Iémen

Jornalistas condenados à morte vivem “inferno na prisão”

| 6 Ago 2022

A mãe, filha e mulher de Tawfiq al-Mansouri seguram uma foto sua durante uma manifestação a 1 de outubro de 2020. Al-Mansouri é um dos quatro jornalistas iemenitas condenados à pena de morte pelas autoridades houthis. Foto © 2020 Mohammed Al-Emmad, no site da HRW.

A mãe, a filha e a mulher de Tawfiq Al-Mansouri seguram uma foto sua numa manifestação a 1 de outubro de 2020. Al-Mansouri é um dos quatro jornalistas iemenitas condenados à pena de morte pelas autoridades houthis. Foto © 2020 Mohammed Al-Emmad, no site da HRW.

 

Quatro jornalistas iemenitas condenados à morte estão a viver um “inferno” na prisão, de acordo com a descrição da organização de defesa da liberdade de imprensa e dos direitos humanos, Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

Num comunicado, no qual apela à sua libertação imediata, para que possam receber tratamento médico, a RSF condena ainda o tratamento cruel a que têm estado sujeitos Tawfik Al-Mansouri, Abdulkhaleq Amran, Akram Al-Walidi e Hareth Humaid.

Segundo o comunicado, os quatro homens estão detidos desde 2015 pelas autoridades houthis, tendo sido condenados à morte em abril de 2020. Desde então ainda aguardam por saber o seu destino, em condições de detenção totalmente desumanas.

Os jornalistas foram condenados por alegada espionagem em favor da Arábia Saudita. Estes profissionais trabalhavam para meios de comunicação próximos ao partido Islah, ligado ao governo reconhecido pela comunidade internacional e opositor dos houthis, à época do seu rapto. 

De acordo com a RSF, os quatro jornalistas correm risco de vida, por estarem sujeitos a repetidos maus-tratos que levaram a sérias complicações de saúde.

A organização — que responsabiliza os houthis pelo que acontecer aos detidos — deixou um apelo à libertação dos quatro homens e à anulação das suas sentenças. Para a RSF, “mesmo que os houthis não cumpram as suas sentenças de morte, tudo está a ser feito para matá-los lentamente através de tortura, abusos psicológicos e recusa de assistência médica”.

Já em novembro de 2020, Afrah Nasser, investigador para o Iémen da organização de direitos humanos Human Rights Watch, acusava este movimento político de violar a liberdade de imprensa da pior forma. “As autoridades houthis estão a usar tribunais comprometidos para punir jornalistas por fazerem o seu trabalho, aumentando o histórico sombrio de abusos do grupo armado.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores