João Gutemberg, coordenador da Rede Pan-Amazónica: “Uma atitude crítica em relação aos sistemas predatórios da Casa Comum”

| 15 Mar 21

A província Compostela (que inclui Portugal) dos Irmãos Maristas realiza na próxima terça-feira, 16 de março, às 17h00 (hora portuguesa), o webinar “Rumo a uma Ecologia Integral, no qual se pode participar através desta ligação. Nessa sessão, intervêm o superior geral dos maristas, irmão Ernesto Sánchez, o teólogo brasileiro Leonardo Boff e José Eizaguirre, fundador da Biotropía. 

Com essa referência, o 7MARGENS publica uma entrevista da ONGD marista espanhola SED (Solidaridad, Educación y Desarrollo) ao irmão João Gutemberg, diretor executivo da Repam (Rede Eclesial Pan-Amazónica), fundada em 2014 por organizações católicas ao serviço da vida na Amazónia, em defesa da Casa Comum.

João Gutemberg, coordenador da Repam. Foto: Direitos Reservados

 

O irmão João Gutemberg nasceu em 1962 no estado do Acre, interior da Amazónia, onde o Brasil se encontra com o Peru e a Bolívia. Ali estudou e recebeu acompanhamento vocacional e formativo dos missionários maristas que chegaram à região em 1968, bem como de outras congregações ali presentes. Continuou os seus estudos no sul do Brasil e em Itália (mestrado e doutoramento em Teologia da Vida Consagrada) e em França (Curso de Formadores Maristas).

Na missão apostólica, para além de dois anos no sul do Brasil, atuou praticamente sempre no contexto amazónico a nível de educação, pastoral, formação e como superior do Distrito Marista da Amazónia. Atualmente, coordena as várias atividades da Rede Eclesial Pan-Amazónica (Repam), que liga os nove países amazónicos, e inclusive as do seu Eixo de “Formação e métodos de acompanhamento pastoral na perspetiva itinerante e da ecologia integral”.

Depois da sua nomeação como diretor executivo da Repam, no último trimestre do ano passado, João Gutemberg concedeu uma entrevista à ONGD marista espanhola SED em que fala precisamente do conceito de ecologia integral, bem como da própria economia, encarnados no contexto amazónico, também à luz da sua participação no Sínodo sobre a Amazónia.

Um ano depois da publicação da exortação do Papa Francisco, Querida Amazónia, dedicada às questões sociais, culturais e missionárias daquela região do mundo, o 7MARGENS publica a seguir essa entrevista. Centrada no Sínodo sobre a Amazónia, a entrevista foi realizada antes da vaga avassaladora da pandemia que atingiu Manaus e outras regiões amazónicas.

 

P. – Qual é a situação atual na Amazónia?

JOÃO GUTEMBERG (JG) – Não vou entrar em muitas análises que são de domínio público para me deter apenas nalguns aspetos. As principais ameaças são os modelos importados, tanto de evangelização como de desenvolvimento. É claro que a humanidade vive uma situação de mobilidade e que os modelos eclesial, cultural e social estão interligados. Mas a Amazónia sofre constantes processos de colonização que pouco valorizam as especificidades da sua territorialidade e cultura.

O Sínodo [dos Bispos sobre a Amazónia] apela a novos caminhos tanto para a Igreja como para a ecologia integral, com uma perspetiva amazónica e um rosto indígena. Isso não quer dizer que a Amazónia tenha algum tipo de supremacia sobre outros territórios. O facto é que a humanidade, devido às condições de vida baseadas no consumismo, está praticamente a esgotar os recursos naturais, e a Pan-Amazónia é quase o último reduto da biodiversidade que ainda pode salvar a complexidade dos ecossistemas necessários à boa qualidade de vida humana.

 

P. – Porque fala em vida humana?

JG – Digo vida humana porque se os humanos desaparecessem, outros seres poderiam ver as suas condições existenciais melhoradas. Este é o nosso paradoxo! Somos os seres mais dependentes do meio ambiente e os que mais destroem o nosso próprio habitat natural. Florestas, vegetação, águas e ar puro são anteriores ao homem e podem continuar a existir sem ele; mas o ser humano não pode sobreviver sem estes recursos naturais.

“Não podemos sobreviver sem florestas, vegetação, águas e ar puro.” Foto: Direitos reservados. 

 

P. – Quais são os principais desafios e as principais ameaças ao contexto ambiental, social e cultural da Amazónia?

JG – No conjunto desta abordagem partimos de um aspeto sociocultural eloquente que é a existência e o modus vivendi dos povos indígenas – sem esquecer os ribeirinhos, os seringueiros e outras populações de presença mais recente na floresta. Existência e resistência, já que os povos nativos foram vítimas de sucessivos genocídios. Mas a pedra-de-toque está no facto de que são exatamente estes povos de culturas multimilenares que vivem a Ecologia Integral e até a Espiritualidade Ecológica.

Como aprender com as ricas experiências integradoras destes povos e, ao mesmo tempo, respeitar as suas culturas? O que é que também podemos oferecer-lhes nós, da nossa cultura urbana ocidental, e como fazer isso? Estima-se que os indígenas estão na Amazónia há 12 mil anos e sempre mantiveram o meio ambiente saudável. As nossas culturas urbanas estão na Amazónia há cerca de 500 anos e já causámos muita poluição e destruição. O que é que isto nos diz?…

 

P. – Como crê que será o futuro de um ambiente natural tão fundamental para a sobrevivência do planeta, bem como da sua gente?

JG – Gosto que a pergunta utilize o verbo “crer”. É disto que mais precisamos neste momento: de uma crença que nos dê esperança de que a situação de destruição é reversível. Caminhamos num tempo de muitas nuvens negras no que diz respeito às causas sócio-ambientais. Mas por entre nuvens tão densas, há também luzes que brilham como a realização do sínodo sobre a Amazónia convocado pelo Papa e realizado em Roma sob os holofotes de todo o planeta.

Nas reportagens sobre o Sínodo encontrei frases como a seguinte: “A Amazónia veio a Roma com ideias claras”; “A periferia veio para o centro e oxalá possa ficar por cá”; “Os temas amazónicos encontram ecos noutros continentes.” A partir desta bela dialética acendem-se luzes de esperança. Cheguei a dizer que, com o Sínodo, tivemos uma bela e esperançosa experiência “romazónica” ou “romamazónica”.

Lá eu vi que foram ouvidos (pelos expoentes da Igreja) tanto o Papa como os padres sinodais, cientistas, educadores e líderes sociais, formadores de opinião, líderes de várias religiões e as muitas mulheres e os muitos indígenas que de forma oficial e original integraram aquela extraordinária experiência sinodal. Todos motivados a cuidar tanto da Amazónia próxima ou profunda, aquela que faz parte do nosso dia-a-dia, quanto da Amazónia que indica caminhos de vida no contexto planetário.

O Papa na missa de encerramento do Sínodo sobre a Amazónia: “Espiritualidade, conhecimento e compromisso” são as linhas de ação mais importantes para a Igreja. Foto © Shutterstock/Ponto SJ.

 

P. – Que linhas de ação considera mais importantes, também à luz do Sínodo, para a Igreja realizar na Amazónia de modo a evoluir rumo a uma ecologia integral?

JG – Espiritualidade, conhecimento e compromisso. Parto do princípio da espiritualidade, que é um dom primordial da Igreja. Nos muitos encontros interativos de construção da consciência amazónica que realizámos, percebemos que, quando conseguimos experimentar a espiritualidade ecológica conectada com a vida, as pessoas têm experiências existenciais profundas e também estão motivadas para uma mudança de perspetiva, tanto na visão de si mesmos e do mundo, quanto no compromisso de cuidar e defender a vida.

Como consequência, ou de forma simultânea, intensifica-se a busca pelo conhecimento do que é a Criação de Deus no contexto amazónico: geografia, biodiversidade, culturas, etnias, cosmovisões, projetos políticos, economia, sobrevivência, etc….; ou seja, um enorme saber que é preciso conhecer, aprofundar e divulgar. Esta perspetiva desafia a Igreja a integrar nas suas celebrações e nos seus métodos formativos o que o Papa Francisco chama “Evangelho da Criação” no capítulo II da encíclica Laudato Si’.

 

P. – E o compromisso?…

JG – O compromisso seria atuar tanto ao nível eclesial como ao nível social. Não é fácil definir o limite entre o eclesial e o social quando falamos de ecologia integral. O chamamento é para todos! Neste compromisso, o Sínodo, que nasceu da Laudato Si’, faz-nos procurar um novo vocabulário que facilite o diálogo, dentro e fora da Igreja, em sintonia com as políticas públicas e as organizações sociais e pastorais. Isto exige uma atitude crítica em relação aos sistemas predatórios da Casa Comum. São todas consequências das conversões propostas pelo Sínodo: conversão pastoral, ecológica, cultural e sinodal.

Estes desafios não são apenas “na” e “para a” Amazónia, mas transcendem a territorialidade amazónica para entrar no horizonte de todos e todas na nossa Casa Comum. Para conseguir chegar a uma conversão ecológica e a uma mudança de paradigma é vital investir numa nova educação e em novos modelos pastorais. 

O irmão João Gutemberg com um indígena na Amazónia. Foto: Direitos Reservados

 

P. – Ainda sobre o Sínodo para a Amazónia, em que participou estando em Roma, qual considera ter sido a sua experiência pessoal mais importante durante os dias em que o mesmo se realizou?

JG – A minha experiência pessoal mais significativa no Sínodo está relacionada com a minha vocação específica de irmão religioso. Fui convidado a participar no Sínodo nessa qualidade. Éramos três: dois missionários espanhóis de congregações que trabalham no Equador e eu, marista, natural da Amazónia brasileira.

A fraternidade esteve muito presente em todo o processo sinodal. Na verdade, fraternidade e sinodalidade são conceitos próximos. A noção franciscana e paulina da Terra como Mãe e como Irmã, onde tudo está interligado, foi muito retomada. É muito bom que a vida fraterna seja resgatada como sinal profético no mundo. Por isso tenho procurado aprofundar mais, na minha própria vida e na minha missão, o tema da fraternidade universal, da fraternidade entre todos os seres da Criação.

Fiquei surpreendido com o clima de fraternidade vivido entre os participantes do Sínodo, tanto dentro como fora da sala sinodal – porque o Sínodo foi vivido em muitos lugares de Roma e de todos os continentes – e a preocupação com o cuidado de todos na Casa Comum: humanos e todos os seres da Criação. Uma experiência fraterna, portanto, que afeta os conceitos e o cuidado de tudo e de todos.

 

P. – Que mensagem é mais importante para si transmitir, como habitante e conhecedor da Amazónia?

JG – Que a Amazónia, com sua rica sociobiodiversidade, é um grande bem para todos no Planeta Terra, tanto para as gerações atuais quanto para as futuras, que merecem conhecer e desfrutar dessa imensa beleza humana e natural. E que para garantir esse direito é necessário que toda a humanidade partilhe o dever da cuidar e defender. Este compromisso será mais efetivo se aprofundarmos o nosso conhecimento e a contemplação das diversas realidades amazónicas no contexto local e planetário.

 

O 7MARGENS agradece ao Departamento de Comunicação da SED a autorização para a publicação da entrevista, cujo original pode ser lido na página daquela organização; tradução de Andrea Rigato.

 

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This