Josefina, a soba da Ganda: “Aqui ’tava muito bonito, mas a guerra mudou tudo!”

| 9 Fev 20

Josefina, soba do Alto da Catumbela município da Ganda, Benguela, Angola)

 

Nascida em Katchiumgo, no Huambo, Josefina, de 56 anos, é soba num bairro da Ganda, o Alto da Catumbela, província de Benguela (Angola). Este cargo tem uma enorme relevância na gestão da comunidade, sendo reconhecida como autoridade tradicional pelas populações e pelo Estado. A nomeação resulta do voto de outros sobas e da população. Já a sua avó tinha sido soba em Cachiungo, uma vila e município da província do Huambo. Apesar de não ser comum em Angola, para a eleição de soba os direitos são iguais, quer seja mulher, quer seja homem. E Josefina é disso testemunho.

Mãe de quatro filhos e já com seis netos, Josefina fez a 9ª classe, já adulta, na escola da Ganda. Cultiva a sua pequena lavra, a duas horas de caminho de casa, assegurando a base da sua alimentação, mas assume que a prioridade é a sua responsabilidade como líder comunitária que muito a ocupa: “Custa!! Ser soba custa! Há trabalho! Tudo te chama! E você tem que responder.” Dos maus tratos aos roubos, todos os assuntos da comunidade dizem respeito ao soba e a sua intervenção é constantemente solicitada e muitas vezes é necessário reunir com os envolvidos, com a comunidade e com os pares – outros sobas – para uma solução final.

Anualmente, os sobas realizam os censos do Alto do Catumbela. Cada soba é responsável por saber, casa a casa, quantas pessoas habitam no seu bairro, e de as dividir nas faixas etárias (0 aos 5, 5 aos 12, adultos, maiores de 60 e maiores de 70). Os últimos censos apontavam para 17 mil habitantes.

A soba do bairro da Ganda veio para o Alto do Catumbela com seis anos, numa longa viagem de comboio desde a terra natal. O seu pai trabalhava na fábrica de celulose que dava trabalho a muitos dos habitantes da região e que era fonte de prosperidade daquela zona. “Aqui ’tava bonito, agora ’tá mal! Não há trabalho, as pessoas se vão no campo, o trabalho é pouco, não aparece emprego para as pessoas trabalharem. Agora aqui ficou feio, ’tá mal!” Quando, no Alto do Catumbela, a fábrica de celulose estava em funcionamento, o “comboio transportava os papéis, pastas e restos, ’tava bem! Dava luz aqui, luz em todo o bairro, água canalizada, tudo! ’Tava muito bonito! Mas a guerra mudou tudo”.

Hoje, a falta de emprego é sem dúvida o maior problema. O cultivo de subsistência, os pequenos negócios e o emprego dos professores animam a economia do bairro. “De manhã cultivam, de tarde vão à praça. Mesmo assim está mal, não está bom”, diz Josefina, revelando que os jovens são obrigados a ir para Luanda e Benguela para melhorar a vida, amealhar algum dinheiro e depois regressar para apoiar a família.

São grandes as expectativas de Josefina para o trabalho dos Leigos para o Desenvolvimento na Ganda. A par do desemprego e desocupação dos jovens, as necessidades ao nível da saúde e da salubridade (lixos, águas paradas) são as que identifica como as mais prementes. A dinamização do Grupo Comunitário, o envolvimento e o compromisso dos membros da comunidade são o desafio que a soba da Ganda espera conseguir vencer com o apoio dos nossos voluntários.

 

Texto publicado inicialmente na página dos Leigos para o Desenvolvimento, cedido ao 7MARGENS para efeitos desta publicação.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

Comunicar na era do coronavírus novidade

Byung-Chul Han é um observador perspicaz da sociedade contemporânea, por ele designada de várias maneiras, como “a sociedade do cansaço” ou “a sociedade da transparência”. Professor universitário em Berlim, ele analisa criticamente aquilo que designa como “o inferno do igual”, ou seja, algo de inevitável naqueles que a todo o custo pretendem ser diferentes mas que, na realidade, se aproximam por esse desejo comum – aliás não conseguido – de originalidade.

Deus sem máscaras novidade

Assisti à cerimónia da consagração ao coração de Jesus e ao coração de Maria, proposta pelos bispos de Portugal, Espanha e outros países. Um ponto de partida para reflectir sobre oração e rito.

A ilusão do super-homem

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Cultura e artes

Tagore: Em busca de Deus novidade

Rabindranath Tagore (1861-1941), Nobel de Literatura em 1913, é um grande poeta universal. Indiano, de família principesca, estudou Direito e Literatura, em Inglaterra, em 1877, não chegando a acabar o curso devido à secura do ensino superior ministrado. Tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Sete Partidas

A doença do coronavírus serve de desculpa para tudo? novidade

À boleia da pandemia que nos aflige, vejo coisas a acontecer que não podem deixar de me espantar, pela sua aberração e desfaçatez de quem as pratica. Em meados de fevereiro, em Mullaithivu, no norte do Sri Lanka, foi descoberta uma vala comum enquanto se procedia às escavações para as fundações duma extensão do Hospital de Mankulam. Segundo os médicos legistas, os restos mortais encontrados têm mais de 20 anos.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco