Hong Kong

Julgamento do cardeal Zen adiado, por entre críticas ao Papa

| 20 Set 2022

Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong

Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong, numa manifestação em 2014: o cardeal tem sido uma voz na defesa da liberdade. Foto Wai Wan Tong/Wikimedia Commons

 

Estava previsto para segunda-feira, 19, o julgamento do cardeal Joseph Zen e mais alguns colaboradores, mas o tribunal de Hong Kong passou a primeira sessão para esta quarta-feira, 21 – embora ainda não haja confirmação oficial da data. O motivo deveu-se ao facto de um dos juízes ter testado positivo ao coronavírus, segundo a agência católica de informação Asia News.

O cardeal, atualmente com 90 anos, tem sido um combatente pelas liberdades civis e religiosa e pela democracia e autonomia de Hong Kong, nos termos em que essa autonomia foi negociada entre a República Popular da China e o Reino Unido – “um país, dois sistemas” – pelo período de 50 anos).

A sua prisão, em maio último, foi feita a pretexto de ter gerido um fundo, não registado, de solidariedade para com movimentos de contestação popular que eclodiram em 2019 no território, em protesto contra uma lei que pretendia abrir a possibilidade de transferir, para a China continental, pessoas imputadas por crimes de segurança nacional, para lá serem julgadas. A par disso, Zen foi igualmente acusado de “conluio com agentes estrangeiros”. Não é ainda claro se a acusação será feita por motivos de segurança nacional ou apenas por prevaricação de não ter registado o fundo solidário.

A Asia News dá conta de que o receio das “repercussões internacionais” de um caso mediático como este terá levado as autoridades chinesas a deixar cair a acusação mais grave.

O episódio ganha, contudo, outros contornos, dado que o cardeal Zen tem sido um crítico contundente e insistente do acordo negociado entre o Vaticano e a China em 2018 e renovado em 2020. Atualmente correm negociações entre as duas partes com vista a uma renovação por mais dois anos.

Neste quadro, tem sido objeto de comentários críticos o facto de o Papa não ter vindo a público apoiar o cardeal, mesmo que apenas por razões humanitárias, não o tendo feito mesmo internamente, no recente consistório em Roma, no qual Zen não pôde estar presente, como denunciaram alguns cardeais.

Na sua coluna na UCA News, Benedict Rogers coloca a questão no quadro mais vasto do acordo entre o Vaticano e a China: “O Papa e o Vaticano têm três opções. Poderiam simplesmente renovar o acordo, sem revisão, sem emendas, sem transparência e sem apelo à mudança. Poderiam, alternativamente, procurar condições para a renovação. Poderiam insistir na libertação do clero católico e numa distensão das restrições à prática religiosa, e o Papa poderia pôr fim ao seu silêncio sobre o genocídio dos uigures, Tibete, Hong Kong e a perseguição dos cristãos.”

O colunista, membro da Comissão do Partido Conservador britânico para os Direitos Humanos, e que tem sido muito crítico da posição do Papa e do Vaticano, sugere ainda, como alternativa: “Ou poderiam dar o arrojado passo de reconhecer que o acordo nada conseguiu e foi prejudicial em muitos aspetos, e suspendê-lo. Realisticamente, é pouco provável que tome essa terceira opção. Mas espero que o Papa e o Vaticano considerem seriamente a opção intermédia, a fim de mitigar os danos causados, recuperar algo da sua autoridade moral e sinalizar a Pequim que não continuarão simplesmente a submeter-se a um regime brutal, repressivo, criminoso e genocida. Se não o fizerem, isso causará danos incalculáveis ao legado deste Papa.”

No regresso da sua viagem ao Cazaquistão, na última semana, a questão foi colocada diretamente a Francisco por uma jornalista e a resposta foi diplomática:

“Para compreender a China é preciso um século, e nós não vivemos um século. A mentalidade chinesa é uma mentalidade rica e, quando adoece um pouco, perde a riqueza, é capaz de cometer erros. Para compreender, nós escolhemos a via do diálogo, estamos abertos ao diálogo. Há uma comissão bilateral Vaticano-China, que está a funcionar, lentamente porque o ritmo chinês é lento; eles têm uma eternidade para avançar: é um povo de infinita paciência”.

E indo mais diretamente ao caso, acrescentou: “Não me apetece qualificar a China como antidemocrática, porque é um país tão complexo, com os seus ritmos próprios… É verdade que há coisas que, a nossos olhos, parecem não ser democráticas. Isto é verdade! O cardeal Zen, idoso, será julgado nestes dias, creio eu. Ele diz o que sente, e vê-se que lá existem limitações. Mais do que qualificações – porque é difícil, e não me apetece qualificar – são impressões; mais do que qualificar, procuro apoiar a via do diálogo.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu

[Margem 8]

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu novidade

O Simão ainda tem o tamanho de menino que consegue caminhar por baixo da mesa de jantar. Inclina um bocadinho a cabeça, risonho, e passa de um lado ao outro com as suas aventuras. Tem os olhos que são todo um convite para o mundo. A vida é atraída por aqueles olhos e vai por ali adentro em torrente, com o entusiasmo de um ribeiro.

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria novidade

Na minha infância este tempo era lúgubre, como um véu de tristeza que tudo cobria, nos rostos dos fiéis, nas decorações, na exaltação do sofrimento. Nunca o compreendi nem me associei até que as amêndoas, doces e o início da primavera me salvavam. Na ortodoxia, a Páscoa celebra-se este ano no dia 16 de Abril de 2023.

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras

Igreja Católica solidária

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras novidade

O Brasil mobiliza-se para salvar o povo Yanomami e o seu território, abandonado pelos serviços do Estado e atacado pelos garimpeiros e os interesses que estão por detrás deles, nas últimas décadas. O ataque foi tão brutal que as novas autoridades de Brasília já falam em genocídio. O Supremo Tribunal de Justiça, o Presidente brasileiro, o Exército, e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) são algumas das entidades que têm mobilizado esforços, nas últimas semanas, para acudir a uma situação que além de crise humanitária é considerada também “uma tragédia ambiental”.

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!”

Francisco no Sudão do Sul

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!” novidade

As ruas estão mais limpas que nunca, algumas foram alcatroadas, e a uma delas até lhe mudaram o nome: agora chama-se Rua Papa Francisco. A cidade de Juba está a postos para receber aquela que é a primeira viagem de um Pontífice ao mais jovem país do mundo, o Sudão do Sul, e entre os milhares que vão procurando um lugar para ver o Papa passar há um grande desejo comum: o de que esta visita contribua, definitivamente, para a paz.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This