[Leituras de um pontificado - 2]

Joseph Ratzinger, o paradigma ascético-estático

| 3 Jan 2023

Bento XVI, CCB, artistas, Daniel Rocha

Bento XVI no encontro com os artistas, Lisboa, Maio de 2010. Foto © Daniel Rocha/Público, cedida pelo autor

Para mim, o do costume.

Foram dois anos que, em retrospectiva, marcaram de modo especial as últimas décadas do milénio recém-concluído: 1968 e 1989. O ano de 1968 assinala a rebelião de uma nova geração que não só julgou insuficiente, cheia de injustiças, de egoísmo e de avareza a obra da reconstrução do pós-guerra, como considerou errado e fracassado todo o percurso da história a partir da vitória do cristianismo. (…) [essa geração] pensara ter encontrado, na grande corrente do pensamento marxista, o caminho que levaria [ao mundo da liberdade, da igualdade e da justiça]”.

Estes dois parágrafos iniciais são essenciais para perscrutar o âmago de Joseph Ratzinger. A primeira citação é a sua resposta ao chefe-de-sala, num famoso restaurante nas margens do Danúbio. A segunda citação pertence ao prefácio escrito por Ratzinger para a edição de 2000, da sua obra Introdução ao Cristianismo (Tübingen, 1967, tradução portuguesa: Principia, 2016).

Diz-se, do menino Joseph, ter presenciado o seu pároco a ser açoitado pelos nazis, antes de começar a celebração da santa missa… Este menino, nascido em 1927, filho de um comissário de polícia, fora marcado pela infância instável, acanhada e traumática do ambiente conservador do campo onde viera ao mundo, ou seja, muito longe da oferta cultural sempre provocadora e estimulante da urbe. Encravado na fronteira sul da Alemanha, junto à Áustria, o jovem Joseph, quando chega a Munique para dar assistência às antiaéreas da II Guerra Mundial, reconhece que, vindo da “província”, chegara ao “novo mundo” bem preparado em latim e grego é certo, mas desprovido dos “novos horizontes” dos seus outros colegas. É assim que, desde cedo, se revelou uma pessoa insegura, carente de um apoio delicado, mas acalentando um sonho com laivos de alguma grandiosidade.

 

Uma mente brilhante

O mais novo de três filhos, Joseph Ratzinger era solitário e uma mente brilhante. Foto © DR

Joseph Ratzinger foi uma criança solitária, marcada pela infância instável e acanhada do ambiente do campo onde viera ao mundo. Foto © Direitos reservados

 

Joseph, o mais novo de três filhos, solitário e possuidor de uma mente brilhante, recorda-se de ter nascido muito perto de um santuário mariano (Altötting) − lugar de peregrinações da Baviera e da Áustria ocidental − porque aí se beatificara e canonizara um “santo irmão-porteiro”, Conrad de Parzham. Refere-se a isso nas suas Memórias com estas significativas expressões: “estes ‘pequenos’ santos pertencentes a um tempo que me comove muito” (Mi Vida – Recuerdos 1927/1977, Ediciones Encuentro; daqui em diante: MV). Deste período da sua infância-juventude, Joseph regista, apenas, grandezas majestáticas, fontenários nobres, catedrais, igrejas altivas, coadjutores canónicos, igrejas paroquiais como pequenos castelos, igrejas monacais barrocas, e, em especial, o “Santo Sepulcro” que se enfeitava pela Sexta-feira Santa e Domingo de Páscoa e que “nos ajudava a sentir-nos mais próximos do mistério da morte e da ressurreição e a entendê-los com os nossos sentidos internos e externos, muito previamente a qualquer intento de compreensão racional” (MV). No alto da colina estava a capela de Ponlach, “um amoroso santuário barroco”, donde se avistava o vale de Salzach. Cá em baixo, viveria na casa da gendarmeria, “uma das casas mais belas da Praça Maior” da cidade: a casa havia pertencido ao capítulo dos cónegos. O dormitório fora, em tempos, a sala capitular. “Para nós, ainda crianças, tudo isto era absolutamente misterioso e excitante.” Quando, nos finais de 1932, a família de Joseph decidiu mudar-se de Tittmoning para Aschau, ocuparam uma casa de polícia “com um pequeno jardim dianteiro e um belo cruzeiro que dava para o caminho e para um prado”. Joseph confessa que aí lhe “faltava a grandiosidade da pequena cidade de onde viemos e da qual estávamos muito orgulhosos”. “A graciosa igrejita neogótica [de Aschau] não resistia à comparação com tudo aquilo que havia onde tínhamos vivido.” Foi nesse tempo que, escreve Ratzinger: “Nos caiu em cima da cabeça a pesada História: Hitler é eleito Chanceler do Reich!”. Curiosamente, deste tempo, ele nada regista, no seu diário, em matéria de escola e brincadeiras de crianças, mas descreve e regista com uma surpreendente minúcia todos os pormenores quanto a “tratados concordatários”, “convénios Igreja-Estado” em matéria de escolas confessionais, a “ideologia do Führer” e a actividade confiada ao professor mestre-escola (organista, director do coro da igreja e professor de bíblia), bem como ao pároco, e tudo isto envolto num rigor antropológico e sociológico que assombra, para uma criança que ainda o era… Nas suas memórias, Joseph Ratzinger nunca menciona os nomes dos seus irmãos; diz apenas, “meu irmão” e “minha irmã”… Sabemos, porém, que se chamavam Georg e Maria. Por essa altura, a irmã e o irmão começavam as suas “carreiras” religiosas. Estava-se em 1935. Em 1937, a família abandonava Aschau.

