Iémen

Jornalistas condenados à morte vivem “inferno na prisão”

| 6 Ago 2022

A mãe, filha e mulher de Tawfiq al-Mansouri seguram uma foto sua durante uma manifestação a 1 de outubro de 2020. Al-Mansouri é um dos quatro jornalistas iemenitas condenados à pena de morte pelas autoridades houthis. Foto © 2020 Mohammed Al-Emmad, no site da HRW.

A mãe, a filha e a mulher de Tawfiq Al-Mansouri seguram uma foto sua numa manifestação a 1 de outubro de 2020. Al-Mansouri é um dos quatro jornalistas iemenitas condenados à pena de morte pelas autoridades houthis. Foto © 2020 Mohammed Al-Emmad, no site da HRW.

 

Quatro jornalistas iemenitas condenados à morte estão a viver um “inferno” na prisão, de acordo com a descrição da organização de defesa da liberdade de imprensa e dos direitos humanos, Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

Num comunicado, no qual apela à sua libertação imediata, para que possam receber tratamento médico, a RSF condena ainda o tratamento cruel a que têm estado sujeitos Tawfik Al-Mansouri, Abdulkhaleq Amran, Akram Al-Walidi e Hareth Humaid.

Segundo o comunicado, os quatro homens estão detidos desde 2015 pelas autoridades houthis, tendo sido condenados à morte em abril de 2020. Desde então ainda aguardam por saber o seu destino, em condições de detenção totalmente desumanas.

Os jornalistas foram condenados por alegada espionagem em favor da Arábia Saudita. Estes profissionais trabalhavam para meios de comunicação próximos ao partido Islah, ligado ao governo reconhecido pela comunidade internacional e opositor dos houthis, à época do seu rapto. 

De acordo com a RSF, os quatro jornalistas correm risco de vida, por estarem sujeitos a repetidos maus-tratos que levaram a sérias complicações de saúde.

A organização — que responsabiliza os houthis pelo que acontecer aos detidos — deixou um apelo à libertação dos quatro homens e à anulação das suas sentenças. Para a RSF, “mesmo que os houthis não cumpram as suas sentenças de morte, tudo está a ser feito para matá-los lentamente através de tortura, abusos psicológicos e recusa de assistência médica”.

Já em novembro de 2020, Afrah Nasser, investigador para o Iémen da organização de direitos humanos Human Rights Watch, acusava este movimento político de violar a liberdade de imprensa da pior forma. “As autoridades houthis estão a usar tribunais comprometidos para punir jornalistas por fazerem o seu trabalho, aumentando o histórico sombrio de abusos do grupo armado.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This