“Agora é ainda mais ilegítimo”

Juristas católicos contra votação da eutanásia

| 2 Nov 21

Lei regressa à Assembleia da República. Foto © Joaomartinho63, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons.

 

A Associação dos Juristas Católicos insurgiu-se esta terça-feira, 2 de novembro, contra a decisão da Assembleia da República votar esta semana as alterações ao decreto de legalização da morte medicamente assistida que o Presidente da República vetou em março deste ano, baseado no acórdão que solicitara ao Tribunal Constitucional.

O debate das alterações foi agendado para esta quinta-feira e a sua votação final para sexta-feira, dia 5 de novembro. “Trata-se – escrevem os juristas católicos – de uma manobra oportunista que impede uma mínima discussão pública da versão” que não foi “sujeita a discussão” por “nem sequer ter sido até agora publicada”. 

Para além da sua oposição já várias vezes reiterada ao conteúdo de uma lei que “quebra o princípio da inviolabilidade da vida humana (ou proibição de matar), princípio estruturante da civilização e da ordem jurídica”, a Associação sublinha que “votar agora a eutanásia é ainda mais ilegítimo”, pois tal votação “visa impedir que esta questão, de tão relevante importância, seja, agora sim, submetida a discussão na próxima campanha eleitoral”.

O CDS e o PSD protestaram contra tal agendamento, considerando que os partidos que votaram favoravelmente a lei “tiveram sete meses para apresentar propostas e não o fizeram” e que, com a dissolução à vista, não é este o momento para a Assembleia da República debater e votar um assunto que exige ponderação e serenidade.

A lei vetada por Marcelo teve os votos favoráveis do PS, do BE, do PAN, do PEV e da IL, bem como de alguns deputados do PSD. PCP, CDS, Chega e 56 deputados do PSD votaram contra.

 

Um caderno para imprimir e usar

Sínodo 2021-23

Um caderno para imprimir e usar novidade

Depois de ter promovido a realização de dois inquéritos sobre o sínodo católico 2021-23, o 7MARGENS decidiu reunir o conjunto de textos publicados a esse propósito num caderno que permita uma visão abrangente e uma utilização autónoma do conjunto. A partir de agora, esse caderno está disponível em ligação própria.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Esta é a Igreja que eu amo!

Esta é a Igreja que eu amo! novidade

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This