De Traunstein, local da sua nova habitação e do início do bacharelato em clássicas, ficar-lhe-ia retido na memória o forte impacto da liturgia e da cultura greco-latina, aí absorvidos. Nunca mais, ao longo da sua vida de teólogo famoso, admirado, deixaria de mencionar a importância da liturgia e do latim… apesar de um abade de um mosteiro beneditino, em Beuron (de seu nome Anselm Schott), já ter posto a circular a sua tradução do missal em latim para a língua alemã, tradução que Anselm fazia o favor de oferecer aos paroquianos. E aos Ratzinger’s, também.

Perante este pano de fundo infanto-juvenil, não é difícil imaginar que Joseph via, melancolicamente, como “um passado grandioso” o tríptico: infância, juventude e cristianismo. Passado glorioso já então ameaçado, mas que ele se propunha agarrar e levar adiante. Refere, nas suas Memórias, que nasceu em dia de Sábado Santo (sábado pascal) e que fora baptizado no dia seguinte (Domingo de Páscoa) com a nova água, o que releva de um espírito de presumido predestinado… ou (desde logo?) bento.

 

A grande crise de Tubinga

Foi Hans Küng, decano da universidade de Tubinga, quem convidou Ratzinger para professor de Dogmática e História dos Dogmas. Foto: Direitos reservados

 Joseph Ratzinger nasceu em 1927. Foi ordenado presbítero em 1951 (aos 24 anos). Em 1953 (26 anos) formou-se em teologia com uma dissertação sobre o tema Povo e Casa de Deus na Doutrina da Igreja de Santo Agostinho. Em 1957 (30 anos) fez a livre docência com o conhecido professor de teologia fundamental de Munique, Gottlieb Söhngen, com um trabalho sobre A Teologia da História de São Boaventura. Depois de um cargo de dogmática e de teologia fundamental na Escola Superior de Freising, prosseguiu a sua actividade de ensino em Bona (1959-1969) e em Munique (1963-1966). A convite de Hans Küng, decano da universidade, e através de um “concurso à medida”, Ratzinger é nomeado professor de Dogmática e História dos Dogmas para a Universidade de Tubinga (Tübingen, 1966-1969). A partir de 1969 foi professor das mesmas áreas na Universidade de Ratisbona (42 anos), onde desempenhou também o cargo de vice-reitor da universidade.

A sua intensa actividade científica levou-o a desempenhar importantes cargos no âmbito da Conferência Episcopal Alemã e na Comissão Teológica Internacional. Foi arcebispo de Munique e Freising em 1977 (50 anos) e de imediato cardeal em 27/06/1977 (ainda com 50 anos). Foi nomeado prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé em 1981 (54 anos). A 15 de Fevereiro de 1982 renunciou ao governo pastoral da arquidiocese de Munique e Freising. No dia 6 de Novembro de 1998 foi nomeado vice-decano do Colégio Cardinalício e a 30 de Novembro de 2002 tornou-se decano (75 anos). É eleito Papa a 18 de Abril de 2005 com o nome de Bento XVI (o Papa mais velho a ser eleito nos últimos 275 anos e o primeiro alemão a ser chefe da Igreja a seguir ao Papa Victor II − bispo de Eichstädt − que pontificou entre 1055 e 1057). A partir de 28 de Fevereiro de 2013 é “Papa emérito”, por renúncia ao cargo.

