José Augusto Mourão… o frade, poeta e professor

| 3 Mai 21

José Augusto Mourão

 José Augusto Mourão há vinte anos, em Janeiro de 2001. Foto © Pedro Cunha, cedida pelo autor

 

Fazemos memória, nesta quarta-feira, 5 de maio, do décimo aniversário da partida para o Senhor de frei José Augusto Mourão op. Nascido em Lordelo, Vila Real, em 12 de junho de 1947, deixou-nos aos 64 anos.

Conheci Frei Mourão quando, há já muitos anos, comecei a participar nas eucaristias do Convento de S. Domingos de Lisboa, levado pelo meu amigo Luís de França, também ele frade dominicano, entretanto já desaparecido do meio de nós. Por essa época ainda a Igreja do Convento não existia e celebrávamos na biblioteca ou, por vezes, no hall de entrada do convento.

Ainda hoje recordo com saudade as homilias do padre José Mourão, cujo estilo formal e conteúdo podemos, hoje na sua ausência física, relembrar através dos inúmeros textos que felizmente nos deixou. Eram normalmente curtas e muito incisivas, num estilo literário por vezes um tanto difícil o que me levava sempre a ir, no final da celebração eucarística, pedir-lhe a folhinha que lhe tinha servido de base para as fazer.

Entre outras obras, publicou A visão de Túndalo: em torno da semiótica das Visões (ed. INIC); Sujeito, Paixão e Discurso. Trabalhos de Jesus (Vega); O fulgor é móvel – Em Torno da Obra de Maria Gabriela Llansol (Roma); A Palavra e o Espelho (Paulinas), Luz Desarmada (Prefácio) e Quem vigia o vento não semeia (Pedra Angular), que recolhem homilias ligadas ao calendário litúrgico. 

Muito embora de uma riqueza espiritual e de uma profundidade teológica notáveis, não é normalmente pelas suas homilias que Frei Mourão é, frequentemente, lembrado. A sua poesia de uma riqueza espiritual e de uma harmonia extraordinárias, os cânticos de sua autoria adaptados a música “sacra”, constituem os seus mais conhecidos textos e ainda hoje enriquecem as celebrações litúrgicas dominicais no Convento dos Dominicanos de Lisboa. A coletânea O Nome e a Forma, apresentada e prefaciada pelo então padre José Tolentino Mendonça, outro notável contemporâneo poeta da Fé, reúne a sua poesia ao longo de 311 páginas, dividida em quatro capítulos: “Vazio Verde (o Nome)”, “Dizer Deus ao (Des)Abrigo do Nome”, “Declinações – O Nome e a Forma” e “O Chão da Palavra”, precedidos de um texto em prosa, também de sua autoria, de quatro páginas: “luz desarmada”.

Do prefácio de Tolentino Mendonça cito: “Como o próprio (José Augusto Mourão) explica, conduzido por «provocações e circunstâncias», foi, durante todos estes anos [estamos em 2009] escrevendo textos litúrgicos ou nessa atmosfera, que hoje constituem «um corpo, um tom, um ritmo, uma singularidade enunciativa» no contexto português. E acrescenta: “A profecia não tem apenas uma dicção ética e social. Ela formula-se também como estética. Na sua intransigente solidão, José Augusto Mourão tem representado o aguilhão e o vislumbre, o combate e a dança, pois é um lugar profético donde nos fala. Esperamos que este volume, que reúne as suas composições, possa contribuir para a renovação litúrgica e espiritual no espaço católico e inscreva o seu autor no cimeiro posto criativo a que tem direito”.

Considerando de inteira e total justiça esta “profecia” do atual cardeal Tolentino, deixo aqui um dos poemas de Frei Mourão que entendo, bem se lhe adequa:

 

REZAR

Deus nós devoramos o tempo,
o espaço e o conhecimento
quais vampiros

em nenhum lugar da cidade te encontramos
e rezar-te é ainda reduzir-te
ao pão da nossa saciedade
e à nossa fome

Deus, nós procuramos-te
como se procura a água e o pão:
cultiva os nossos desertos,
a nossa procura e a nossa perda,
as nossas malhas de ilusão

eis-nos diante de ti
e em face uns dos outros:
ficou-nos o resto da partilha,
os caminhos da errância e da solidão 

Deus da palavra e da promessa,
dá ao nosso desejo a graça
de se querer para além da sua imagem
e da clausura que o arme em circo

dá ao nosso desejo a graça de se tornar fluxo, rio, exílio
ou vaga de palavras
que nenhum lugar codifique
ou territorialize 

Deus, como nós nómada,
que a tua presença se realize de lugar em lugar,
de estação em estação
e que a tua palavra se enraíze

tu que és a palavra e a promessa
realizadas em Jesus e no Espírito
e nos fazes cantar

 

A palavra era, para Frei Mourão, um instrumento essencial da celebração litúrgica pelo que esta memória ficaria incompleta sem alguma citação da sua palavra.

Ao acaso, de Luz Desarmada (Prefácio, 2006) que recolhe algumas das suas homilias, retiro dois excertos referentes à parábola do Bom Samaritano: “A parábola seleciona entre os possíveis: o estrangeiro, o herético, o marginal, mas nem todos os estrangeiros, heréticos e marginais se comportam automaticamente como «bons samaritanos». À questão a parábola responde com um impossível a dizer, ou pelo menos a predizer: não é nunca aquilo que esperávamos. Podíamos esperar mais caridade por parte do sacerdote e do levita, não da parte dum Samaritano relativamente a um Judeu. Um não saber fundador lembra que não há encontro programável para a palavra que atravessa o corpo e o impulsiona à compaixão, quer dizer, o fazer caritativo que é nunca um saber-fazer. Encontrar não é reconhecer: é mesmo a prova do não-reconhecível, o falhanço do mecanismo de recognição. A parábola não pode dizer quem é o meu próximo, não pode dizer senão quem ele não é e só após o encontro. …

O Judeu foi despojado dos vestidos e riquezas e é a esta queda da imagem social que o passante pode ou não pode responder. O padre e o levita que se reduzem aqui à sua função, veem o ferido, mas nenhuma palavra atravessa o seu fantasma, enquanto que o corpo do samaritano é surpreendido por uma palavra que atravessa o seu corpo e o faz desviar-se para agir. …

Por uma curiosa coincidência, este dia 5 de Maio é o dia da língua portuguesa, essa que Frei Mourão tão bem cultivou, tanto em prosa como em verso, até ao limite.

 

Fernando Gomes da Silva é engenheiro agrónomo

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito

O Mercado e o Templo (15): Quando o conhecimento era um bem comum e gratuito novidade

As proibições teológicas souberam gerar meios de liberdade para mercadores e intelectuais, como seguros e universidades. A antiga cultura sabia que bem precioso, mesmo divino, era o conhecimento e protegia-o do lucro. Agora, na lógica do capitalismo, vêem-se apenas custos e benefícios. Este é o décimo quinto dos textos da série de crónicas que o 7MARGENS publica todas as quartas-feiras e sábados, da autoria de Luigino Bruni.

Breves

“Tragédia brasileira: risco para a casa comum?”

  Entre os dias 4 e 6 de Maio (terça a quinta-feira), um seminário internacional que se realiza em formato digital irá debater se a tragédia brasileira é um risco para a casa comum, numa iniciativa de várias organizações religiosas, de defesa dos direitos humanos...

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

APAV lança vídeo sobre violência sexual contra crianças

A APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima acaba de lançar o primeiro de um conjunto de vídeos que visam a prevenção da violência sexual contra crianças e jovens, procurando capacitar as pessoas sobre estes crimes e a informá-las sobre como pedir ajuda.

