João Gutemberg, coordenador da Rede Pan-Amazónica: “Uma atitude crítica em relação aos sistemas predatórios da Casa Comum”

| 15 Mar 21

A província Compostela (que inclui Portugal) dos Irmãos Maristas realiza na próxima terça-feira, 16 de março, às 17h00 (hora portuguesa), o webinar “Rumo a uma Ecologia Integral, no qual se pode participar através desta ligação. Nessa sessão, intervêm o superior geral dos maristas, irmão Ernesto Sánchez, o teólogo brasileiro Leonardo Boff e José Eizaguirre, fundador da Biotropía. 

Com essa referência, o 7MARGENS publica uma entrevista da ONGD marista espanhola SED (Solidaridad, Educación y Desarrollo) ao irmão João Gutemberg, diretor executivo da Repam (Rede Eclesial Pan-Amazónica), fundada em 2014 por organizações católicas ao serviço da vida na Amazónia, em defesa da Casa Comum.

João Gutemberg, coordenador da Repam. Foto: Direitos Reservados

 

O irmão João Gutemberg nasceu em 1962 no estado do Acre, interior da Amazónia, onde o Brasil se encontra com o Peru e a Bolívia. Ali estudou e recebeu acompanhamento vocacional e formativo dos missionários maristas que chegaram à região em 1968, bem como de outras congregações ali presentes. Continuou os seus estudos no sul do Brasil e em Itália (mestrado e doutoramento em Teologia da Vida Consagrada) e em França (Curso de Formadores Maristas).

Na missão apostólica, para além de dois anos no sul do Brasil, atuou praticamente sempre no contexto amazónico a nível de educação, pastoral, formação e como superior do Distrito Marista da Amazónia. Atualmente, coordena as várias atividades da Rede Eclesial Pan-Amazónica (Repam), que liga os nove países amazónicos, e inclusive as do seu Eixo de “Formação e métodos de acompanhamento pastoral na perspetiva itinerante e da ecologia integral”.

Depois da sua nomeação como diretor executivo da Repam, no último trimestre do ano passado, João Gutemberg concedeu uma entrevista à ONGD marista espanhola SED em que fala precisamente do conceito de ecologia integral, bem como da própria economia, encarnados no contexto amazónico, também à luz da sua participação no Sínodo sobre a Amazónia.

Um ano depois da publicação da exortação do Papa Francisco, Querida Amazónia, dedicada às questões sociais, culturais e missionárias daquela região do mundo, o 7MARGENS publica a seguir essa entrevista. Centrada no Sínodo sobre a Amazónia, a entrevista foi realizada antes da vaga avassaladora da pandemia que atingiu Manaus e outras regiões amazónicas.

 

P. – Qual é a situação atual na Amazónia?

JOÃO GUTEMBERG (JG) – Não vou entrar em muitas análises que são de domínio público para me deter apenas nalguns aspetos. As principais ameaças são os modelos importados, tanto de evangelização como de desenvolvimento. É claro que a humanidade vive uma situação de mobilidade e que os modelos eclesial, cultural e social estão interligados. Mas a Amazónia sofre constantes processos de colonização que pouco valorizam as especificidades da sua territorialidade e cultura.

O Sínodo [dos Bispos sobre a Amazónia] apela a novos caminhos tanto para a Igreja como para a ecologia integral, com uma perspetiva amazónica e um rosto indígena. Isso não quer dizer que a Amazónia tenha algum tipo de supremacia sobre outros territórios. O facto é que a humanidade, devido às condições de vida baseadas no consumismo, está praticamente a esgotar os recursos naturais, e a Pan-Amazónia é quase o último reduto da biodiversidade que ainda pode salvar a complexidade dos ecossistemas necessários à boa qualidade de vida humana.

 

P. – Porque fala em vida humana?

JG – Digo vida humana porque se os humanos desaparecessem, outros seres poderiam ver as suas condições existenciais melhoradas. Este é o nosso paradoxo! Somos os seres mais dependentes do meio ambiente e os que mais destroem o nosso próprio habitat natural. Florestas, vegetação, águas e ar puro são anteriores ao homem e podem continuar a existir sem ele; mas o ser humano não pode sobreviver sem estes recursos naturais.

“Não podemos sobreviver sem florestas, vegetação, águas e ar puro.” Foto: Direitos reservados. 