O seu percurso biográfico decorre do seu percurso espiritual (e vice-versa) e isso poderá ser sintetizado assim: aferrado de modo ascético ao mistério de Jesus Cristo através da oração, da liturgia e do crucifixo, e tudo isto submetido ao “critério de verificação” supremo que é a Tradição da Igreja (Padres da Igreja e Doutores da Igreja). A sua imagem de Igreja é aquela que “encontra no septenário sacramental a realização completa da lógica da encarnação e, ao mesmo tempo, o renascer contínuo no coração da pessoa” (A. Scola, in MV). O conceito “A Tradição” seria visto como “o património espiritual definido desde o início” do cristianismo (Introdução ao Cristianismo, Principia, p. 37, nota 6). Continuo a citar A. Scola: “No sacramento dá-se, com efeito, a contemporaneidade entre ‘a verdade eterna’ que é Deus e a ‘natureza dramática’ (ou seja, finita, mas capaz de infinito) que é o homem”. É por isso que o sacramento da Eucaristia, como símbolo hierático supremo, tem um peso espiritual, eclesiológico e teológico inexcedível para Ratzinger. Todo o seu labor teológico arranca daqui e aqui regressa.

Universidade de Tubinga, onde nasceu a Declaração pela Liberdade da Teologia. Foto © atrost

Universidade de Tubinga, onde nasceu a Declaração pela Liberdade da Teologia. Foto © atrost, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

 

É certo que, em Tubinga e ao lado de 1.322 teólogos e teólogas, assina a Declaração pela Liberdade da Teologia, um apelo público redigido no essencial por Hans Küng. Também apoia, em 1969, a declaração de Tubinga (redigida pelo canonista Neumann e outros) sobre a eleição dos bispos, em que, entre outros aspectos, se prevê um limite de oito anos para o respectivo exercício episcopal. Mas o que é certo é que, apesar disso, Ratzinger decide abandonar a Universidade de Tubinga, retirando então a sua assinatura desta última declaração: a pensar, já, na sua futura carreira eclesiástica ou, como depois justificou, “por ter sido pressionado”? (H. Küng sempre negou tais pressões e sugeriu que Ratzinger se sentiu fortemente pressionado pela contestação estudantil universitária.)

Ratzinger não alinhava com maiorias mantinha o seu espírito crítico , mas certamente não era ele quem procurava polémicas e confrontos com seus colegas. Por índole, não era um pugilista, não gostava de partir para o combate, fugia das rixas académicas. Não pensava realmente em assumir o papel de ‘bastião contrário’ que organizaria a resistência diante da deriva que aumentava. O facto é que nos anos de Tubinga não se registaram conflitos evidentes entre Ratzinger e o resto do corpo académico docente, o qual inclusivamente o escolhera como decano.” (Gianni Valente, 1966-1969. Os anos difíceis em Tübingen)

Porém, nas suas memórias é por demais evidente o trauma da sua estadia em Tubinga, marcada pelos efervescentes trabalhos conciliares de 1963-65 e pela contestação estudantil de Maio de 68 (Cf. capítulo “Münster y Tubinga”, MV, p. 109ss). Diz Ratzinger: “Crescia cada vez mais a impressão de que na Igreja não havia nada de estável, que tudo podia ser objecto de revisão. O Concílio assemelhava-se a um grande parlamento eclesial, que podia mudar tudo e revolucionar cada coisa a seu bel-prazer. Era mais do que evidente que crescia um ressentimento contra Roma e a Cúria, os quais surgiam como os verdadeiros inimigos a fazerem frente a qualquer tipo de novidade e progresso. (…) Pouco a pouco, as tensões e as divisões, que eram atribuídas ao Concílio, começaram a tomar forma também no interior da nossa paisagem eclesial [alemã]. Acontece que aqui, na Alemanha, tinha começado um processo muitíssimo mais radical e profundo.” (MV, p. 110).

