feito pelo próprio Papa Francisco, no Panamá, no próximo domingo (talvez perto das 14h de Lisboa) quando estiver a terminar a missa de encerramento das 42ª JMJ e o Papa entregar a D. Manuel Clemente a “cruz das Jornadas”, o símbolo da sua realização e que presidirá a actividades de preparação da mesma. 

A decisão sobre o assunto foi confirmada ao 7MARGENS, esta manhã, por diversas fontes eclesiásticas. E vem atestar também a veracidade da notícia dada em Dezembro. Nessa altura, vários padres do patriarcado falavam de outras localizações possíveis – como as bases aéreas da Ota ou do Montijo. Mas acabou por prevalecer a ideia de que o fim-de-semana em que decorrem os actos principais das Jornadas – a vigília e a eucaristia presididas pelo Papa – deveriam decorrer em Lisboa.

O local de realização do acontecimento, que era uma das questões essenciais ainda pendentes, terá sido tomada tendo em conta não só a vontade do patriarcado de Lisboa em ter o acontecimento próximo da cidade, como também o “grande investimento” que o actual presidente da Câmara Municipal da capital, Fernando Medina, colocou no assunto – e que o faz deslocar-se ao Panamá com uma “grande comitiva”, como disse uma fonte estatal. Aliás, a confirmação de que tudo de essencial está resolvido é dada pelo facto de, no Panamá, estarem também, no próximo fim-de-semana, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

Um dos padres de Lisboa dizia mesmo que o Presidente da República, o patriarca, o presidente da Câmara e o vereador responsável pelo Urbanismo e Reabilitação Urbana já estiveram todos no local para avaliar as condições existentes. Zona de aluviões, o terreno apresenta alguns riscos, sobretudo se houvesse chuvas nos dias anteriores – facto menos provável, já que o acontecimento decorrerá no Verão; e também exigirá a construção ou instalação de pontes pedonais para que os participantes nas jornadas – sempre para cima de meio milhão, quando estas decorreram na Europa – possam atravessar o Trancão em segurança.

Além disso, a operação implica uma logística pesada: um altar para a celebração da missa e a vigília, sacristias para a paramentação de centenas de padres, salas de imprensa e de logística, largas centenas de casa de banho, camiões de transporte… Normalmente, de sábado para domingo os jovens dormem ao relento, no próprio campo onde decorrem esses actos principais, o que também implica espaço suficiente para estender centenas de milhares de sacos-cama e mochilas.

Provavelmente, o Colégio Pedro Arrupe – escola privada, mas liderada por pais e professores que se baseiam na espiritualidade jesuíta – poderá servir para assegurar várias destas necessidades. Mas, mesmo assim, e mesmo aproveitando todo o espaço disponível, a organização implica alguma complexidade.

Do lado do patriarcado e da Conferência Episcopal – já que uma iniciativa como esta implicará o envolvimento de todas as dioceses portuguesas (e até, talvez, de algumas espanholas mais próximas da fronteira) – também já terá sido escolhido o principal rosto para coordenar a vasta operação logística e organizativa: o padre Américo Aguiar, presidente da administração da Rádio Renascença, que coordenou a organização da visita do Papa Bento XVI ao Porto, além de ter trabalhado directamente no gabinete do então bispo do Porto, Manuel Clemente, antes de este ter vindo para o patriarcado. Além disso, uma das fontes assegurou ao 7MARGENS que Américo Aguiar já esteve no Panamá para observar a preparação das Jornadas que serão abertas pelo Papa nesta quinta-feira, 24.

 

Quem será o Papa que vem?

Decidida a realização e o local, falta que o Papa anuncie a data concreta. E só mais para a frente no tempo se perceberá se será ainda Francisco a presidir às jornadas de Lisboa ou se isso já caberá ao seu sucessor. O Papa argentino já fez saber, em diferentes ocasiões, que o seu será um pontificado curto, abrindo as portas à possibilidade de resignar, tal como fez Bento XVI, em 2013. É uma incógnita saber se Francisco vai resignar antes de 2022 ou não. Por isso, essa será ainda, durante algum tempo (ou mesmo durante mais três anos), a grande incógnita em relação a este acontecimento.

Durante os dias iniciais das Jornadas (quatro a cinco, para lá das semanas de preparação imediata), os jovens deverão ficar distribuídos por várias dioceses, onde se realizarão dezenas de actividades – debates, conferências, exposições, concertos, animação de rua… Depois, confluem para a capital, onde decorrem os actos principais sob a presidência do Papa.

Já desde 2011 que os responsáveis católicos portugueses tinham assumido querer trazer as JMJ para Portugal (e havia mesmo um pedido ao Vaticano, datado de 2009). E também já nessa altura era previsível que, pelo calendário da sua realização, isso nunca seria possível antes de 2021 ou 2022. O processo de decisão jogou a favor de Lisboa e a data acaba por ser a primeira possível.

 

 

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Fale connosco