Com exceção do Líbano

Jovens árabes cada vez mais voltados para a religião

| 17 Jul 2022

Jovens em oração. Foto © truthseeker08 | Pixabay

Aumento da prática religiosa pode ter a ver com o efeito da pandemia junto dos jovens e as interrogações que surgiram. Foto © truthseeker08 | Pixabay

 

Uma sondagem para a BBC junto dos jovens com menos de 30 anos nos países árabes do Norte de África indica que está a crescer o interesse pela religião e pela prática religiosa.

O estudo, baseado numa amostra aleatória de 23 mil pessoas, repetiu um outro de teor semelhante feito no final de 2018 e princípios de 2019, e foi levado a cabo pela rede Arab Barometer, por solicitação do serviço público de media do Reino Unido. Os resultados acabam de ser publicados pelo site de língua francesa da BBC News.

Ainda que a queda da categoria ‘sem religião’ não seja elevada, ela representa uma inversão de tendência relativamente à última recolha de informação, em que se tinha notado um crescimento de 18 por cento de jovens que se declaravam sem religião. A Tunísia, o Egito e Marrocos lideram as percentagens de baixas dos que se declaram sem religião.

Mohamed Gouili, professor de sociologia da Universidade de Tunes, ouvido pelo operador britânico explica o crescente interesse relativamente à religião e às práticas religiosas pela retirada de correntes muçulmanas extremistas, conjugada com a pandemia e as interrogações sobre a existência, que ela veio colocar.

Já no caso do Egito, para Nabil Abdel-Fattah, conselheiro do Centro Al-Ahram de Estudos Políticos e Estratégicos, o factor mais relevante para a mudança relativamente à religião “é o agravamento da crise económica, assim como a grave deterioração da educação”. Em comentário recolhido pela BBC, aquele especialista salientou o desvanecimento das esperanças juvenis da chamada Primavera Árabe, no plano político e de ascensão social.

Gouili está atualmente a fazer um estudo sobre a diversidade religiosa dos jovens na Tunísia. No trabalho de campo já realizado, observou que há uma percentagem significativa de jovens tunisinos que se converteram do islamismo a outras religiões, nomeadamente as cristãs, como o catolicismo e o protestantismo. Trata-se, segundo refere, de escolhas assumidas por jovens que entendem ter o direito de dar a conhecer as suas opções, sejam elas o regresso à religião de seus pais seja a opção por uma religião diferente da de seus pais.

A única exceção à tendência do conjunto de países estudados registou-se no Líbano, país em que três em cada dez jovens com menos de 30 anos se declara sem religião, um aumento de 13 por cento relativamente a 2018.

Um académico especialista de Estudos Religiosos de Beirute consultado pela BBC apontou também a crise económica e política, como fator explicativo, e, com ela, “o declínio de todas as razões para viver decentemente entre os libaneses”.  Mas também, acredita ele, o sistema de confissões religiosas, que influenciam os órgãos de poder, em que o país vive há décadas”.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This