João Gomes (1934-2020): jornalista, católico e socialista

| 26 Mar 20

João Gomes. Foto © Fórum Abel Varzim

 

Foi quando, com um pequeno grupo, criou e dirigiu a revista Actos – Cristãos na Sociedade Nova, entre 1977 e 1979, que João Gomes aliou as suas condições de católico empenhado, jornalista e militante socialista. A revista procurava aliar um catolicismo aberto e comprometido com os novos ventos da democracia em Portugal, um jornalismo moderno e uma orientação político-social claramente à esquerda. João Gomes morreu quarta-feira em Lisboa, com 85 anos, e o seu funeral realizou-se nesta quinta-feira, 26 de Março.

Nesse tempo, seria mais difícil do que hoje haver católicos militantes no Partido Socialista ou, menos ainda, nos partidos políticos à esquerda deste. Mas a adesão de João Gomes a esses ideais políticos foi, para ele, uma consequência do seu trajecto na Juventude Operária Católica onde, depois de ser militante da organização desde cedo, desempenhou o cargo de presidente nacional entre 1958-59.

Foi, aliás, a direcção da JOC Internacional que ajudou o seu companheiro português. Desse modo, João Gomes pôde frequentar os estudos de jornalismo (então inexistentes em Portugal) na Escola Superior de Jornalismo de Lille (França), tornando-se o primeiro jornalista português com uma licenciatura na área, em 1966, como recorda José Pedro Castanheira no obituário que sobre ele escreveu no Expresso.

Antes disso, ainda ligado a círculos católicos da oposição ao regime, João Gomes envolveu-se na chamada Revolta da Sé, que tentou derrubar militarmente o regime de Salazar. À conta disso, esteve preso no Aljube e em Caxias, acabando absolvido por um Tribunal Militar. Voltaria a ser preso pela PIDE, a polícia política do regime, em 1967, enquanto dirigente da Pragma – Cooperativa de Difusão Cultural e Acção Comunitária, outra iniciativa com a participação de católicos opositores ao regime.

Integrou também a Liga Operária Católica (LOC), que presidiu entre 1972 e 1974, e esteve na criação do movimento Base-Frente Unitária de Trabalhadores, do qual saíram vários membros da corrente católica da CGTP-Intersindical. Em 1996, esteve também na fundação do Fórum Abel Varzim – Desenvolvimento e Solidariedade, cujo nome evoca o do padre que se opôs também a Salazar e foi exilado na sua terra natal (Cristelo, perto de Barcelos).

João Gomes numa entrevista ao jornal Transformar, do Fórum Abel Varzim. Foto © Fórum Abel Varzim

 

Ainda antes da instauração da democracia, João Gomes foi um dos fundadores do PS e, depois, deputado à Assembleia Constituinte e Assembleia da República, director do Diário de Notícias e Portugal Hoje, além de ter desempenhado cargos de chefia nos jornais República e A Luta. No jornalismo, envolveu-se também em vários cargos associativos, incluindo o sindicato, o conselho técnico (hoje, Deontológico) e o Conselho de Imprensa.

Nascido em 30 de Junho de 1934, em Lisboa, João Joaquim Gomes era casado e teve dois filhos. Vários antigos companheiros da JOC preparam uma pequena homenagem depois de terminado o estado de emergência e de confinamento social.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Igreja Católica no Brasil critica decisões de Bolsonaro e diz que “sensato” é ficar em casa novidade

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro incluiu as atividades religiosas na lista das atividades consideradas essenciais e autorizadas a funcionar no país durante o estado de emergência provocado pela pandemia de covid-19. Mas a Igreja Católica reagiu contra o decreto publicado quarta-feira, 26, reiterando os apelos para que todos permaneçam em casa e mantendo a suspensão das celebrações religiosas com presença de fiéis.

Semana Santa sem povo é para evitar o contágio e não a fé, diz responsável do Vaticano novidade

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou um decreto com as normas a seguir nas celebrações da Semana Santa (que se inicia no Domingo de Ramos e termina no Domingo de Páscoa), dirigido aos países afetados pela pandemia de covid-19 onde estão em vigor medidas de isolamento social. Os bispos e sacerdotes deverão celebrar os ritos sem a participação dos fiéis, evitar as concelebrações, e omitir alguns momentos específicos, nomeadamente o abraço da paz e a procissão do Domingo de Ramos.

Coronavírus nos campos de refugiados Rohingya será “um novo massacre”

Com a chegada da pandemia de covid-19 ao Bangladesh, o líder da comunidade Rohyngia, Mohammad Jubayer, teme que esta alastre no campo de refugiados do sul do país, o maior do mundo, onde vive quase um milhão de pessoas. Será como “um novo massacre, muito maior do que o que aconteceu em 2017”, quando esta minoria muçulmana fugiu da perseguição na Birmânia, alertaram grupos de ativistas, em declarações à AFP.

PAR alerta para tragédia nos campos de refugiados e pede intervenção junto da Grécia

Mais de 40 organizações humanitárias, entre as quais a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), pediram já ao Governo grego que, em coordenação com as instituições europeias, “tome as medidas de saúde públicas necessárias” para proteger “todos os residentes” nos campos de refugiados nas ilhas gregas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio novidade

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

“Jesus chorou” novidade

Esta frase do capítulo 11 do Evangelho de São João (Jo.11,35), faz parte do episódio da ressurreição de Lázaro e remete para o momento em que Jesus se encontra com Maria, irmã de Lázaro.

Oração, cidadania e solidariedade contra a pandemia

Esta sexta-feira, às 17h (hora de Lisboa), o Papa volta a estar em oração a partir do adro da basílica de São Pedro, perante uma praça vazia, naquela que será seguramente uma das imagens mediáticas que registarão este período difícil da humanidade.

Cultura e artes

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

“Louvor da Terra”, um jardim para cuidar

O filósofo sul-coreano (radicado na Alemanha) Byung-Chul Han é já conhecido do público português através da publicação de numerosos dos seus diretos e incisivos ensaios, onde a presença da pessoa numa sociedade híper-digitalizada é refletida e colocada em questão. Agora, em “Louvor da Terra”, possibilita-nos uma abordagem diferente e original, fruto da experiência do autor com o trabalho de jardinagem.

A esperança é uma coisa perigosa

O título deste breve comentário ao filme 1917, de Sam Mendes, é uma frase dita, já quase no final, pelo general Mackenzie quando recebe – desiludido? – a informação para cancelar o ataque programado às linhas alemãs que, aparentemente, se tinham retirado. Afinal, tratava-se de uma cilada…

Sete Partidas

Um refúgio na partida novidade

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco