Jornal do Vaticano preocupado com lítio em Boticas

| 28 Abr 21

boticas mina litio manifestacao © Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, reproduzidas a partir da página da associação no Facebook (1)

Um artigo publicado no jornal L’Osservatore Romano refere que o projeto de mineração em Boticas “há meses atormenta a população da região de Barroso”. Foto © Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, reproduzida a partir da página da associação no Facebook.

 

No momento em que o Governo deu, pelo menos do ponto de vista ambiental, luz verde à exploração de lítio na Mina do Barroso, no concelho de Boticas, o jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano, destaca as preocupações que tão polémico projeto levanta, invocando a encíclica do Papa Francisco Laudato Sí’.

Sob o título “Um polémico projeto de mineração em Portugal”, o artigo abre com uma pergunta: “Pode a proteção do meio ambiente ser causa de mudanças nesse mesmo ambiente?”. O articulista toma-a como “a questão que há meses atormenta a população da região de Barroso” e consiste numa espécie de dilema: a região é rica em lítio e este é vital para as baterias dos carros elétricos, que possibilitam reduzir a emissão de CO2; mas, por outro lado, a mineração a céu aberto que está previsto realizar, se os planos se concretizarem, poderá destruir a paisagem e os modos de vida tradicionais, que alimentam o turismo e dão ocupação às pessoas.

O representante da população de Boticas é perentório: este projeto, a avançar, será uma catástrofe para o município. E isto depois de Boticas ter visto o seu território ser considerado pela FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) “património agrícola mundial”, um reconhecimento que poderá vir a perder.

O “controverso projeto extrativo” na página de L’Osservatore Romano.

 

Em jogo, estão muitos interesses (políticos e económicos): o Plano de Recuperação e Resiliência do Governo (a célebre “bazuca”), a política de descarbonização da Comissão Europeia e, naturalmente, os interesses da multinacional Savannah, que espera obter muito dinheiro com a exploração do lítio. No meio, está a população de um concelho do interior, que entre muitas dificuldades construiu um modo de vida adaptado às caraterísticas e condicionalismos locais.

O artigo do Osservatore Romano recorda a Laudato si’ e a chamada de atenção do Papa para a interligação dos seres humanos e da natureza como dom de Deus, que deve ser preservada de forma responsável. E termina com uma pergunta: “Atendendo ao caso da região do Barroso, é de perguntar se não há necessidade de uma nova abordagem às questões ambientais”.

 

Anunciada manifestação contra o “green mining”
boticas mina litio © Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, reproduzidas a partir da página da associação no Facebook

A região para onde está previsto o projeto foi considerada “património agrícola mundial”. Foto © Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, reproduzida a partir da página da associação no Facebook.

 

Vários movimentos cívicos e ambientalistas, nomeadamente os que se têm movimentado contra os projetos de exploração de lítio em diferentes pontos do território, anunciaram, entretanto, que vão organizar um protesto conjunto contra a Conferência Europeia sobre Green Mining (mineração verde), que a presidência portuguesa da União Europeia se propõe organizar na próxima semana.

Segundo o Público, que deu a notícia nesta quarta-feira, 28 de abril, a iniciativa, ainda sem oradores anunciados, é organizada pelo Ministério do Ambiente e Ação Climática (MAAC) e deverá ter lugar a 5 de maio, sendo apresentada como um “evento internacional de alto nível na área dos recursos minerais”.

Os 14 movimentos que se articularam para contestar a conferência exigem “a abolição do eufemismo Green Mining e do marketing Green Washing associado”, e apelam “ao acesso à informação verdadeira, clara e transparente que urge sobre as operações de fomento mineiro que envolvem Portugal e a União Europeia”.

Em manifesto, que o Público cita, os subscritores alegam que o conceito de Green Mining está “a ser usado pela indústria extrativa pela Comissão Europeia (CE) e pelos governos dos Estados-membros” como correspondendo “a uma mineração responsável e sustentável”. “Uma mineração que engloba em si a máxima eficiência na utilização da água, energia e minérios extraídos e que afirma assegurar a conservação dos recursos naturais e minerais para as gerações futuras”, acrescenta o documento.

“Ao mesmo tempo, [essa mineração] promete uma minimização dos impactos sociais, ambientais e patrimoniais provocados pelos efeitos da exploração”, dizem as organizações que contestam a ideia, alegando que o conceito de Green Mining está “a ser usado pela indústria extrativa, pela Comissão Europeia e pelos governos dos Estados-membros” como correspondendo “a uma mineração responsável e sustentável”. O manifesto apresenta argumentos que procuram mostrar como tal tipo de mineração constitui “uma falácia”.

 

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

O outro sou eu

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This