Joker, o desafio da diferença

| 8 Dez 19 | Artes, Cinema, televisão e média, Cultura e artes - homepage, Últimas

 

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

É preciso ir ver. Num dia que estejamos com força para enfrentar um filme negro e desconfortante e, se com companhia, apenas de alguém que não esteja ali para se “divertir” ou ser entretido. Se não conseguirmos entrar nesta versão do Joker, vai parecer tudo estranho e distante, quando o filme é para nos levar aos poucos até onde quer. É para ser experienciado como uma peça de Teatro.

Aqui não há herói e vilão como noutro excelente Joker de 2008 que deu o óscar a Heath Ledger. De resto, não há nenhuma personagem (real) que faça o papel de bom da fita. Há intenções, tentativas, mas em alguma altura todos mostram algo por resolver dentro de si, inseguranças, ou são apenas incapazes de serem bons em todas as situações.

Também não senti que fosse um filme sobre Arthur Fleck (Joker). A história dele é complicada e vai-nos sendo explicada, mas sentimos que ele vai reagindo sobretudo ao que lhe acontece. Não é nas suas intenções, planos ou capacidades que está a questão e não somos levados a ter uma ligação com a personagem. A história é sobre o que nós e as outras personagens vamos sentindo dele quando reage a tudo o que lhe cai em cima.

Por ser diferente, Arthur Fleck é gozado, iludido, agredido e afastado por outros quando procura exprimir-se e encontrar um lugar – You don’t listen, do you?. É tarefa impossível para alguém sozinho até que os média pegam nele, despersonalizam e amplificam a diferença por si só e lhe dão o poder, nome e veículo para se tornar símbolo e catalisador de uma luta de “nós” contra “eles” – Is it just me, or is getting crazier out there?

O filme é muito negro ao mostrar que aceitar o diferente nos outros e em nós é difícil, antinatural até, ao passo que usar a diferença para a separação e categorização é extremamente eficaz. Mesmo com todo esse negro e alguns pontos de violência a mais, desnecessários para os efeitos da história mas que parecem ser obrigatórios num filme deste género, retirei algo positivo do filme que não consegui definir logo. Algo ligado com a enorme diversidade em cada um de nós e com o facto de haver formas de usar o próprio sistema que amplificam a diferença e a tenta despersonalizar, para criar dinâmicas de aceitar a diferença e mudança.

O efeito desafiador do filme manteve-se algum tempo. Era noite de Halloween e havia máscaras por todo o lado quando saí do cinema. No dia seguinte vi protestos em Hong Kong com caras de palhaço como no filme e tenho ouvido a banda sonora do filme. Além de estar mais atento à diferença, de vez em quando penso: quem é o Joker e o movimento à nossa volta neste momento que pode quebrar lógicas?

Para alguns será a Greta Thunberg e os jovens que lutam contra a emergência climática, para outros será a Extinction Rebellion com acções pró-ambiente mais agressivas ou até mesmo, para outros, será Trump, ao ir aparentemente contra o sistema em Washington. A diferença parece estar a ganhar terreno mas será que a estamos a aceitar ou apenas a escolher lados em vez de misturar, aprender com todos e cada um fazer o seu caminho… diferente?

7.12.2019

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa avisa contra notícias falsas e louva a Bíblia como “história de histórias”

O Papa Francisco considera que a Bíblia é uma “história de histórias”, que apresenta um Deus “simultaneamente criador e narrador”. Na sua mensagem para o 54º Dia Mundial das Comunicações Sociais, que a Igreja Católica assinala em Maio, o Papa desenvolve o tema “‘Para que possas contar e fixar na memória’ (Ex 10, 2). A vida faz-se história”.

Centro cultural Brotéria já abriu no Bairro Alto, em Lisboa

O novo centro cultural da Brotéria, revista dos jesuítas fundada em 1902 no Colégio São Fiel (Castelo Branco), abriu esta quinta-feira, em Lisboa, junto à Igreja de São Roque (Bairro Alto), mas o programa que assinala o facto prolonga-se nestes dois dias do fim-de-semana.

Vaticano ordena investigação a bispo por acusações de abuso sexual

O Vaticano ordenou uma investigação de alegações de abusos sexuais contra o bispo Brooklyn, Nicholas DiMarzio, que antes tinha sido nomeado pelo Papa Francisco para investigar a resposta da Igreja ao escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros do clero na diocese de Buffalo.

Semana pela unidade dos cristãos com várias iniciativas

Várias iniciativas assinalam em Portugal a Semana de Oração pela Unidade os Cristãos, que se prolonga até ao próximo sábado, 25. Entre elas, uma oração ecuménica na igreja de Santo António dos Olivais decorre em Coimbra na sexta, 24, às 21h, com responsáveis de diferentes igrejas e comunidades.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Taizé: continuar o caminho deste novo ano novidade

Estive presente em mais uma etapa da peregrinação da confiança – o encontro europeu anual promovido pela comunidade de Taizé. A cidade que acolheu este encontro foi Breslávia (Wrocław), na Polónia, e nele estiveram presentes mais de 15 mil jovens de todo o mundo.

Arte e Esperança novidade

Tenho tido a sorte de acompanhar, desde 2016, a apresentação dos Projetos Partis (Práticas Artísticas para a Inclusão Social) na Gulbenkian e em todos respiramos com emoção a frescura da criação artística onde os protagonistas são pessoas normalmente esquecidas por nós.

Os dois papas. E o povo, pá?

Esta estranha convergência entre os defensores da ortodoxia e os que a abjuram dá que pensar. Ambos desvalorizam Francisco, uns em nome dos dogmas e os outros em nome da crítica aos ditos.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco