Decisão do governo israelita

Judeus proibidos de entrar no Monte do Templo até ao fim do Ramadão

| 13 Abr 2023

Mesquita de Al-Aqsa, na Esplanada das Mesquitas ou Monte do Templo, em Jerusalém, vista do Monte das Oliveiras. Foto © António Marujo.

 

O governo de Israel proibiu a entrada de judeus no Monte do Templo, em Jerusalém, até ao fim do Ramadão (o mês sagrado para os muçulmanos, que termina a 21 de abril). A decisão foi motivada pela escalada de tensão entre israelitas e palestinianos e pelos confrontos ocorridos na Mesquita de Al-Aqsa, ali localizada, durante a última semana, avança o jornal Jewish News.

O monte é uma área ultrassensível na Cidade Velha em Jerusalém, sendo considerado o local mais sagrado para os judeus (que terminam esta quinta-feira a sua celebração da Páscoa), e o terceiro local mais sagrado do Islão (conhecido pelos muçulmanos como Esplanada das Mesquitas, construída no local do Templo Judaico destruído pelos romanos no ano 70 e cujo mais importante vestígio conhecido é o Muro das Lamentações).

Desde a ocupação de Jerusalém oriental por Israel em 1967, os muçulmanos podem visitar a Esplanada (onde fica a Mesquita de Al-Aqsa, o santuário mais afastado que, segundo a tradição muçulmana, o profeta Maomé terá visitado) a qualquer hora. Os não-muçulmanos devem entrar apenas em determinados horários, sem rezar no local.

Nos últimos anos, aumentou o número de judeus que visitam este espaço e os judeus ultranacionalistas por vezes rezam no local, disfarçadamente.

A tensão tem-se intensificado, com os muçulmanos a temer que o Estado judeu esteja a tentar mudar as regras de acesso à Esplanada das Mesquitas. Sob administração da Jordânia, o acesso à Esplanada é controlado pelas forças israelitas.

Um comunicado do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, refere que ter havido uma “recomendação unânime” das Forças de Defesa de Israel, do ministro da Defesa, Shin Bet, e da Polícia de Israel, que “decidiu proibir os visitantes e turistas judeus de subir ao Monte do Templo até o final do Ramadão”

De referir que este comunicado não foi subscrito pelo ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, apesar de o mesmo ter estado presente na reunião onde foi tomada a decisão. Ben-Gvir, político de extrema-direita, é uma figura proeminente no movimento que pretende expandir a oração judaica no Monte do Templo.

Esta quarta-feira, 12 de abril, os responsáveis das Igrejas cristãs manifestaram igualmente “séria preocupação” com as restrições que a polícia de Israel colocou à celebração da liturgia da luz, na igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém, que terá lugar no próximo sábado, 15 de abril, ponto alto da Páscoa ortodoxa, como o 7MARGENS deu conta numa outra notícia.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses

Sucedendo a José Diogo Ferreira Martins

Psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da Associação dos Médicos Católicos Portugueses novidade

A psiquiatra Margarida Neto é a nova presidente da direção nacional da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP). A médica, que trabalha na Casa de Saúde do Telhal (Sintra) e é uma das responsáveis pelo Gabinete de Escuta do Patriarcado de Lisboa, foi eleita por unanimidade no passado sábado, 13 de abril, para o triénio 2024-2026.

Cristianismo e democracia

Cristianismo e democracia novidade

Em tempo de comemoração dos cinquenta anos da revolução de 25 de abril, penso dever concluir que o maior legado desta é o da consolidação do Estado de Direito Democrático. Uma consolidação que esteve ameaçada nos primeiros tempos, mas que se foi fortalecendo progressivamente. Esta efeméride torna particularmente oportuna a reflexão sobre os fundamentos éticos da democracia. [Texto de Pedro Vaz Patto]

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Alfredo Teixeira em conferência dia 16

A “afinidade” entre a música de intervenção e a mensagem de libertação cristã

Podem algumas canções de intervenção ligadas à Revolução de 25 de Abril de 1974 relacionar-se com o catolicismo? O compositor e antropólogo Alfredo Teixeira vai procurar mostrar que há uma “afinidade” que une linguagem bíblica e cristã à música de Zeca, José Mário Branco, Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Sérgio Godinho e outros.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This