O teólogo protestante Jürgen Moltmann, elogiado por Ratzinger pelo seu fascinante livro Teologia da Esperança. Foto © Maeterlinck

O teólogo protestante Jürgen Moltmann, elogiado por Ratzinger pelo seu “fascinante” livro Teologia da Esperança. Foto © Maeterlinck, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

 

Mais adiante, no seu registo de memórias, Joseph Ratzinger elabora sobre o processo de mudança que o levou de Münster para Tubinga acabando por concluir que se havia equivocado totalmente, pois o ambiente que ali fora encontrar era de altíssimo nível teológico, mas também de alta tensão, em matéria de contestação e de “polémica estudantil” (crítica política e teológica). “E eu não estava nada habituado a uma coisa destas!” (MV, p. 113).

Culpados? Joseph Ratzinger não tem papas na língua. Não foi Ratzinger que falhou por ser incapaz de enfrentar as teses inovadoras dos alunos e dos teólogos, fossem católicos ou evangélicos: foram os outros que “mudaram”. Não fora ele que fracassara diante deste mundo em efervescência que irrompia: foram os outros que traíram a Tradição. Na época em que chegara a Tubinga, “o modelo de pensamento dominante assentava na teologia de Bultmann e na filosofia de Heidegger. Subitamente, como da noite para o dia, o esquema existencialista desmoronou-se e foi substituído pelo esquema marxista. Ernst Bloch leccionava em Tubinga e as suas lições denegriam Heidegger, catalogando-o de pequeno-burguês. Praticamente coincidindo com a minha chegada a Tubinga ‒ escreve Ratzinger ‒, foi chamado, à faculdade evangélica de teologia, Jürgen Moltmann, que no seu fascinante livro Teologia da Esperança repensava a teologia a partir de Bloch. O existencialismo desintegrava-se completamente e a revolução marxista alastrava por toda a Universidade, sacudindo-a até aos alicerces. Até essa época, sabia-se que as faculdades de teologia seriam baluartes contra a tentação marxista. Agora, sem dúvida, sucedia justamente o contrário: convertiam-se no seu verdadeiro centro ideológico.” (MV, p. 113).

Apesar de à época ser o decano da faculdade de teologia de Tubinga, Ratzinger acabou por aceitar o insistente convite para ir leccionar em Ratisbona: “queria escrever a minha teologia num contexto menos agitado e não queria estar implicado em contínuas polémicas”. “Naturalmente, os ecos da revolta marxista também se fizeram sentir na nossa jovem “Alma Mater” (…) Mas a Universidade [de Ratisbona] rapidamente conseguiu regressar à sua própria fisionomia”.  Ou seja, voltava ao: “Para mim, o do costume”. Em Ratisbona Ratzinger vai sentir-se em casa: “a Universidade de Ratisbona conseguiu nomear professores de grande valia, a tal ponto que, ali nas margens do Danúbio, rapidamente se forjaram grandes amizades fora dos limites da faculdade. (…) Os primeiros anos em Ratisbona coincidiram com uma série de acontecimentos determinantes. O primeiro deles foi a minha chamada para fazer parte da Comissão Teológica Internacional [a convite do Papa Paulo VI]” (MV, p. 118).

 

O modelo polaco em acção

João Paulo II: “A teologia dogmática de Ratzinger assentava que nem uma luva na estratégia” do Papa Wojtyla. Foto © Hernan Valencia/Wikimedia Commons

 Mas, recorda H. Küng, após a eleição de Karol Wojtyla como Papa, a 16 de Outubro de 1978, todas as esperanças conciliares reformistas (p. ex., as propostas do cardeal Suenens, de Malines-Bruxelas), tiveram definitivamente de ser ‘encaixotadas’ e postas na prateleira. Com João Paulo II entra em cena um Papa para quem a Acção Católica não desempenha papel algum, um Papa que desde o primeiro momento aposta sem qualquer dúvida nos “novos” movimentos carismáticos, que lhe devotam submissão absoluta. Quanto aos seus fundamentos, trata-se de movimentos conservadores, que não manifestam interesse algum pelas “reformas internas” da Igreja apontadas pelo Concílio, mas apenas pela “evangelização”, melhor dito, pela “catolicização” de um mundo que se desinteressou de Deus.

Para esses movimentos ditos “novos”, o Vaticano II não conta; basta-lhes ter um líder espiritual a quem aclamar, mesmo que nunca se tenham preocupado em conhecer a fundo os dogmas e muito menos pratiquem a doutrina moral desse líder. Em 1981, organiza-se em Roma um grande congresso internacional desses movimentos, para o qual a Acção Católica nem sequer é convidada.

Serão eles, estabelecidos sobretudo nos países da contrarreforma – Itália, Espanha, Irlanda e Polónia −, que acudirão, no futuro, em massa, às grandes manifestações papais e arrastarão muitos curiosos, buscadores de sentido e simpatizantes. Por exemplo, no dia da juventude celebrado em Berna, em Junho de 2004 (a última visita de João Paulo II à Suíça), formam, com as suas bandeiras, coortes facilmente perceptíveis, as quais − de forma atípica, para a mentalidade suíça − acompanham com frenéticos aplausos cada frase do Papa. Também na Jornada Mundial da Juventude celebrada em Colónia, em Agosto de 2005, serão esses movimentos os eleitos para dar as boas-vindas – aos gritos de “Benedetto! Benedetto!” lançados em uníssono – ao sucessor de Wojtyla, Joseph Ratzinger, como que para dar a ideia de que “os jovens” estão uma vez mais e de novo com o Papa.

O projecto de Karol Wojtyla assentava na conversão da cristandade ao Coração de Maria e a teologia dogmática de Ratzinger assentava que nem uma luva na estratégia de João Paulo II, na medida em que ela também partia de um método a-histórico e a-crítico revelando uma preferência pela cristologia joânica, pretextos mais que suficientes para um entendimento cruzado com os dogmas conciliares de Niceia (séc. IV) e de Calcedónia (séc. V), armação que permitia que o Jesus da história se dissesse ‘da mesma natureza que o Pai’ (“homoousius”). Os indícios de sucesso eram, à partida, titulados como ‘muito bom’ ou ‘excelente’.

 

Concílio Vaticano II na Basílica de São Pedro

Concílio Vaticano II: “Os resultados que se seguiram parecem opor-se cruelmente às esperanças de todos, começando pelas do Papa João XXIII e, depois, pelas de Paulo VI”, escrevia Ratzinger. Foto: Direitos reservados. 

 

A pastoral implícita no “modelo polaco” (que também pedia que “não se pense, mas se sinta”… “com os sentidos internos e externos”) era conforme com a particular relação de Ratzinger com as questões históricas: ela remetia para aquela confissão de fé que os cinco primeiros séculos helenistas conformaram, altura em que a teologia dogmática adquiria a sua forma clássica. Deste modo, esta dogmática ‒ que irá entrar em força ao serviço ‒ inspirava confiança, estabilidade e oferecia um novo impulso à Instituição romana. Joseph Ratzinger é alemão e é um grande teólogo. Ratzinger é também o preferido de Karol Wojtyla. O espírito renovador do Concílio Vaticano II poderá esperar, enquanto a cadeira da Congregação para a Doutrina da Fé não for ocupada pelo “partido alemão”, o garante da consolidação teológica do “modelo placo” de evangelização. Urge, então. Não há tempo a perder. A “restauração” estará prestes a entrar em marcha. Três anos apenas após a nomeação de Karol Wojtyla como Papa (1978), Ratzinger é nomeado prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (1981). Em 1984, J. Ratzinger dá uma extensa entrevista em que expõe o seu ideário. O jornalista Vittorio Messori regista as ideias de Ratzinger; o historiador Giancarlo Zízola lê-as e comenta-as:

Agora [cf. a entrevista ‘Perché la fede è in crisi’], Ratzinger reconhece tranquilamente e sem-papas na língua, que, de facto, do que se trata é mesmo de ‘restauração’: Se por restauração – diz ele – se entende uma volta atrás, então não é possível restauração alguma: a Igreja caminha para a frente rumo à consumação da História; ela tem o olhar virado para a frente, para o Senhor. Mas, se por restauração entendemos a procura de um novo equilíbrio, passados os exageros provocados por uma abertura indiscriminada ao mundo e passadas as interpretações demasiado positivas de um mundo agnóstico e ateu, então, certamente que essa restauração é desejável e, na verdade, já está em marcha“. (sublinhado do autor)

Diz Ratzinger: ‘Os resultados que se seguiram ao Concílio parecem opor-se cruelmente às esperanças de todos, começando pelas do Papa João XXIII e, depois, pelas de Paulo VI. Os cristãos voltaram a ser minoria, o que já não se via desde os fins da Antiguidade. (…) Temos de ser realistas.’ (Informe sobre la fe, BAC, 2005, pp. 35 e 45).

“O cardeal faz um balanço inteiramente negativo do Concílio. Diz ele:Esperava-se uma nova unidade católica e deparamo-nos com o dissentimento, o qual, para usar as palavras do Papa Montini, parece ter passado da crítica à autodestruição. Tínhamos a expectativa de um salto para a frente e deparamo-nos com um processo progressivo de decadência’. E acrescenta:O problema dos anos sessenta era poder dar como adquiridos os melhores valores expressos pelos anteriores séculos de cultura ‘liberal’. Sem dúvida que existem valores que, embora nascidos fora dos muros da Igreja Católica, podem nela encontrar um lugar – desde que depurados e corrigidos – dando o seu contributo para uma visão do mundo. Até certo ponto, foi isto que aconteceu. Porém, chegados a este momento, verificamos que o clima é totalmente diferente: piorou muito, sobretudo no que diz respeito às razões para o optimismo que o antecedeu, optimismo talvez ingénuo. Impõe-se agora, portanto, procurar novos equilíbrios’”.

 

A necessidade absoluta de um centro

Karl Rahner, um dos grandes pensadores católicos do século XX: “A Igreja una do futuro não será naturalmente a Igreja romana católica na forma em que actualmente existe.” Pintura de Letizia Mancino Cremer

Letizia Mancino Cremer, Karl Rahner, um dos grandes pensadores católicos do século XX: “A Igreja una do futuro não será naturalmente a Igreja romana católica na forma em que actualmente existe.” 

 Tudo aquilo que, na Igreja, vá no sentido do pensamento divergente, no sentido do “fragmentário” que procura a reconquista das próprias raízes e o sentido das culturas plurais, as identidades históricas, representa, aos olhos do responsável pelo ex-Santo Ofício, um perigo imediato. Nem as teologias latino-americanas da libertação nem as africanas nem as asiáticas, que no horizonte católico estão a surgir com crescente autonomia e consciência de si, se livram de riscos: “O perigo está – diz Ratzinger – em que, em nome de uma negritude de contornos incertos, seja esquecida a unidade católica.” Se o catolicismo se descentra do modelo e se reveste de multipolaridade, Ratzinger impõe-lhe a necessidade de um centro: “A fé fracciona-se numa série de escolas e correntes. Saiu derrotado o serviço à verdade que o dogma garantia. Certas tendências parecem indicar que algumas inculturações ou indigenizações apressadas poderiam conduzir o catolicismo que agora conhecemos a novas religiões”.

Esta mesma realidade, porém, tinha sido lida há bem pouco tempo de um modo positivo pelo teólogo Karl Rahner, o jesuíta que muitos consideram o maior pensador católico do século XX. “A Igreja una do futuro – disse Rahner, numa entrevista em 1984, um ano antes de morrer, a G. Zizola – não será naturalmente a Igreja romana católica na forma em que actualmente existe. E essa Igreja una do futuro terá um pluralismo legítimo, um pluralismo maior que aquele que existia e ainda existe no catolicismo italiano actual. Na perspectiva de um maior pluralismo do futuro, o pluralismo actual das confissões cristãs não está tão distante assim desta Igreja una do futuro” (K. Rahner, “Se vedessi Reagen gli direi che non sono d’accordo”, entrevistado por Giancarlo Zízola em “Panorama Mese”, Setembro de 1984, p. 55).

O mesmo autor escreve no seu livro La Restauración del Papa Wojtyla [Ediciones Cristiandad]: “Acontece que é precisamente essa teoria de Rahner aquela que, sem a nomear, constitui, para Ratzinger, o objecto da sua crítica cardinalícia: a tese do ‘cristianismo anónimo’ e, por conseguinte, a possibilidade de salvação reconhecida para lá das muralhas institucionais. Essa teoria ‘foi demasiada vezes repetida’, diz o cardeal [Ratzinger]. Por sua vez, ele deplora que ‘se tenha chegado a dizer que a Graça intervém sempre quando alguém não crente em religião alguma ou um seguidor de uma religião qualquer se aceite a si mesmo como Homem […]. Glorificaram-se, igualmente, os valores das religiões não cristãs, que alguns teólogos apresentam como vias ordinárias em vez de extraordinárias de salvação’. Se o Concílio tinha reconhecido as religiões não cristãs como um caminho da Graça, Ratzinger não duvida em liquidá-las como ‘regimes de terror, instrumentos de satanás. O protocolo cultural − digamos, a epistemologia −, que determina o discurso é o mesmo de Bonifácio VIII: “Extra Ecclesia nec salus est nec remissio peccatorum” (“Unam Sanctam”, 1302).