 

P. – Quais são os principais desafios e as principais ameaças ao contexto ambiental, social e cultural da Amazónia?

JG – No conjunto desta abordagem partimos de um aspeto sociocultural eloquente que é a existência e o modus vivendi dos povos indígenas – sem esquecer os ribeirinhos, os seringueiros e outras populações de presença mais recente na floresta. Existência e resistência, já que os povos nativos foram vítimas de sucessivos genocídios. Mas a pedra-de-toque está no facto de que são exatamente estes povos de culturas multimilenares que vivem a Ecologia Integral e até a Espiritualidade Ecológica.

Como aprender com as ricas experiências integradoras destes povos e, ao mesmo tempo, respeitar as suas culturas? O que é que também podemos oferecer-lhes nós, da nossa cultura urbana ocidental, e como fazer isso? Estima-se que os indígenas estão na Amazónia há 12 mil anos e sempre mantiveram o meio ambiente saudável. As nossas culturas urbanas estão na Amazónia há cerca de 500 anos e já causámos muita poluição e destruição. O que é que isto nos diz?…

 

P. – Como crê que será o futuro de um ambiente natural tão fundamental para a sobrevivência do planeta, bem como da sua gente?

JG – Gosto que a pergunta utilize o verbo “crer”. É disto que mais precisamos neste momento: de uma crença que nos dê esperança de que a situação de destruição é reversível. Caminhamos num tempo de muitas nuvens negras no que diz respeito às causas sócio-ambientais. Mas por entre nuvens tão densas, há também luzes que brilham como a realização do sínodo sobre a Amazónia convocado pelo Papa e realizado em Roma sob os holofotes de todo o planeta.

Nas reportagens sobre o Sínodo encontrei frases como a seguinte: “A Amazónia veio a Roma com ideias claras”; “A periferia veio para o centro e oxalá possa ficar por cá”; “Os temas amazónicos encontram ecos noutros continentes.” A partir desta bela dialética acendem-se luzes de esperança. Cheguei a dizer que, com o Sínodo, tivemos uma bela e esperançosa experiência “romazónica” ou “romamazónica”.

Lá eu vi que foram ouvidos (pelos expoentes da Igreja) tanto o Papa como os padres sinodais, cientistas, educadores e líderes sociais, formadores de opinião, líderes de várias religiões e as muitas mulheres e os muitos indígenas que de forma oficial e original integraram aquela extraordinária experiência sinodal. Todos motivados a cuidar tanto da Amazónia próxima ou profunda, aquela que faz parte do nosso dia-a-dia, quanto da Amazónia que indica caminhos de vida no contexto planetário.

O Papa na missa de encerramento do Sínodo sobre a Amazónia: “Espiritualidade, conhecimento e compromisso” são as linhas de ação mais importantes para a Igreja. Foto © Shutterstock/Ponto SJ.

 

P. – Que linhas de ação considera mais importantes, também à luz do Sínodo, para a Igreja realizar na Amazónia de modo a evoluir rumo a uma ecologia integral?

JG – Espiritualidade, conhecimento e compromisso. Parto do princípio da espiritualidade, que é um dom primordial da Igreja. Nos muitos encontros interativos de construção da consciência amazónica que realizámos, percebemos que, quando conseguimos experimentar a espiritualidade ecológica conectada com a vida, as pessoas têm experiências existenciais profundas e também estão motivadas para uma mudança de perspetiva, tanto na visão de si mesmos e do mundo, quanto no compromisso de cuidar e defender a vida.

Como consequência, ou de forma simultânea, intensifica-se a busca pelo conhecimento do que é a Criação de Deus no contexto amazónico: geografia, biodiversidade, culturas, etnias, cosmovisões, projetos políticos, economia, sobrevivência, etc….; ou seja, um enorme saber que é preciso conhecer, aprofundar e divulgar. Esta perspetiva desafia a Igreja a integrar nas suas celebrações e nos seus métodos formativos o que o Papa Francisco chama “Evangelho da Criação” no capítulo II da encíclica Laudato Si’.

 

P. – E o compromisso?…

JG – O compromisso seria atuar tanto ao nível eclesial como ao nível social. Não é fácil definir o limite entre o eclesial e o social quando falamos de ecologia integral. O chamamento é para todos! Neste compromisso, o Sínodo, que nasceu da Laudato Si’, faz-nos procurar um novo vocabulário que facilite o diálogo, dentro e fora da Igreja, em sintonia com as políticas públicas e as organizações sociais e pastorais. Isto exige uma atitude crítica em relação aos sistemas predatórios da Casa Comum. São todas consequências das conversões propostas pelo Sínodo: conversão pastoral, ecológica, cultural e sinodal.

Estes desafios não são apenas “na” e “para a” Amazónia, mas transcendem a territorialidade amazónica para entrar no horizonte de todos e todas na nossa Casa Comum. Para conseguir chegar a uma conversão ecológica e a uma mudança de paradigma é vital investir numa nova educação e em novos modelos pastorais. 

