Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

| 11 Ago 2022

Glyn Secker, Secretário da Jewish Voice for Labor, discursa numa manifestação pró-Palestina. Foto © Palestine Solidarity Campaign

Glyn Secker, Secretário da Jewish Voice for Labor, discursa numa manifestação pró-Palestina. Foto © Palestine Solidarity Campaign

 

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

De acordo com a agência Jewish News de dia 11, Secker acusou Israel de ter “assassinado 44 pessoas, incluindo 15 crianças” durante o atual conflito em Gaza e afirmou-se orgulhoso de pertencer a um grupo que defende os “direitos humanos em todos os lugares”, pois “direitos humanos apenas para os judeus são direitos vazios”.

Este é mais um episódio nas difíceis relações entre o Partido Trabalhista e os assuntos judaicos que tiveram o seu ponto alto quando o anterior secretário-geral, Jeremy Corbyn, enfrentou acusações de antissemitismo antes de ser ameaçado de expulsão do partido.

A presidente do Young Labour (juventude trabalhista), Jessica Barnard, também interveio no protesto acusando Israel de travar “uma guerra contra crianças e jovens”, questionando o Governo britânico do Partido Conservador por “mobilizar biliões para apoiar a legítima liberdade dos ucranianos contra o imperialismo russo” e não dar “nem um pequeno passo para apoiar os palestinos”.

Questionada pelo repórter da Jewish News, Jessica Barnard recusou-se a condenar a Jihad Islâmica, ou a pronunciar-se sobre os mortos causados no atual conflito pelos morteiros lançados por aquela organização.

 

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

Dia em Memória das Vítimas assinala-se nesta sexta, 27

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto novidade

“Está mais que provado que a História nos ensina muito pouco!” A frase pode ser desconcertante, ainda para mais vinda de uma historiadora. Neste caso, de Irene Pimentel, premiada investigadora do Instituto de História Contemporânea. Mas, então, valerá a pena continuar a estudá-la e a transmiti-la, particularmente aos mais jovens? Depois do “périplo” que já fez por inúmeras escolas secundárias do país, a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala esta sexta-feira, 27 de janeiro, Irene Pimentel tem a certeza de que sim.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade novidade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Transumanismo

Transumanismo novidade

A corrente de pensamento que se vem sendo designada como transumanismo pretende a superação de todos os limites que pode representar a natureza humana, aumentando as capacidades da espécie transformando-a em algo de distinto e superior (a ponto de, numa vertente mais radical, se transformar numa espécie distinta: o pós-humaníssimo).

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

Vice-presidente esclareceu em conferência

Câmara de Lisboa investe 35 milhões naquilo que “é o pedido” da Igreja para a JMJ

A construção das infraestruturas nos quatro espaços da cidade de Lisboa conde irão decorrer os principais momentos da Jornada Mundial da Juventude irá custar à autarquia da capital 35 milhões de euros. O vice-presidente da Câmara, Filipe Anacoreta Correia, apresentou os detalhes desse investimento numa conferência de imprensa que decorreu esta quarta-feira, 25 de janeiro, no Parque Tejo, um dia depois de o Observador ter divulgado que a construção do “altar-palco”, onde decorrerão a vigília e missa de encerramento da jornada, foi adjudicada por 4,2 milhões. O autarca, que tem o pelouro da JMJ na vereação lisboeta, garante que este palco “corresponde àquilo que é o pedido pelo promotor” da Jornada e que, face aos requisitos exigidos pela Fundação JMJ e pela Santa Sé, foi escolhida a proposta com o melhor preço.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This