JRS defende controlo do Mediterrâneo pelas instituições europeias

| 3 Set 19

André Costa Jorge, diretor do JRS-Portugal. Foto © Ponto SJ

“O controlo do Mar Mediterrâneo deverá ser feito pelas instituições europeias como forma de combater o tráfico humano e a distorcida criminalização da ajuda humanitária”, defende o diretor do Serviço Jesuíta para os Refugiados (JRS, da sigla inglesa), André Costa Jorge a propósito do debate sobre o navio da Open Arms que navegava com 147 pessoas a bordo.

Os refugiados, que tinham sido resgatados ao largo da Líbia, foram depois acompanhados por um navio da Marinha espanhola, que navegou até Lampedusa e apoiou a seguir a embarcação da Open Arms na viagem até Palma de Maiorca.

O diretor do JRS recorda que aquelas pessoas deixaram para trás as suas casas, familiares e amigos para fugir à guerra, à fome e à miséria que ocorre nos seus países de origem e hoje alimentam a esperança de um futuro promissor. “Urge recordar o sincero apelo do Papa Francisco à comunidade internacional para que esta aja com rapidez e determinação, evitando estas frequentes tragédias que a atual crise migratória comporta.” O desfecho da situação deste navio deve levar à reflexão profunda sobre as deficiências no sistema de apoio humanitário, as leis de asilo europeias e as reticências de vários governos em prestar auxílio aos migrantes, defende o diretor do JRS em Portugal, no texto publicado no Ponto SJ.

“Desta forma, torna-se cada vez mais importante uma Política Comum de Asilo e Migração mais forte e proactiva que não deixe nas mãos das ONGs aquilo que lhe cabe a si” afirma, acrescentando ainda que “o controlo do Mediterrâneo central deverá ser feito pelas instituições europeias, como meio de combate ao tráfico humano e à distorcida criminalização da ajuda humanitária.

No mesmo texto, André Jorge diz que é necessária uma resposta coordenada: “Impõe-se, de igual modo, uma resposta europeia mais solidária que alivie os Estados-membros fronteira no processo de acolhimento e evite os sentimentos de injustiça e vitimização que as populações dos países cuja localização geográfica mais se avizinha das rotas comuns sentem.”

André Costa Jorge recorda ainda que o Parlamento Europeu já está preparado, desde novembro de 2017, “para negociar a revisão do sistema de Dublin”, que estabelece uma maior responsabilidade dos países do Sul da União Europeia, no acolhimento aos refugiados – sistema que teme merecido críticas da Itália. O demissionário Governo italiano, lembra ainda o diretor do JRS, não participou, no entanto, em negociações recentes que tentavam resolver este impasse. “O Serviço Jesuíta para os Refugiados apela, assim, a que os Estados-membros se empenhem em atingir um consenso que equilibre esta distribuição [dos refugiados] e que termine com a instrumentalização de vidas humanas sobre a mesa de negociações que hoje se revela ser o Mediterrâneo.”

(Foto de capa: Operação de resgate de refugiados no Mediterrâneo. Foto © Rita Gaspar)

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

Deus sem máscaras novidade

Assisti à cerimónia da consagração ao coração de Jesus e ao coração de Maria, proposta pelos bispos de Portugal, Espanha e outros países. Um ponto de partida para reflectir sobre oração e rito.

A ilusão do super-homem

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Cultura e artes

Tagore: Em busca de Deus novidade

Rabindranath Tagore (1861-1941), Nobel de Literatura em 1913, é um grande poeta universal. Indiano, de família principesca, estudou Direito e Literatura, em Inglaterra, em 1877, não chegando a acabar o curso devido à secura do ensino superior ministrado. Tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Sete Partidas

A doença do coronavírus serve de desculpa para tudo? novidade

À boleia da pandemia que nos aflige, vejo coisas a acontecer que não podem deixar de me espantar, pela sua aberração e desfaçatez de quem as pratica. Em meados de fevereiro, em Mullaithivu, no norte do Sri Lanka, foi descoberta uma vala comum enquanto se procedia às escavações para as fundações duma extensão do Hospital de Mankulam. Segundo os médicos legistas, os restos mortais encontrados têm mais de 20 anos.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco