Identidade judaica

Judeus europeus: minoria étnica ou religiosa?

| 4 Fev 2022

judeu acende menorah foto pexels

Os investigadores concluíram que os judeus da Europa são mais propensos do que os americanos a seguirem rituais semanais, como o de acender velas todas as sextas-feiras à noite. Foto © Pexels.

 

Os judeus europeus consideram-se uma minoria religiosa e não um grupo étnico, mas veem o antissemitismo e o Holocausto como mais significativos para a definição da sua identidade do que Israel ou Deus, revela um estudo do Institute for Jewish Policy Research, divulgado esta semana e citado na edição de 4 de fevereiro do Jewish News.

O trabalho parte da análise dos dados recolhidos junto de mais de 16.000 judeus, durante o ano de 2018, em 12 países europeus, para, segundo o líder da equipa de investigação, Sergio DellaPergola, “criar uma descrição completa da identidade judaica dos judeus europeus, empregando uma metodologia não ensaiada antes e investigando os diversos modos como os judeus de toda a Europa reconhecem a sua identidade judaica”.

Entre outras conclusões, o estudo sublinha que a identidade judaica é mais forte na Europa ocidental do que no leste europeu, que os judeus mais jovens são mais religiosos e que em Espanha se encontra a percentagem mais elevada de judeus reformistas ou progressistas, enquanto a Bélgica reúne a maior concentração de judeus ortodoxos. Por outro lado, enquanto a maioria dos judeus europeus participa de um Sêder de Pessach e jejua no Yom Kippur, apenas pequenas minorias se alimentam exclusivamente de comida casher, ou frequentam a sinagoga semanalmente.

Comparando com dados recolhidos por um inquérito semelhante realizado em 2013 nos EUA, os investigadores concluem que os judeus da Europa são mais propensos do que os americanos a seguirem rituais semanais, como o de acender velas todas as sextas-feiras à noite.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This