“(…) o surgimento do livro Introdução ao Cristianismo representa uma viragem – no sentido da involução – na trajectória de Ratzinger Abandona a revista Concilium e participa na fundação da revista teológica Communio, mediante a qual reforçará o seu vínculo a um círculo político-religioso retrógrado. Em 1971 – continua Giancarlo Zízola – as suas obras já se encontravam no catálogo da Jaka Book, a editora milanesa vinculada aos meios ligados à Comunhão e Libertação e a importantes fundações culturais da Baviera straussiana. Ratzinger assume um distanciamento formal face às teorias de Karl Rahner e declara as suas reservas quanto ao desenvolvimento de uma teologia ecuménica. (…) “Em 1975 (…) promulga oficialmente (…) os pontos-chave da restauração que constituem a magna carta do avanço dos retrógrados da Igreja. ‘Uma reforma real da Igreja – diz Ratzinger – pressupõe um abandono total dos caminhos equivocados, que, entretanto, conduziram a consequências indiscutivelmente catastróficas  (…) é preciso trabalhar de modo que seja separado o espírito (ou seja, o Concílio vivido na sua essência espiritual e teológica) do anti-espírito’.”

Para que tal programa possa ser realizável, Ratzinger indica algumas intervenções bem precisas: em primeiro lugar, uma revisão da reforma litúrgica. ‘Devemos opor-nos muito decididamente contra tudo o que se tem feito até hoje numa submissão ao esmagamento racionalista, aos discursos moles e ao infantilismo pastoral, que degradam a liturgia ao nível dos homens do campo e que a procura reduzir ao nível do comic. Igualmente, as reformas já efectuadas, especialmente no que diz respeito ao ritual, devem ser reexaminadas uma vez mais, a partir destes pontos de vista’“.

 

Bento XVI duplamente vitorioso

Bento XVI numa celebração no Vaticano. Foto © DR

“Ratzinger afastou-se e saiu duplamente vitorioso”. Foto © Direitos reservados.

 

Ratzinger afastou-se. Creio que Bento XVI saiu duplamente vitorioso: com a sua renúncia, viu-se livre das dores de cabeça do cargo papal (do mesmo modo como sempre soube ver-se livre das confusões…) ao mesmo tempo que, com a sua vasta e complexa obra teológica, unia à sua volta uma mole incomensurável de “hierarcas”, arraia miúda e graúda, uma multidão imensa de fiéis que à roda do planeta adoravam o seu Deus. Lembremos que, já bem para lá dos noventa anos e “vizinho emérito” na porta ao lado do seu sucessor, foi capaz de se bater com muita força contra a eventualidade da abolição da obrigatoriedade do celibato sacerdotal. (“Des profondeurs de nos cœurs”: les explications du cardinal Sarah”, Aleteia.fr, 14/01/2020)

Golpe de teatro no Vaticano: cardeal Sarah diz que Ratzinger sabia de tudo, este nega

Ratzinger cultivara uma mente brilhante e, ao mesmo tempo, delirante. A amálgama terminológica e a hermenêutica neoescolástica sempre lhe deram jeito. Estou profundamente convicto de que hoje em dia ninguém será capaz de entender o que Ratzinger se esforçou por explicar ao longo das páginas 101-122, sob o título “As mulheres. Uma mulher” (Informe Sobre la Fe, de Vittorio Messori, Madrid, BAC Popular, 2005). Estas elucubrações ficarão para a História de um catolicismo delirante, em pleno século XX (ex.: “Ao afirmarmos que a diferença sexual é uma realidade secundária e, portanto, negando o próprio corpo como encarnação do Espírito num ser sexuado, despojamos a mulher não só da maternidade, mas também da livre escolha da virgindade, e isto, tendo em atenção que o homem não pode procriar nem pode ser virgem a não ser ‘imitando’ o exemplo da mulher virginal. Por esta via, a mulher assumiria um altíssimo valor de ‘signo’ e de ‘exemplo’ para o resto da humanidade”). Só uma mente brilhante e delirante como a do teólogo bávaro para nos fazer voar tão para lá das nuvens…

Bento XVI numa eucaristia. Foto © DR

Bento XVI durante uma celebração de Quinta-Feira Santa: “Ratzinger renunciou, mas não renunciou ao combate pela ‘religião vinda do alto’. Para ele, a distância faz de mediação.” Foto: Direitos reservados.

