Hong Kong

Julgamento do cardeal Zen adiado, por entre críticas ao Papa

| 20 Set 2022

Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong

Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong, numa manifestação em 2014: o cardeal tem sido uma voz na defesa da liberdade. Foto Wai Wan Tong/Wikimedia Commons

 

Estava previsto para segunda-feira, 19, o julgamento do cardeal Joseph Zen e mais alguns colaboradores, mas o tribunal de Hong Kong passou a primeira sessão para esta quarta-feira, 21 – embora ainda não haja confirmação oficial da data. O motivo deveu-se ao facto de um dos juízes ter testado positivo ao coronavírus, segundo a agência católica de informação Asia News.

O cardeal, atualmente com 90 anos, tem sido um combatente pelas liberdades civis e religiosa e pela democracia e autonomia de Hong Kong, nos termos em que essa autonomia foi negociada entre a República Popular da China e o Reino Unido – “um país, dois sistemas” – pelo período de 50 anos).

A sua prisão, em maio último, foi feita a pretexto de ter gerido um fundo, não registado, de solidariedade para com movimentos de contestação popular que eclodiram em 2019 no território, em protesto contra uma lei que pretendia abrir a possibilidade de transferir, para a China continental, pessoas imputadas por crimes de segurança nacional, para lá serem julgadas. A par disso, Zen foi igualmente acusado de “conluio com agentes estrangeiros”. Não é ainda claro se a acusação será feita por motivos de segurança nacional ou apenas por prevaricação de não ter registado o fundo solidário.

A Asia News dá conta de que o receio das “repercussões internacionais” de um caso mediático como este terá levado as autoridades chinesas a deixar cair a acusação mais grave.

O episódio ganha, contudo, outros contornos, dado que o cardeal Zen tem sido um crítico contundente e insistente do acordo negociado entre o Vaticano e a China em 2018 e renovado em 2020. Atualmente correm negociações entre as duas partes com vista a uma renovação por mais dois anos.

Neste quadro, tem sido objeto de comentários críticos o facto de o Papa não ter vindo a público apoiar o cardeal, mesmo que apenas por razões humanitárias, não o tendo feito mesmo internamente, no recente consistório em Roma, no qual Zen não pôde estar presente, como denunciaram alguns cardeais.

Na sua coluna na UCA News, Benedict Rogers coloca a questão no quadro mais vasto do acordo entre o Vaticano e a China: “O Papa e o Vaticano têm três opções. Poderiam simplesmente renovar o acordo, sem revisão, sem emendas, sem transparência e sem apelo à mudança. Poderiam, alternativamente, procurar condições para a renovação. Poderiam insistir na libertação do clero católico e numa distensão das restrições à prática religiosa, e o Papa poderia pôr fim ao seu silêncio sobre o genocídio dos uigures, Tibete, Hong Kong e a perseguição dos cristãos.”

O colunista, membro da Comissão do Partido Conservador britânico para os Direitos Humanos, e que tem sido muito crítico da posição do Papa e do Vaticano, sugere ainda, como alternativa: “Ou poderiam dar o arrojado passo de reconhecer que o acordo nada conseguiu e foi prejudicial em muitos aspetos, e suspendê-lo. Realisticamente, é pouco provável que tome essa terceira opção. Mas espero que o Papa e o Vaticano considerem seriamente a opção intermédia, a fim de mitigar os danos causados, recuperar algo da sua autoridade moral e sinalizar a Pequim que não continuarão simplesmente a submeter-se a um regime brutal, repressivo, criminoso e genocida. Se não o fizerem, isso causará danos incalculáveis ao legado deste Papa.”

No regresso da sua viagem ao Cazaquistão, na última semana, a questão foi colocada diretamente a Francisco por uma jornalista e a resposta foi diplomática:

“Para compreender a China é preciso um século, e nós não vivemos um século. A mentalidade chinesa é uma mentalidade rica e, quando adoece um pouco, perde a riqueza, é capaz de cometer erros. Para compreender, nós escolhemos a via do diálogo, estamos abertos ao diálogo. Há uma comissão bilateral Vaticano-China, que está a funcionar, lentamente porque o ritmo chinês é lento; eles têm uma eternidade para avançar: é um povo de infinita paciência”.

E indo mais diretamente ao caso, acrescentou: “Não me apetece qualificar a China como antidemocrática, porque é um país tão complexo, com os seus ritmos próprios… É verdade que há coisas que, a nossos olhos, parecem não ser democráticas. Isto é verdade! O cardeal Zen, idoso, será julgado nestes dias, creio eu. Ele diz o que sente, e vê-se que lá existem limitações. Mais do que qualificações – porque é difícil, e não me apetece qualificar – são impressões; mais do que qualificar, procuro apoiar a via do diálogo.”

 

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança

Um ano depois do naufrágio

De uma tragédia no mediterrâneo nasceu um presente para o Papa… e um apelo à esperança novidade

Passou precisamente um ano desde aquela trágica noite em Cutro, no sul de Itália, em que um barco que saíra da Turquia com cerca de 200 migrantes a bordo colidiu com um banco de areia a cem metros da praia. O acidente custou a vida a 94 pessoas, 35 delas crianças. “Que o Senhor nos dê a força para entender e chorar”, disse então o Papa. E das lágrimas derramadas no luto surgiu uma ideia: transformar um pedaço daquele barco, símbolo de morte, num apelo à esperança. Assim nasceu o genuflexório que esta semana foi oferecido a Francisco.

As Fotografias de Maria Lamas

Fundação Gulbenkian: Exposição comemorações 50 anos do 25 de Abril

As Fotografias de Maria Lamas novidade

Mais uma exposição comemorando os 50 anos do 25 de Abril: na Fundação Gulbenkian As Mulheres de Maria Lamas mostra Maria Lamas (1893-1983) no seu esplendor: como fotógrafa-antropóloga, como tradutora, jornalista e articulista, investigadora, bem como outras dimensões do trabalho e ação desta mulher exemplar. Poderá ver a exposição até 28 maio 2024, diariamente das 10:00 às 18:00. [Texto de Teresa Vasconcelos]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo novidade

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos

Inscrições abertas

Número de voluntários na Misericórdia de Lisboa ultrapassa os 500… e mais serão bem-vindos novidade

No último ano, o “número de voluntários na Misericórdia de Lisboa chegou aos 507”, refere a organização num comunicado divulgado recentemente, adiantando que o “objetivo é continuar a crescer”. “Os voluntários, ao realizarem uma atividade voluntária regular e sistemática, estão a contribuir para um mundo mais fraterno e solidário, estão a deixar a sua marca, aumentando capacidades e conhecimentos, diminuindo a solidão, promovendo diversão e alegria, e contribuindo para uma sociedade mais inclusiva”, realça Luísa Godinho, diretora da Unidade de Promoção do Voluntariado da Santa Casa.

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos

Grupo de Apoio ao Tibete denuncia

Mais de 1.000 tibetanos detidos pelas autoridades chinesas após protestos pacíficos novidade

A polícia chinesa deteve mais de 1.000 pessoas tibetanas, incluindo monges de pelo menos dois mosteiros, na localidade de Dege (Tibete), na sequência da realização de protestos pacíficos contra a construção de uma barragem hidroelétrica, que implicará a destruição de seis mosteiros e obrigará ao realojamento dos moradores de duas aldeias. As detenções aconteceram na semana passada e têm sido denunciadas nos últimos dias por várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo o Grupo de Apoio ao Tibete-Portugal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This