No espírito da “Laudato Sí’”

JMJ 2023 quer ser ecológica e ajudar a criar “um novo parque verde”

| 4 Out 2021

Compromissos ambientais também devem envolver os jovens. Foto © MCGC.

 

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 quer deixar, antes de mais, “um legado muito Laudato Si’: quisemos que qualquer investimento para o espaço fosse um investimento ecológico”. Um “novo parque verde” nascerá do lugar onde se desenrolam os actos principais da JMJ, garante o responsável da organização, o bispo auxiliar de Lisboa, Américo Aguiar. Os actos principais da Jornada, que terá lugar de 1 a 6 de agosto de 2023, decorrerão no Parque do Tejo e do Trancão, abrangendo uma área (parte da qual será revitalizada) entre os concelhos de Lisboa e Loures, como o 7MARGENS noticiou em primeira mão em Janeiro de 2019, depois de, em Dezembro anterior, ter noticiado a realização do acontecimento em Lisboa, antes do anúncio oficial.

Também na logística a Jornada pretende ser na perspectiva da Laudato Si’, a encíclica do Papa Francisco sobre o cuidado da casa comum. “Não chega só ter um discurso a louvar a encíclica” e por isso haverá o mínimo de papéis e de plástico: “embalagens que se comam”, soluções para fornecimento de água que evitem o uso de plástico e guiões 100% digitais são algumas das hipóteses em estudo.

A preparação do acontecimento é exigente também para colocar as 21 dioceses católicas portuguesas a trabalhar em conjunto, o que em Portugal não é uma experiência comum, diz Américo Aguiar. A própria organização não pode ser uma entidade central, defende o bispo, mas deve dar protagonismo aos comités organizadores diocesanos (COD). “Há centenas de leigos a colaborar no Comité Organizador Local [nacional] e uma dúzia de padres; mas os padres são assistentes.”

Desde Janeiro, os comités diocesanos promovem iniciativas a cada dia 23. “O foco principal não é rezar o terço ou ter uma celebração de culto, mas fazer encontros diversificados no tema e nos destinatários. No Verão de 2023, 1,8 milhões de portugueses terão idade para ser peregrinos na JMJ, por isso o convite tem de chegar a todos, ninguém se pode sentir esquecido ou ignorado.”

 

“Não estamos sozinhos”

Jovens festejam o anúncio de Lisboa como próximo anfitrião da JMJ. Foto @JMJ2023 Lisboa

 

João Costa, 24 anos, que trabalha em Faro (sul) na manutenção de espaços verdes, integra a equipa diocesana de pastoral de juventude e é um dos responsáveis do COD do Algarve. Em 23 de Junho, véspera da festa de São João Baptista, o comité organizou uma oração na praia, usando os símbolos da água e do baptismo.

“Ir às periferias geográficas, sociais, às prisões, aos hospitais, aos sítios que não têm jovens tem de ser um foco do nosso trabalho”, diz. “Não vejo a Igreja como uma família que se dá sempre bem, sem opiniões diferentes, mas que acolha quem pense ou viva de maneira diferente, como os homossexuais”, acrescenta, E isso tem de ser feito num “caminho de diálogo e respeito”.

João, que participou na JMJ de Cracóvia (Polónia), em 2016, recorda a importância de sentir que “não estamos sozinhos, que há milhões à procura do encontro pleno com a pessoa de Jesus e com tantos outros jovens”.

O mesmo diz Ondina Matos, 47 anos, enfermeira, que foi directora do Departamento da Pastoral de Juventude (2010-2016) da diocese de Aveiro (centro litoral) e participou em seis JMJ: Roma 2000, Colónia 2005, Sidney 2008, Madrid 2011, Rio de Janeiro 2013 e Cracóvia 2016. Apesar das “vivências muito diferentes”, em todas viveu uma forte “experiência de fé”, pelo facto de haver “muitos outros que fazem o mesmo caminho”.

O antropólogo Alfredo Teixeira, professor na Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa (UCP), recorda que a JMJ foi concebida como um mega-evento que pretende gerar um “processo de identificação” e “um conjunto de dinâmicas centradas no acontecimento”.

João Costa recorda-se bem da homilia do Papa em Cracóvia: “Não devemos ser jovens de sofá, mas capazes de calçar as sapatilhas e pôr-se a caminho do encontro com outros” jovens ou de pessoas em situações difíceis como os refugiados. “Não podemos andar a preparar a JMJ de uma Igreja universal e ignorar os problemas do nosso mundo”, diz.

Mafalda Pinto, 27 anos, engenheira alimentar, está no outro extremo de Portugal, na zona de Bragança (nordeste, junto à fronteira com as regiões de Zamora e León), onde integra um grupo de jovens ligado aos Padres Marianos. Esteve na JMJ de Madrid (2011) e no Panamá (2019).

“Madrid foi uma experiência muito marcante”, recorda, até porque se envolveu a recolher fundos para apoiar a viagem de jovens que não tinham meios de participar. E em Cuatro Vientos, na noite da vigília, recorda o momento em que começou a chover e como, após a chuva, se fez um silêncio impressionante no momento da adoração.

“Na JMJ de Madrid fizemos uma experiência de fé; agora trata-se de a aprofundar, através de acções junto de pessoas que necessitem, fazendo a experiência do Jesus misericordioso”, diz. Da JMJ de Lisboa, espera conseguir “aprofundar a fé e a oração, e aprender mais a ir ao encontro dos idosos ou de quem precise”. E deseja também que a Jornada tenha também um papel de sensibilização ecológica e que, no final, não fiquem toneladas de desperdícios plásticos, como em Cuatro Vientos.

 

“Os jovens são o presente”

 

planeta terra alteracoes climaticas

Jovens podem voltar à Igreja pela questão ambiental. Foto direitos reservados

 

Ondina Matos espera que a JMJ de Lisboa possa “tocar outros jovens”, com uma preparação que “envolva a sociedade civil”. Mas o que deseja mesmo é que ela ajude a dinamizar a pastoral juvenil em Portugal: “É importante perceber que os jovens não são o futuro da Igreja, porque são presente; a Igreja tem de apostar claramente no que quer que os jovens sejam no futuro, quando forem família ou trabalharem. Será mau se a JMJ se limitar a juntar muita gente e todo este esforço se esvair a seguir.”

“Decisivo é o que está para lá do acontecimento”, acrescenta Alfredo Teixeira e que implica perceber se a mensagem cristã “é relevante para os contextos de vida dos adolescentes e jovens adultos”.

Nesse aspecto, observa, a Igreja Católica “continua com muitas dificuldades”. Os inquéritos mais recentes – internacionais e portugueses, neste caso coordenados pelo professor da UCP – mostram que há “um claro distanciamento” das gerações mais jovens em relação à Igreja. De acordo com o European Social Survey (2016), cerca de 80% das pessoas nascidas em 1960, em Portugal, tinham uma pertença religiosa; entre as que nasceram em 1990 já só 50% assumem essa pertença. Já a prática de culto passou, nas mesmas datas, de cerca de 42% para 20%.

“Entre os que permanecem com ligação forte à religião, acentuam-se tendências mais conservadoras e securitárias”, adverte o antropólogo, o mais importante investigador do tema em Portugal. Isso relaciona-se, diz, com a forma como se maneja a “identidade de resistência à incerteza que é a marca fundamental da experiência social dos jovens: há os que ‘surfam’ na incerteza e fazem dela um modo de vida, adaptam-se a ela, não fazem planos de futuro e, ao contrário dos pais, não são marcados pelo desejo de sucesso profissional; outros fecham-se mais sobre si próprios, construindo contextos de integração murados em relação a esta agressividade própria”.

Talvez o grande contraste é que o mundo juvenil católico “é hoje muito mais homogéneo do que era há 20 ou 30 anos”. À ideia da paróquia para todos, em que havia dinâmicas transversais, a lógica de movimentos que hoje predomina é “algo já construído, como um pronto a vestir, com a força de poder oferecer uma espiritualidade própria, mas também, ao mesmo tempo, uma porta mais estreita”.

“É difícil encontrar nas linguagens e dimensões mais expressivas da JMJ a diversidade necessária do que são hoje as culturas juvenis”, afirma, em campos como a música, a criação literária ou na mobilização por causas como a sustentabilidade. “Há todo um universo de questões que não estão suficientemente presentes” e o que já apareceu parece ser “muito próximo de uma linguagem pietista de algumas sensibilidades católicas juvenis”. Pelo contrário, diz Alfredo Teixeira, a JMJ deveria ser “um evento que pudesse garantir a enorme pluralidade das culturas juvenis e estabelecer pontes com esses mundos”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This