Josefina, a soba da Ganda: “Aqui ’tava muito bonito, mas a guerra mudou tudo!”

| 9 Fev 20

Josefina, soba do Alto da Catumbela município da Ganda, Benguela, Angola)

 

Nascida em Katchiumgo, no Huambo, Josefina, de 56 anos, é soba num bairro da Ganda, o Alto da Catumbela, província de Benguela (Angola). Este cargo tem uma enorme relevância na gestão da comunidade, sendo reconhecida como autoridade tradicional pelas populações e pelo Estado. A nomeação resulta do voto de outros sobas e da população. Já a sua avó tinha sido soba em Cachiungo, uma vila e município da província do Huambo. Apesar de não ser comum em Angola, para a eleição de soba os direitos são iguais, quer seja mulher, quer seja homem. E Josefina é disso testemunho.

Mãe de quatro filhos e já com seis netos, Josefina fez a 9ª classe, já adulta, na escola da Ganda. Cultiva a sua pequena lavra, a duas horas de caminho de casa, assegurando a base da sua alimentação, mas assume que a prioridade é a sua responsabilidade como líder comunitária que muito a ocupa: “Custa!! Ser soba custa! Há trabalho! Tudo te chama! E você tem que responder.” Dos maus tratos aos roubos, todos os assuntos da comunidade dizem respeito ao soba e a sua intervenção é constantemente solicitada e muitas vezes é necessário reunir com os envolvidos, com a comunidade e com os pares – outros sobas – para uma solução final.

Anualmente, os sobas realizam os censos do Alto do Catumbela. Cada soba é responsável por saber, casa a casa, quantas pessoas habitam no seu bairro, e de as dividir nas faixas etárias (0 aos 5, 5 aos 12, adultos, maiores de 60 e maiores de 70). Os últimos censos apontavam para 17 mil habitantes.

A soba do bairro da Ganda veio para o Alto do Catumbela com seis anos, numa longa viagem de comboio desde a terra natal. O seu pai trabalhava na fábrica de celulose que dava trabalho a muitos dos habitantes da região e que era fonte de prosperidade daquela zona. “Aqui ’tava bonito, agora ’tá mal! Não há trabalho, as pessoas se vão no campo, o trabalho é pouco, não aparece emprego para as pessoas trabalharem. Agora aqui ficou feio, ’tá mal!” Quando, no Alto do Catumbela, a fábrica de celulose estava em funcionamento, o “comboio transportava os papéis, pastas e restos, ’tava bem! Dava luz aqui, luz em todo o bairro, água canalizada, tudo! ’Tava muito bonito! Mas a guerra mudou tudo”.

Hoje, a falta de emprego é sem dúvida o maior problema. O cultivo de subsistência, os pequenos negócios e o emprego dos professores animam a economia do bairro. “De manhã cultivam, de tarde vão à praça. Mesmo assim está mal, não está bom”, diz Josefina, revelando que os jovens são obrigados a ir para Luanda e Benguela para melhorar a vida, amealhar algum dinheiro e depois regressar para apoiar a família.

São grandes as expectativas de Josefina para o trabalho dos Leigos para o Desenvolvimento na Ganda. A par do desemprego e desocupação dos jovens, as necessidades ao nível da saúde e da salubridade (lixos, águas paradas) são as que identifica como as mais prementes. A dinamização do Grupo Comunitário, o envolvimento e o compromisso dos membros da comunidade são o desafio que a soba da Ganda espera conseguir vencer com o apoio dos nossos voluntários.

 

Texto publicado inicialmente na página dos Leigos para o Desenvolvimento, cedido ao 7MARGENS para efeitos desta publicação.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Anselmo Borges e a eutanásia: “Quem mata?”

“Se algum dia se avançasse por esta via da legalização da eutanásia, o Estado ficaria com mais uma obrigação: satisfazer o direito ao pedido da eutanásia e seria confrontado com esta pergunta terrível: quem mata?”, escreve Anselmo Borges, professor de filosofia e padre, na sua última crónica no Diário de Notícias.

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Maria e Marta – como compreender dois nomes num congresso mundial novidade

Foi nesse congresso que, pela primeira vez, tive a explicação relativa a dois nomes, Maria e Marta, cujo significado fiquei de procurar, desde 1983, ano no qual nasceram as minhas primas Maria e Marta. O facto é que, quando elas nasceram, o meu avô materno, impôs que fossem chamadas por esses nomes. Despertou-me curiosidade a insistência, uma vez que já as chamávamos por outros nomes.

Sempre mais sós (Debate Eutanásia)

Reli várias vezes o artigo de opinião de Nuno Caiado publicado no 7MARGENS. Aprendi alguns aspetos novos das questões que a descriminalização da eutanásia ativa envolve. Mas essa aprendizagem não me fez mudar de opinião. Ao contrário do autor, não creio que a questão central da eutanásia agora em discussão seja a do sofrimento do doente em situação terminal. A questão central é a da nossa resposta ao seu pedido para que o ajudemos a morrer.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco