Jovem saudita barrica-se na Tailândia com medo de morrer se for deportada

| 7 Jan 19

Foto publicada no Twitter de Rahaf Mohammed al-Qunun barricada no seu quarto de hotel no aeroporto de Banguecoque.

Rahaf Mohammed al-Qunun, uma rapariga saudita de 18 anos barricou-se no seu quarto de hotel na Tailândia, após ter sido detida e ter a sua entrada no país ter sido recusada. A jovem fugiu de casa para tentar escapar à sua família, que a sujeitou a abusos físicos e psicológicos, contou ao The Guardian: “A minha família é muito severa: trancaram-me no meu quarto durante seis meses apenas por cortar o cabelo.” Rahaf renunciou recentemente ao islão e por isso tem a certeza que irá para a prisão e será morta, mal regresse à Arábia Saudita.

A jovem fez escala na Tailândia no sábado, 5 de janeiro, com bilhete de avião para a Austrália, mas o seu passaporte foi retirado por um oficial da Arábia Saudita à chegada. No domingo, as autoridades anunciaram que a mulher seria deportada por não ter os requerimentos para um visto tailandês, apesar de ela não o querer – pois tinha um visto para a Austrália.

À BBC, Phil Robertson, diretor do Human Rights Watch na Ásia, explicou: “Parece que o Governo tailandês está a fabricar uma história acerca do visto, de modo a cooperar com as autoridades da Arábia Saudita.”

Esta segunda-feira, dia 7, Rahaf al-Qunun tentou fugir para a Austrália mas as autoridades tailandesas impediram-na. A saudita barricou-se, então, num quarto de hotel dentro do aeroporto de Banguecoque. O objetivo das autoridades de imigração era colocá-la num voo para o Kuwait às 11h15, hora local (04h15 em Lisboa).

No Twitter, Rahaf divulgou um vídeo em que pede auxílio: “Apelo a todas as pessoas que se encontram na zona de trânsito em Banguecoque para protestarem contra a minha deportação.”

Como plano de contingência, Rahaf pediu a vários amigos que se encarregassem da sua conta daquela rede social. A rapariga afirma que não sairá do quarto até se encontrar com algum representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

A Tailândia não é signatária da Convenção de Refugiados das Nações Unidas. Por isso, não oferece proteção legal a quem procura asilo, apesar de haver mais de 100 mil refugiados no país. 

As religiões na Arábia Saudita e a liberdade religiosa nesse país. Fonte: AIS

Segundo o relatório da Liberdade Religiosa no Mundo, de 2018, publicado pela Ajuda à Igreja que Sofre, na Arábia Saudita a situação é de perseguição, algo que se mantém inalterado há largos anos. A liberdade religiosa não é nem reconhecida nem protegida, sendo a conversão ou renúncia ao islão considerada apostasia, legalmente punível pela morte.

Nesse país, as mulheres estão sujeitas a um guardião masculino, o que significa que precisam de permissão de um homem para trabalhar, viajar, casar, abrir uma conta bancária ou até sair da prisão. “Se a jovem não quiser partir, ela não será enviada contra a sua vontade” para a Arábia Saudita, disse o major-general Surachate Hakparn, responsável pelos serviços de imigração da Tailândia, acrescentando que a saudita irá encontrar-se com representantes do ACNUR.

Breves

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

Pessoas

Os “valores cristãos” de Jorge Sampaio, segundo o patriarca de Lisboa

Funeral do antigo Chefe de Estado

Os “valores cristãos” de Jorge Sampaio, segundo o patriarca de Lisboa

Os valores que o Presidente Jorge Sampaio viveu na sua vida pública eram “com certeza” valores “essencialmente cristãos”, disse o cardeal-patriarca de Lisboa, a propósito da acção política do antigo Presidente da República. Sábado ao final da manhã, na fila no meio de outros cidadãos para velar o corpo de Sampaio, o patriarca disse, em declarações à RTP, que os princípios da “solidariedade, atenção a todos, sobretudo os mais pobres, os mais excluídos, e a preocupação não apenas pelo que está próximo” mas também por quem está mais longe, “tudo isso é essencialmente cristão”.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Caminhar juntos, lado a lado, na mesma direcção novidade

Vem aí o Sínodo, cuja assembleia geral será em outubro de 2023, já depois da Jornada Mundial da Juventude, a realizar em Lisboa, no verão anterior. O tema é desafiante: Para uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão. O documento preparatório veio a público a 7 de setembro e lança as bases de um caminho a percorrer juntos.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Deixem o vice-almirante em paz!

Só há uma coisa de que as pessoas gostam mais do que de fabricar heróis, é deitá-los por terra na primeira curva da estrada. Se Gouveia e Melo cair na asneira de entrar na política vai arrepender-se depressa.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This