J. Ratzinger renunciou, mas não renunciou ao combate pela ‘religião vinda do alto’. É que um padre, não é apenas vigário de Cristo feito Homem: é vigário de Deus! E Deus é para Bento XVI uma “norma do alto” que fica acima do “aberto”, uma espécie de Santo Agostinho de uma única cidade, a Cidade de Deus, e que, por isso, “está contra todas as outras cidades” (cf. ideia, defendida pelo teólogo Ratzinger, de que os cristãos − caso se assumam em pleno − têm de “estar sempre contra o mundo”). Para o teólogo bávaro, a encarnação só se realiza no hierático sacerdotal: tudo o que há de mistério divino pára nessa linha vermelha que tudo separa … porque, em religião, sem separação e distinção não há nem identidade divina nem partícipe da Santidade. Com Ratzinger, a “casta sacerdotal” reabilitou a tribo [israelita] de Levi. Para Ratzinger, a distância faz de mediação, assim como a lonjura estranha a compaixão imanente, o ritual mascara ‘Deus-Pai-e-Mãe’ e o começo (archè) faz de fim (thelos).

A história mostra como este ‘poder tão especial’ (divinal) diante dos homens se auto-protege e se defende através de mil instituições humanas religiosamente justificadas, como é o caso da ‘casta’, da ‘família sacerdotal’ e dos sistemas de não-transferibilidade que asseguram que ninguém possa apropriar-se dessa ‘honra’ a não ser que seja ‘eleito’ (ordenado) pela Divindade. Estas instituições não assentam apenas numa lógica de ‘desejo sincero de pureza religiosa’, mas também porque o tipo de poder sacerdotal nelas implicado arrasta toda uma série de vantagens materiais. S. Paulo reconheceu o direito dos ministros veterotestamentários a ‘viver do altar’ (1 Coríntios 9, 13: ‘Não sabeis que aqueles que desempenham funções sagradas vivem dos proventos do templo, e os que servem ao altar participam do que se oferece sobre o altar?’). Aristóteles afirmou que a metafísica podia ter nascido no Egipto, porque ali os sacerdotes tinham uma vida mais que garantida… E, nesta linha, quem hoje for visitar as ruínas de Teotihuacan, no México, verá que as ruínas melhor conservadas são as casas dos sacerdotes (as que estão mais perto das pirâmides), precisamente por terem sido as mais escrupulosamente bem construídas…” (J. I. González Faus, “Hombres de la Comunidad”, p. 13)

O ritual da ordenação, em si, não reveste ninguém de santidade divina para sempre nem pode obrigar a separar. A santidade divina é uma tarefa universal e para toda a vida de todos os seres humanos, sejam eles baptizados, ou não; ela nunca está garantida. Foi por ter assumido tudo isto que Jesus foi crucificado. Com o seu resgate por parte do Pai de compaixão, introduziu-se no mundo a relatividade, a perturbação insegura do ser-cristão e a paz daqueles que depositam toda a confiança numa Vida Íntegra, nunca coberta por apólice espiritual alguma.

Em conclusão: foi esta a tentativa tedesco-polaca de reversão do “errado” espírito conciliar, que “visou corrigir os teólogos progressistas, marxistas e até o próprio Jesus…” − como reza a célebre anedota curial. A religião mais antiga do mundo é, de facto, o polimento do eterno até que o eterno fique imóvel a brilhar num esplendor que é só seu. Foi esta a tentativa de restauração-na-contramão levada a cabo pela dupla Wojtyla-Ratzinger. Depois do sobressalto que o Concílio trouxe, esta tentativa acabou como acabou: com um cisne a cantar o seu canto no fundo de um abismo de pessimismo.

 

Paulo Bateira é cristão na cidade do Porto

 

Nota – A expressão “paradigma ascético-estático” devo-a a Juan José Tamayo

O texto foi actualizado no dia 4/1 às 16h30: cortada a referência do início às datas e circunstâncias da refeição no restaurante, por conter elementos erróneos. 

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This