Jornal do Vaticano preocupado com lítio em Boticas

| 28 Abr 21

boticas mina litio manifestacao © Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, reproduzidas a partir da página da associação no Facebook (1)

Um artigo publicado no jornal L’Osservatore Romano refere que o projeto de mineração em Boticas “há meses atormenta a população da região de Barroso”. Foto © Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, reproduzida a partir da página da associação no Facebook.

 

No momento em que o Governo deu, pelo menos do ponto de vista ambiental, luz verde à exploração de lítio na Mina do Barroso, no concelho de Boticas, o jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano, destaca as preocupações que tão polémico projeto levanta, invocando a encíclica do Papa Francisco Laudato Sí’.

Sob o título “Um polémico projeto de mineração em Portugal”, o artigo abre com uma pergunta: “Pode a proteção do meio ambiente ser causa de mudanças nesse mesmo ambiente?”. O articulista toma-a como “a questão que há meses atormenta a população da região de Barroso” e consiste numa espécie de dilema: a região é rica em lítio e este é vital para as baterias dos carros elétricos, que possibilitam reduzir a emissão de CO2; mas, por outro lado, a mineração a céu aberto que está previsto realizar, se os planos se concretizarem, poderá destruir a paisagem e os modos de vida tradicionais, que alimentam o turismo e dão ocupação às pessoas.

O representante da população de Boticas é perentório: este projeto, a avançar, será uma catástrofe para o município. E isto depois de Boticas ter visto o seu território ser considerado pela FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) “património agrícola mundial”, um reconhecimento que poderá vir a perder.

O “controverso projeto extrativo” na página de L’Osservatore Romano.

 

Em jogo, estão muitos interesses (políticos e económicos): o Plano de Recuperação e Resiliência do Governo (a célebre “bazuca”), a política de descarbonização da Comissão Europeia e, naturalmente, os interesses da multinacional Savannah, que espera obter muito dinheiro com a exploração do lítio. No meio, está a população de um concelho do interior, que entre muitas dificuldades construiu um modo de vida adaptado às caraterísticas e condicionalismos locais.

O artigo do Osservatore Romano recorda a Laudato si’ e a chamada de atenção do Papa para a interligação dos seres humanos e da natureza como dom de Deus, que deve ser preservada de forma responsável. E termina com uma pergunta: “Atendendo ao caso da região do Barroso, é de perguntar se não há necessidade de uma nova abordagem às questões ambientais”.

 

Anunciada manifestação contra o “green mining”
boticas mina litio © Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, reproduzidas a partir da página da associação no Facebook

A região para onde está previsto o projeto foi considerada “património agrícola mundial”. Foto © Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, reproduzida a partir da página da associação no Facebook.

 

Vários movimentos cívicos e ambientalistas, nomeadamente os que se têm movimentado contra os projetos de exploração de lítio em diferentes pontos do território, anunciaram, entretanto, que vão organizar um protesto conjunto contra a Conferência Europeia sobre Green Mining (mineração verde), que a presidência portuguesa da União Europeia se propõe organizar na próxima semana.

Segundo o Público, que deu a notícia nesta quarta-feira, 28 de abril, a iniciativa, ainda sem oradores anunciados, é organizada pelo Ministério do Ambiente e Ação Climática (MAAC) e deverá ter lugar a 5 de maio, sendo apresentada como um “evento internacional de alto nível na área dos recursos minerais”.

Os 14 movimentos que se articularam para contestar a conferência exigem “a abolição do eufemismo Green Mining e do marketing Green Washing associado”, e apelam “ao acesso à informação verdadeira, clara e transparente que urge sobre as operações de fomento mineiro que envolvem Portugal e a União Europeia”.

Em manifesto, que o Público cita, os subscritores alegam que o conceito de Green Mining está “a ser usado pela indústria extrativa pela Comissão Europeia (CE) e pelos governos dos Estados-membros” como correspondendo “a uma mineração responsável e sustentável”. “Uma mineração que engloba em si a máxima eficiência na utilização da água, energia e minérios extraídos e que afirma assegurar a conservação dos recursos naturais e minerais para as gerações futuras”, acrescenta o documento.

“Ao mesmo tempo, [essa mineração] promete uma minimização dos impactos sociais, ambientais e patrimoniais provocados pelos efeitos da exploração”, dizem as organizações que contestam a ideia, alegando que o conceito de Green Mining está “a ser usado pela indústria extrativa, pela Comissão Europeia e pelos governos dos Estados-membros” como correspondendo “a uma mineração responsável e sustentável”. O manifesto apresenta argumentos que procuram mostrar como tal tipo de mineração constitui “uma falácia”.

 

A educação na campanha eleitoral

A educação na campanha eleitoral novidade

Durante os trinta debates nas televisões o tema da educação nunca esteve sobre a mesa. Será porque não é importante? Todos responderão que não, pois a educação é reconhecidamente importante em qualquer sociedade, sobretudo as mais desiguais. Será porque não se debateu nenhuma estratégia para o país? Também não, pois, apesar de pouco, ainda houve aqui e ali tempo para debater a justiça, a economia, a fiscalidade, o emprego e as remunerações.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Lembrar as vítimas do nazismo

Holocausto

Lembrar as vítimas do nazismo novidade

27 de janeiro, a data em que o Exército Vermelho libertou Auschwitz, tornou-se o dia internacional em memória das vítimas do nazismo. Hoje quero lembrar Karl Stojka, e o seu aviso: “Não foi Hitler, nem Göring, nem Goebels, nem Himmler, nem nenhum desses quem me arrastou e espancou. Não. Foi o sapateiro, o vizinho, o leiteiro.”

As estrelas boas que Deus coloca na nossa vida

As estrelas boas que Deus coloca na nossa vida novidade

No contexto da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2022 [entre 18 e 25 de janeiro] prestamos tributo a um homem bom, um fiel seguidor de Cristo e um cristão verdadeiramente ecuménico e aberto ao diálogo inter-religioso. Um cristão também com profundo sentido de humor e de alegria, que é sempre um sinal de uma boa espiritualidade.

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This