Entrevista à Ecclesia e Lusa

José Ornelas: “A Igreja não está acima da lei”

| 30 Abr 2023

José Ornelas reeleito presidente da CEP. Foto: Agência ECCLESIA/MC

José Ornelas foi reeleito presidente da CEP. Foto © Agência ECCLESIA/MC

 

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) afirmou que não é o escândalo que o preocupa, mas sim o facto de terem existido casos. Numa entrevista às agências Lusa e Ecclesia, depois da sua reeleição no cargo, José Ornelas foi categórico: “A Igreja não está acima da lei.”

O também bispo de Leiria-Fátima revelou na entrevista que o Grupo Vita — agora constituído — vai atuar na “intervenção” em situações de abuso de menores e na prevenção, assumindo que as indemnizações a pagarem às vítimas decorrem da lei portuguesa.

Percorrendo outros temas da Igreja em Portugal, o presidente da CEP afirmou que “não é aceitável” ter dioceses há mais de um ano sem bispo e que o Sínodo vai indicar alterações no Direito Canónico em “questões novas”.

Os abusos sexuais voltaram a ser um dos temas fortes desta entrevista à Agência Ecclesia e à Agência Lusa. Para o bispo de Leiria-Fátima, a “credibilidade” da Igreja não fica ferida por se conhecerem casos de abuso sexual e por ter tido “a coragem de chamar as coisas pelo seu nome e de agir”. “Não me preocupa o escândalo, preocupa-me que tenham existido esses casos” de abuso de menores, afirmou D. José Ornelas.

“O pior seria eu cometer uma asneirada e, para me defender, continuar a encobri-la ou simplesmente dissimulá-la. Quem quiser outro tipo de credibilidade vá à vontade, comigo não pega”, afirmou. “A credibilidade vem da busca da verdade das coisas para se encontrar soluções. A atual fase é precisamente a da intervenção e é para isso que aí estamos.”

Comissão “foi absolutamente necessária”

Aceitando o “desconforto” de algumas pessoas que questionam a iniciativa da CEP de ter criado uma comissão independente (CI) para investigar situações de abuso no passado, José Ornelas afirma que “foi julgada absolutamente necessária” nesta época, com o “objetivo de permitir conhecer a realidade, concretamente na Igreja”. “Eu não posso dizer se os tais quinhentos e tal casos de pessoas que contactaram a comissão são muitos ou poucos. Eu só sei que qualquer um é um drama”, sustentou o bispo.

D. José Ornelas disse também que sempre mantiveram contacto com “as instâncias que tratam estes assuntos na Santa Sé, concretamente o Dicastério para a Doutrina da Fé” e garantiu que os dados recolhidos pela CI vão permanecer “devidamente acautelados”, respeitando a autoria do estudo, e tendo em conta que foi pedido pelo episcopado português.

Na entrevista realizada no contexto da sua reeleição para a presidência da CEP, José Ornelas garantiu que “as pessoas que foram abusadas, em ambiente de Igreja, vão ter a ajuda necessária”, nomeadamente as indemnizações que decorram “de um processo jurídico”, referindo que “as dioceses vão assumir os casos que estão ligados a elas”.

“O que nós dizemos é que ninguém vai ficar sem ajuda para aquilo que é justo e para a sua vida, mesmo que, ou porque não se fez um processo ou porque o abusador não tem meios para isso. O que nós vamos fazer é disponibilizar ajuda! É por isso que não pomos em termos jurídicos. Se for em termos jurídicos, é evidente que vai haver um processo e é evidente que nós não estamos acima da lei”, reiterou, referindo-se à Igreja portuguesa.

“Processo de nomeação de bispos não está a funcionar”

 

José Ornelas Foto: Agência ECCLESIA/MC

José Ornelas considerou “inaceitável” ter dioceses sem bispo há mais de um ano. Foto © Agência ECCLESIA/MC

 

Na entrevista, o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) afirmou que o processo de nomeação de bispos “não está a funcionar” e considerou “inaceitável” ter dioceses sem bispo há mais de um ano, sugerindo que o Sínodo vai alterar normas atuais.

“Nós termos neste momento duas dioceses que já há um ano e tal estão sem bispo, uma já quase há um ano e meio, isto não é aceitável a meu ver”, afirmou D. José Ornelas, acrescentando que não tem elementos para afirmar se o atraso na nomeação decorre da “recusa” por parte de quem é escolhido, como noticiou o 7MARGENS.

O bispo de Leiria-Fátima sustentou que é necessário “rever” processo de nomeação dos bispos “para agilizá-lo e para o tornar mais participativo”.

D. José Ornelas considera o papel do Papa na nomeação dos bispos de todo o mundo “muito importante”, assim como a participação alargada “em termos de consulta de pessoas”, nomeadamente “leigos, padres, bispos”, mas defende uma organização “de outra forma, agilizando melhor, tornando mais rápido e eficiente o processo de escolha”.


Casais gays: “Jesus nunca recusou ninguém”

O presidente da CEP valorizou o “caminho de sinodalidade” que está a acontecer “em toda a Igreja”, lembrando que há “questões novas” que “precisam ser repensadas e ajustadas”. “Hoje temos questões novas que o Papa Francisco diz ‘não busquem simplesmente soluções do passado para os problemas de hoje’, não vai dar certo.”

A respeito de casais em segunda união ou uniões homossexuais, o presidente da CEP sublinhou que a Igreja não pode “simplesmente ignorar” a situação de “grande parte dos casais” que “acabam em separação” e disse que, no seguimento dos “caminhos que o próprio Papa Francisco foi abrindo sobre as questões de matrimónio”, é preciso ajudar as pessoas “a fazer um caminho de verdade e discernimento sobre a sua própria vida”, lembrando que “Jesus nunca recusou ninguém”.

“A Igreja não é só gente perfeita! É de gente que, às vezes, vive situações onde uma solução normal não chega!”, referiu.

D. José Ornelas referiu-se também a temas que “estão em franca discussão”, nomeadamente a ordenação de padres casados, lembrando que “é uma questão disciplinar, não é dogmática, que deve ser discutida, aceite e implementada pela Igreja no seu todo e não simplesmente porque cada um”.

O bispo de Leiria-Fátima considera que, pessoalmente, o sacerdócio das mulheres “é um tema que está em cima da mesa”, mas “não se põe ao mesmo nível dos outros” por razões “culturais”, sendo necessário não olhar apenas para a Igreja na Europa, mas “para a Igreja que está em todo o mundo, em diferentes culturas”.

“Não é simplesmente uma questão de moda, mas de ir ao encontro de uma sociedade que mudou e de uma cultura que está a mudar e encontrar a linguagem e caminhos novos para ir ao encontro dessa cultura. Foi sempre assim na Igreja.”

Por fim, o presidente da CEP afirmou que é necessário “rever” a democracia, disse que há perigos que “estão à vista” e fala em “dificuldade” em gerir o país, alertando para a crise social crescente.

 

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém

Via Sacra ecuménica

Mais de 1.000 jovens cristãos caminharam pela paz nas ruas de Jerusalém novidade

A guerra em Israel prossegue e o sentimento de insegurança em Jerusalém cresce. Ainda assim, ou talvez por isso mesmo, a tradicional Via Sacra que ali se realiza anualmente por ocasião da segunda semana da Quaresma não foi cancelada. Na passada sexta-feira, 23 de fevereiro, mais de mil crianças e jovens que frequentam as escolas cristãs da cidade, acompanhados de inúmeros familiares e professores, percorreram as ruas de lenços brancos na mão, pedindo a paz para todo o mundo, e em particular para a Terra Santa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

A propósito das eleições…

A propósito das eleições… novidade

Uma das coisas boas que a revolução de 1974 nos trouxe foi a possibilidade de escolhermos os nossos representantes políticos. Para a geração dos meus pais, a revolução foi um momento intenso. Finalmente chegara a liberdade. Começaram a participar activamente na vida política, viram o fim da guerra colonial e uma descolonização tumultuosa, assistiam com interesse a debates políticos na TV, debatiam ideologias e as propostas de diferentes partidos políticos. [Texto de Marco Oliveira]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This