O irmão João Gutemberg com um indígena na Amazónia. Foto: Direitos Reservados

 

P. – Ainda sobre o Sínodo para a Amazónia, em que participou estando em Roma, qual considera ter sido a sua experiência pessoal mais importante durante os dias em que o mesmo se realizou?

JG – A minha experiência pessoal mais significativa no Sínodo está relacionada com a minha vocação específica de irmão religioso. Fui convidado a participar no Sínodo nessa qualidade. Éramos três: dois missionários espanhóis de congregações que trabalham no Equador e eu, marista, natural da Amazónia brasileira.

A fraternidade esteve muito presente em todo o processo sinodal. Na verdade, fraternidade e sinodalidade são conceitos próximos. A noção franciscana e paulina da Terra como Mãe e como Irmã, onde tudo está interligado, foi muito retomada. É muito bom que a vida fraterna seja resgatada como sinal profético no mundo. Por isso tenho procurado aprofundar mais, na minha própria vida e na minha missão, o tema da fraternidade universal, da fraternidade entre todos os seres da Criação.

Fiquei surpreendido com o clima de fraternidade vivido entre os participantes do Sínodo, tanto dentro como fora da sala sinodal – porque o Sínodo foi vivido em muitos lugares de Roma e de todos os continentes – e a preocupação com o cuidado de todos na Casa Comum: humanos e todos os seres da Criação. Uma experiência fraterna, portanto, que afeta os conceitos e o cuidado de tudo e de todos.

 

P. – Que mensagem é mais importante para si transmitir, como habitante e conhecedor da Amazónia?

JG – Que a Amazónia, com sua rica sociobiodiversidade, é um grande bem para todos no Planeta Terra, tanto para as gerações atuais quanto para as futuras, que merecem conhecer e desfrutar dessa imensa beleza humana e natural. E que para garantir esse direito é necessário que toda a humanidade partilhe o dever da cuidar e defender. Este compromisso será mais efetivo se aprofundarmos o nosso conhecimento e a contemplação das diversas realidades amazónicas no contexto local e planetário.

 

O 7MARGENS agradece ao Departamento de Comunicação da SED a autorização para a publicação da entrevista, cujo original pode ser lido na página daquela organização; tradução de Andrea Rigato.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Os Dias da Semana – Socorrer urgentemente Cabo Delgado

Os Dias da Semana – Socorrer urgentemente Cabo Delgado novidade

Moçambique tem um amplo destaque na primeira página da edição de hoje e de amanhã do diário francês Le Monde, por causa dos ataques mortais de jihadistas à cidade de Palma e da instabilidade na província de Cabo Delgado, qualificada como “antigo canto do paraíso”. No interior, as páginas 16, 17 e 18 são integralmente dedicadas ao que se passa na região entalada entre “as ambições da indústria do gás e a pressão jihadista”.

Breves

Vida para lá da Terra? Respondem teólogos e astrónomos novidade

Ciência e Espiritualidade é o mote para um encontro organizado pela Faculdade de Teologia e pelo Departamento de Astronomia da Universidade de Genebra (Suíça). “O homem e o céu: do universo mítico ao universo científico” é o tema que procurará responder a perguntas como: O que é o universo? Vida, aqui e além? De onde vimos? Para que fim?

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

A viagem do vestido de casamento novidade

O cerne da questão das cerimónias de casamento, na minha sociedade, é o vestido de noiva. A existência do vestido de noiva é antecedida pelo anúncio do casamento, que traz felicidade a alguns familiares, tanto da noiva, quanto do noivo. Digo alguns, porque um casamento, para além da graça que carrega, reúne em torno de si muita agrura. Casar e ter filhos ainda é das coisas mais importantes na minha sociedade. Existe muito pouco deleite acima disso.

Dois quadros de Caravaggio

Há dois episódios que recentemente recordámos na liturgia que continuam a deixar-nos cheios de perplexidade. Falo da tripla negação de Pedro e da incredulidade de Tomé. Afinal, somos nós mesmos que ali estamos representados, por muito que isso nos choque. E o certo é que, para que não haja dúvidas, as palavras que pontuam tais acontecimentos são claríssimas. Pedro recusa terminantemente a tentação, quando Jesus lhe anuncia que ele O vai renegar. E nós sentimo-nos aí retratados.

Europa: um Pacto Ecológico para inglês ver?

“O Pacto Ecológico Europeu é … uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos.” (Pacto Ecológico)

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This