Com exceção do Líbano

Jovens árabes cada vez mais voltados para a religião

| 17 Jul 2022

Jovens em oração. Foto © truthseeker08 | Pixabay

Aumento da prática religiosa pode ter a ver com o efeito da pandemia junto dos jovens e as interrogações que surgiram. Foto © truthseeker08 | Pixabay

 

Uma sondagem para a BBC junto dos jovens com menos de 30 anos nos países árabes do Norte de África indica que está a crescer o interesse pela religião e pela prática religiosa.

O estudo, baseado numa amostra aleatória de 23 mil pessoas, repetiu um outro de teor semelhante feito no final de 2018 e princípios de 2019, e foi levado a cabo pela rede Arab Barometer, por solicitação do serviço público de media do Reino Unido. Os resultados acabam de ser publicados pelo site de língua francesa da BBC News.

Ainda que a queda da categoria ‘sem religião’ não seja elevada, ela representa uma inversão de tendência relativamente à última recolha de informação, em que se tinha notado um crescimento de 18 por cento de jovens que se declaravam sem religião. A Tunísia, o Egito e Marrocos lideram as percentagens de baixas dos que se declaram sem religião.

Mohamed Gouili, professor de sociologia da Universidade de Tunes, ouvido pelo operador britânico explica o crescente interesse relativamente à religião e às práticas religiosas pela retirada de correntes muçulmanas extremistas, conjugada com a pandemia e as interrogações sobre a existência, que ela veio colocar.

Já no caso do Egito, para Nabil Abdel-Fattah, conselheiro do Centro Al-Ahram de Estudos Políticos e Estratégicos, o factor mais relevante para a mudança relativamente à religião “é o agravamento da crise económica, assim como a grave deterioração da educação”. Em comentário recolhido pela BBC, aquele especialista salientou o desvanecimento das esperanças juvenis da chamada Primavera Árabe, no plano político e de ascensão social.

Gouili está atualmente a fazer um estudo sobre a diversidade religiosa dos jovens na Tunísia. No trabalho de campo já realizado, observou que há uma percentagem significativa de jovens tunisinos que se converteram do islamismo a outras religiões, nomeadamente as cristãs, como o catolicismo e o protestantismo. Trata-se, segundo refere, de escolhas assumidas por jovens que entendem ter o direito de dar a conhecer as suas opções, sejam elas o regresso à religião de seus pais seja a opção por uma religião diferente da de seus pais.

A única exceção à tendência do conjunto de países estudados registou-se no Líbano, país em que três em cada dez jovens com menos de 30 anos se declara sem religião, um aumento de 13 por cento relativamente a 2018.

Um académico especialista de Estudos Religiosos de Beirute consultado pela BBC apontou também a crise económica e política, como fator explicativo, e, com ela, “o declínio de todas as razões para viver decentemente entre os libaneses”.  Mas também, acredita ele, o sistema de confissões religiosas, que influenciam os órgãos de poder, em que o país vive há décadas”.

 

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade novidade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Transumanismo

Transumanismo novidade

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

Vice-presidente esclareceu em conferência

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

A construção das infraestruturas nos quatro espaços da cidade de Lisboa conde irão decorrer os principais momentos da Jornada Mundial da Juventude irá custar à autarquia da capital 35 milhões de euros. O vice-presidente da Câmara, Filipe Anacoreta Correia, apresentou os detalhes desse investimento numa conferência de imprensa que decorreu esta quarta-feira, 25 de janeiro, no Parque Tejo, um dia depois de o Observador ter divulgado que a construção do “altar-palco”, onde decorrerão a vigília e missa de encerramento da jornada, foi adjudicada por 4,2 milhões. O autarca, que tem o pelouro da JMJ na vereação lisboeta, garante que este palco “corresponde àquilo que é o pedido pelo promotor” da Jornada e que, face aos requisitos exigidos pela Fundação JMJ e pela Santa Sé, foi escolhida a proposta com o melhor preço.

Francisco, a homossexualidade, o crime e o pecado

Entrevista do Papa à AP

Francisco, a homossexualidade, o crime e o pecado

A polémica gerada pelas declarações do Papa Francisco sobre a homossexualidade, na entrevista que concedeu à agência Associated Press (AP), não nasceu do facto de ele ter dito que a Igreja e todos os bispos deviam denunciar como “injusta” qualquer lei que criminalize ou discrimine pessoas LGBT, mas sim daquilo que ele não disse: ser homossexual é um pecado. O Papa referiu-se também ao Caminho Sinodal Alemão como um processo ideológico, censurou o “hábito” de todo o cidadão ter uma arma, referiu as críticas de que tem sido alvo como sendo naturais e afirmou que se renunciasse acabaria os seus dias retirado como bispo emérito de Roma.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This