Momento histórico

Judeus turcos voltam a reunir-se na sinagoga de Ancara, 40 anos depois

| 10 Nov 21

sinagoga de ankara, foto esther judah

Localizada em Ulus, um antigo bairro em ruínas da capital da Turquia, a sinagoga de Ancara remonta ao século XIX. Foto © Esther Judah.

 

Há praticamente quatro décadas que os judeus não se reuniam na histórica sinagoga de Ankara (Turquia). Esta semana, importantes membros da comunidade judaica turca, incluindo o rabino chefe Isaak Haleva, marcaram ali encontro para “reavivar memórias” e alertar para a importância da preservação das sinagogas no país, noticiou o Middle East Monitor (MEMO).

Assinalando que os judeus têm atualmente a possibilidade de manter a sua vida social e religiosa na Turquia, Haleva lembrou que as sinagogas são determinantes para a celebração de casamentos e festas religiosas.

Localizada em Ulus, um antigo bairro em ruínas da capital da Turquia, a sinagoga de Ancara remonta ao século XIX. O edifício histórico tem sido mantido fechado durante a maior parte do ano, devido ao cada vez menor número de judeus na cidade, refere o MEMO.

 

Combater bem o mal

Combater bem o mal novidade

Os tempos que se vivem na Igreja Católica suscitam especial dor a todas as pessoas, sejam ou não crentes, provocando revolta em muitos contra um aparentemente imobilismo na resposta a uma crise que já se prolonga por demasiado tempo. A Igreja, enquanto realidade operante no mundo, não ficou imune a este fenómeno transversal à humanidade que é o abuso sexual de menores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This