Judeus, cristãos e muçulmanos unidos na condenação do atentado de Viena (e da Etiópia e Afeganistão)

| 4 Nov 2020

Oração. Criança.

Vários líderes religiosos recusaram a linguagem do ódeio e ofereceram as suas orações pelas vítimas. Foto © Albin Hillert/WCC.

 

Judeus austríacos e europeus, o Papa Francisco, os bispos católicos da Áustria, o Conselho Mundial de Igrejas e instituições muçulmanas como a Universidade Al-Azhar. Todos são unânimes na condenação do terrorismo que voltou a matar, desta vez em Viena na segunda-feira à noite, mas também em lugares de que se fala menos como a Etiópia e o Afeganistão.

O ataque junto a uma sinagoga de Viena de Áustria foi condenado por várias instituições judaicas de vários pontos do mundo. Entre eles, o presidente do Congresso Judaico Europeu, Moshe Kantor, disse que “os múltiplos e claramente coordenados ataques terroristas no centro de Viena mostram mais uma vez a ameaça que as organizações terroristas islâmicas representam para as cidades europeias”. E acrescentou, citado pelo Jewish Times: “Nenhum lugar na Europa é imune a ataques terroristas, nem nenhuma comunidade isenta destes actos bárbaros.”

Também o rabi Pinchas Goldschmidt, presidente da Conferência dos Rabinos Europeus, disse que “este cobarde acto de terror é um ataque a todas as pessoas na Europa, aos nossos valores e ao nosso modo de vida”. Também segundo a mesma fonte, Goldschmidt disse que a série de ataques das últimas semanas em França e na Áustria “mostra que precisamos de uma nova política religiosa na Europa que inclua também o aspecto da segurança e permita aos Estados europeus remover o terreno fértil para este extremismo religioso, tanto online como offline“.

Na segunda-feira, 2 de Novembro, cerca das 20h (19h em Lisboa), um homem armado atacou pessoas na rua, junto de várias sinagogas. Dois homens e uma mulher foram mortos e várias pessoas ficaram feridas – uma das quais, um luso-luxemburguês, está fora de perigo. O atirador acabou também a seguir morto pela polícia.

No Vaticano, o Papa manifestou a sua “dor e consternação” pelo ataque terrorista dizendo que reza pelas vítimas e seus familiares. “Chega de violência! Construamos juntos paz e fraternidade. Só o amor apaga o ódio”, escreveu Francisco, na sua conta do Twitter.

O arcebispo católico de Viena, cardeal Christoph Schönborn, disse que “o ódio não deve ser uma resposta a este ódio cego”. Em declarações à televisão ORF, citadas pela agência SIR, Schönborn acrescentou que “o ódio só gera novo ódio” e que essa seria a forma errada de reagir aos acontecimentos de segunda-feira.

“Continuem no caminho da solidariedade, da comunidade e do respeito mútuo. Estes são valores que moldaram a Áustria”, afirmou o cardeal, que recordou outro ataque terrorista de há 39 anos, quando um grupo terrorista palestiniano atacou a mesma sinagoga Stadttempel, enquanto decorria uma cerimónia de bar mitzvah, com 200 pessoas. “Nunca há qualquer justificação para a violência cega”, acrescentou.

Vários outros bispos católicos austríacos também condenaram a “ideologia desorientada e desumana” por trás do ataque terrorista, como referiu o arcebispo de Salzburgo e presidente da Conferência Episcopal Austríaca, Franz Lackner, citado pelo Novena News.

O atentado foi condenado também por instituições e líderes muçulmanos. Entre eles, o xeque Ahmed al Tayyeb, grande imã da universidade de Al Azhar (um dos principais centros de ensino religioso do islão sunita), apelou a todas as instituições internacionais para se unirem face ao terrorismo e para espalharem a paz pelo mundo. “Matar uma alma é matar toda a humanidade”, afirmou al Tayyeb, citado pela Agenzia Nova, e o direito à vida é um dos objectivos mais importantes de todos os tratados e leis, acrescentou.

Finalmente, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que reúne três centenas e meia de igrejas protestantes e ortodoxas, referiu não só o atentado de Viena, como também acontecimentos semelhantes na Etiópia e no Afeganistão. “O insuportável número de vidas perdidas, e o impacto nas comunidades e nações afectadas, deve envolver a preocupação, solidariedade e acção da comunidade internacional e de todas as pessoas de boa vontade, para conter o derramamento de sangue e enfrentar as brutais ideologias por detrás de tais atrocidades”, escreveu o secretário-geral interino do CMI, Ioan Sauca.

Em comunicado, o responsável recorda um atentado no domingo passado, dia 1, contra a etnia Amharas, na Etiópi, em que terão sido mortas 54 pessoas; e um outro na segunda-feira, em Cabul (Afeganistão), em que atiradores atacaram a maior universidade do Afeganistão, matando pelo menos 19 pessoas e ferindo mais de uma dúzia, no segundo assalto mortal a uma instituição de ensino na cidade, em pouco mais de uma semana.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This