Inquérito do PontoSJ

Jovens dizem que Igreja não ajuda à sexualidade e pedem mais participação

| 2 Abr 2022

Jovens numa celebração que vai preparando o caminho para a Jornada Mundial da Juventude, na diocese de Portalegre-Castelo Branco. Foto © COD Portalegre-Castelo Branco/Agência Ecclesia.

Jovens numa celebração de preparação da Jornada Mundial da Juventude, na diocese de Portalegre-Castelo Branco: os 612 integram, na esmagadora maioria, dinâmicas de grupo e de participação na Igreja. Foto © COD Portalegre-Castelo Branco/Agência Ecclesia.

 

Mais de 600 jovens e jovens adultos entre os 15 e os 35 anos, na sua maioria católicos, dizem que a Igreja pouco ou nada os ajuda na vivência da sua afectividade e sexualidade, embora considerem que sentem apoio da instituição nas dimensões mais significativas da sua vida.

Um inquérito digital promovido em Fevereiro pelo PontoSJ, o portal dos jesuítas em Portugal, para aferir opiniões de jovens sobre um conjunto de temas, concluiu ainda que praticamente metade dos 612 que responderam (48,4%) se sentem “muito ajudados pela Igreja” no que respeita ao aprofundamento da fé e 36,9% tem a mesma resposta positiva em relação ao autoconhecimento. Ainda sobre as ajudas que sentem, 38,1% dos respondentes diz sentir ajuda na tomada de boas decisões e 33,5% afirma o mesmo sobre a vivência das relações familiares.

No campo da afectividade e sexualidade, as respostas são negativas: quase 36% dos inquiridos considera que a Igreja pouco ou nada os ajuda na vivência daquelas questões.

Por outro lado, 13,4% considera que não é ajudada pela Igreja a lidar com as suas grandes preocupações, entre as quais a inquietação face ao futuro, com a vida familiar e os temas relacionados com a vocação e o discernimento.

O inquérito, lançado no início de Fevereiro, duas semanas antes da invasão da Ucrânia pela Rússia, pretendia “saber o que pensam os jovens sobre a Igreja e sobre o modo como ela os acompanha”, lê-se no texto que divulga os resultados. Um dos objectivos é também que os resultados constituam um contributo para o Sínodo dos Bispos.

Entre as diferentes faixas etárias, o maior número de respostas (mais de um terço, 34,3%) teve origem nos mais novos, entre os 15 e os 18 anos. A seguir, quem mais respondeu foram os jovens adultos entre os 26 e os 30 anos (19,8%). Com percentagens próximas, estão as faixas etárias entre os 19-21 anos (15,8%), os 22-25 (15,4%) e os 31-35 anos (14,7%).

A maior parte das respostas teve origem na região de Lisboa (37%), mas as respostas têm origem em mais de 100 localidades diferentes. Dezasseis pessoas, metade das quais no Brasil, responderam de fora de Portugal.

A esmagadora maioria dos respondentes (78%) tem alguma participação activa na Igreja: 30,4% são catequistas ou participam na catequese, 18% estão em grupos de jovens, 14,8% integram os escuteiros, 9,8% fazem parte de algum coro litúrgico, 5% estão em Grupos de Vida Cristã ou nas Equipas de Jovens de Nossa Senhora, 4,4% são acólitos e 3,8% exercem algum tipo de voluntariado.

Os resultados mais completos do inquérito podem ser consultados na página do PontoSJ já referida, que disponibiliza também vários gráficos que complementam essa informação.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This