Inquérito do PontoSJ

Jovens dizem que Igreja não ajuda à sexualidade e pedem mais participação

| 2 Abr 2022

Jovens numa celebração que vai preparando o caminho para a Jornada Mundial da Juventude, na diocese de Portalegre-Castelo Branco. Foto © COD Portalegre-Castelo Branco/Agência Ecclesia.

Jovens numa celebração de preparação da Jornada Mundial da Juventude, na diocese de Portalegre-Castelo Branco: os 612 integram, na esmagadora maioria, dinâmicas de grupo e de participação na Igreja. Foto © COD Portalegre-Castelo Branco/Agência Ecclesia.

 

Mais de 600 jovens e jovens adultos entre os 15 e os 35 anos, na sua maioria católicos, dizem que a Igreja pouco ou nada os ajuda na vivência da sua afectividade e sexualidade, embora considerem que sentem apoio da instituição nas dimensões mais significativas da sua vida.

Um inquérito digital promovido em Fevereiro pelo PontoSJ, o portal dos jesuítas em Portugal, para aferir opiniões de jovens sobre um conjunto de temas, concluiu ainda que praticamente metade dos 612 que responderam (48,4%) se sentem “muito ajudados pela Igreja” no que respeita ao aprofundamento da fé e 36,9% tem a mesma resposta positiva em relação ao autoconhecimento. Ainda sobre as ajudas que sentem, 38,1% dos respondentes diz sentir ajuda na tomada de boas decisões e 33,5% afirma o mesmo sobre a vivência das relações familiares.

No campo da afectividade e sexualidade, as respostas são negativas: quase 36% dos inquiridos considera que a Igreja pouco ou nada os ajuda na vivência daquelas questões.

Por outro lado, 13,4% considera que não é ajudada pela Igreja a lidar com as suas grandes preocupações, entre as quais a inquietação face ao futuro, com a vida familiar e os temas relacionados com a vocação e o discernimento.

O inquérito, lançado no início de Fevereiro, duas semanas antes da invasão da Ucrânia pela Rússia, pretendia “saber o que pensam os jovens sobre a Igreja e sobre o modo como ela os acompanha”, lê-se no texto que divulga os resultados. Um dos objectivos é também que os resultados constituam um contributo para o Sínodo dos Bispos.

Entre as diferentes faixas etárias, o maior número de respostas (mais de um terço, 34,3%) teve origem nos mais novos, entre os 15 e os 18 anos. A seguir, quem mais respondeu foram os jovens adultos entre os 26 e os 30 anos (19,8%). Com percentagens próximas, estão as faixas etárias entre os 19-21 anos (15,8%), os 22-25 (15,4%) e os 31-35 anos (14,7%).

A maior parte das respostas teve origem na região de Lisboa (37%), mas as respostas têm origem em mais de 100 localidades diferentes. Dezasseis pessoas, metade das quais no Brasil, responderam de fora de Portugal.

A esmagadora maioria dos respondentes (78%) tem alguma participação activa na Igreja: 30,4% são catequistas ou participam na catequese, 18% estão em grupos de jovens, 14,8% integram os escuteiros, 9,8% fazem parte de algum coro litúrgico, 5% estão em Grupos de Vida Cristã ou nas Equipas de Jovens de Nossa Senhora, 4,4% são acólitos e 3,8% exercem algum tipo de voluntariado.

Os resultados mais completos do inquérito podem ser consultados na página do PontoSJ já referida, que disponibiliza também vários gráficos que complementam essa informação.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This