Júlio Lancellotti: o padre ameaçado de morte no Brasil, mas protegido pelo Papa

| 15 Out 2020

julio lancellotti

Coordenador da Pastoral do Povo de Rua da arquidiocese de São Paulo, o padre Júlio Lancellotti trabalha há mais de 30 anos no apoio aos mais pobres e vulneráveis da cidade. Foto reproduzida da página padrejulio.lancellotti na rede Instagram.

 

É conhecido como o “padre rebelde” e o primeiro a confessar que, já no jardim de infância, “deixava as freiras de cabelos em pé”. De origem italiana, Renato Júlio Lancellotti nasceu em São Paulo, Brasil, cidade que o viu crescer e onde há mais de 30 anos se dedica a ajudar a população marginalizada. Nos últimos meses, tem sido alvo de uma campanha de insultos e até ameaças de morte devido ao seu trabalho com os sem-abrigo, em particular durante o período da pandemia. O Papa telefonou-lhe no passado sábado, 10 de outubro, para lhe assegurar que “o mais importante é estar com eles [os pobres], como Jesus fez”. No dia seguinte, após a oração do Angelus, Francisco fez questão de falar de Lancellotti ao mundo e não escondeu a admiração que sente por ele: “É o mensageiro de Deus”, afirmou.

Coordenador da Pastoral do Povo de Rua da arquidiocese de São Paulo, o padre Júlio Lancellotti, 71 anos, esteve desde sempre ao lado dos mais pobres e vulneráveis, em particular os toxicodependentes, doentes de sida, mendigos, prostitutas e travestis, o que já lhe valeu uma série de “inimigos”, nomeadamente entre elementos das forças policiais que operam na cidade.

No ano passado, a Organização dos Estados Americanos (OEA) pediu ao governo brasileiro que garantisse a sua segurança como “medida de precaução”, depois de os seus advogados terem apresentado uma lista de ameaças publicadas nas redes sociais. “Morte ao padre Júlio”, diziam. “Alguém devia mandar este padre para o inferno. E depois os seguidores dele”. Mas as ameaças não pararam, pelo contrário.

No passado dia 15 de setembro, Lancellotti publicou um vídeo nas redes sociais, dizendo que estava “cada vez mais em risco”. Nesse vídeo, conta que foi insultado na rua por um motociclista, que lhe gritou: “Padre filho da p… que defende noia” (ou seja, toxicodependentes), e sugere que a responsabilidade por este e outros insultos é também de “alguns candidatos à prefeitura”.

Embora não tenha mencionado nomes, os meios de comunicação brasileiros assumiram que o padre Júlio se referia a Arthur do Val, membro do Movimento Brasil Livre e candidato à prefeitura de São Paulo (as eleições estão marcadas para o dia 15 de novembro), que tem criticado o trabalho do padre Lancellotti e de várias instituições católicas junto dos sem-abrigo, particularmente numa zona da cidade conhecida como Crackland, ou Cracolândia.

Inúmeros proprietários de lojas, investidores imobiliários e líderes empresariais têm também afirmado que o trabalho social da Igreja na Cracolândia, descrita como um mercado de drogas a céu aberto, incentiva os sem-abrigo, toxicodependentes e traficantes a permanecer.

Desde a divulgação do vídeo em que denuncia a campanha de intimidação, o clima de perseguição aos sem-abrigo aumentou, afirma o padre Júlio. “Neste exato momento, estamos a acompanhar um caso suspeito de envenenamento de três sem-abrigo que vivem no centro histórico”, contou em entrevista ao jornal Crux na passada segunda-feira, 12 de outubro.

Diversas personalidades públicas, organizações e responsáveis católicos, entre os quais o arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Scherer, têm vindo a manifestar o seu apoio a Lancellotti. O telefonema e apelo do Papa, a quem já tinha escrito uma carta sobre o trabalho que tem vindo a desenvolver e pedindo a sua bênção, foi a “crista da onda de apoio fraterno” que recebeu, disse.

“Ele tinha acabado de lançar a encíclica Fratelli Tutti, que trata precisamente da necessidade de partilharmos a nossa vida com os nossos irmãos e irmãs”, sublinhou o padre Júlio. “O seu telefonema teve um grande significado para mim”.

A seguir pode ver-se o vídeo em que Francisco fala sobre o padre Júlio Lancellotti.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This