Xexão (um poema e uma evocação em Lisboa)

No 30º dia após o falecimento de Maria da Conceição Moita, a comunidade da Capela do Rato, em Lisboa, vai celebrar, a 30 de Abril, às 19h, eucaristia evocando a sua vida. Tendo em conta as regras de segurança em vigor, e o número restrito de lugares na capela, é necessária uma inscrição prévia, que deve ser feita na página digital da Capela do Rato.

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Entre margens

O desaparecimento dos gigantes da fé novidade

De vez em quando temos a sensação de que se está a passar na porta giratória para um mundo diferente. Em especial quando se toma consciência de que alguns dos maiores gigantes do mundo cristão nos deixaram. O mais recente foi o grande teólogo e pensador protestante latino-americano René Padilla (1932-2021), o “pai” do conceito de “missão integral” que revolucionou as teologias do continente, em particular a missiologia.

Alma mutilada

Samuel caminhava dançante num jogo de toca e foge com a suave rebentação da extensa e espelhada beira-mar de Keri Beach. Entusiasmado com a chegada à nova cidade, discursava e gesticulava comparações entre as imensas praias por onde passara. O fiel Odara escutava-o ao longe, absorto no encantamento da devoradora paisagem. Caminhava a passos curtos e lentos, sentindo atentamente a incomum textura da areia que se lhe entranhava nos dedos dos pés a cada novo pisar

[À volta do 1º de Maio] Encruzilhadas da vida

Tenho 45 anos e sou trabalhadora precária. A precariedade tem sido uma constante na minha vida desde que entrei no mercado de trabalho. Talvez esta situação seja fruto de decisões tomadas no passado. Da busca de realização profissional e pessoal em diferentes áreas do conhecimento. Ou será que não?
A minha primeira licenciatura foi em Engenharia do Ambiente pelo Instituto Superior Técnico (IST).

Cultura e artes

Alusões a um corpo ausente

Cada pessoa que fizer uma evocação de José Augusto Mourão fá-lo-á de um modo diferente. O percurso biográfico de Mourão presta-se a essa pluralidade quase heterodoxa, diferente das narrativas oficiais com as quais se canoniza uma vida e uma determinada biografia da mesma.

Flannery O’Connor e “Um Diário de Preces”

Flannery O’Connor foi uma escritora norte-americana (1925-1964), falecida aos 31 anos de lúpus, doença degenerativa precocemente diagnosticada (aos 12 anos) e que, depois de lhe terem sido dados cinco anos de vida, Flannery conseguiu, com uma vontade indomável, prolongar por mais 10 anos. Católica convicta, viveu em Savannah, na Geórgia, no sul protestante e conservador. Escreveu sobretudo sobre a decadência do sul da América. Fez uma licenciatura em Inglês e Sociologia e uma pós-graduação através de um writer’s workshop (oficina de escrita) na Universidade de Iowa. Escreveu 32 contos e dois romances.

O teatro da vida na leitura cristã de Luís Miguel Cintra

A revista E, do Expresso, deste fim-de-semana traz em várias páginas a súmula de mais de duas horas de conversa de Luís Miguel Cintra com a jornalista Luciana Leiderfarb, com as imagens da objetiva do repórter António Pedro Ferreira. Destaca-se dela não só uma grande personalidade do teatro, mas também uma pessoa de enorme sensibilidade e riqueza humanas.

Verbalizar o desejo

Em Rezar de Olhos Abertos, José Tolentino Mendonça assume a missão de guiar o crente e a comunidade (alguns textos surgem nesse contexto) na verbalização orante, inserindo-se assim numa tradição espiritual que conhece nos Salmos a sua expressão talvez mais plena e fecunda.

Sete Partidas

O regresso à escola má

Custa-me imenso falar de educação. A sério. Dói-me. Magoa fundo. O mal que temos tratado a educação escolar nas últimas décadas. Colectivamente. Geração após geração. Incomoda-me a forma como é delegada para planos secundários perante a suposta urgência de temas tão mais mediáticos e populares. Quando nada me parece mais urgente.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This