Projetos do BE e IL em debate

Juristas e médicos católicos contra liberalização das drogas leves

| 9 Jun 21

folha canabis foto direitos reservados

“Cada vez se conhecem melhor os malefícios” decorrentes do consumo de canábis, e as “consequências nefastas para a saúde psíquica e com riscos aumentados em casos de consumo prolongado ou desde idade precoce”, alertam médicos e juristas. Foto: Direitos reservados.

 

A Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP) e a Associação dos Juristas Católicos (AJC) manifestaram, em comunicado conjunto, a sua oposição à legalização da venda de canábis para fins recreativos, tema que foi debatido no Parlamento na tarde desta sexta-feira, 9 de junho.

No final do debate, a Assembleia da República (AR) decidiu que os projetos apresentados pela Iniciativa Liberal (IL) e Bloco de Esquerda (BE) serão discutidos na especialidade nos próximos 60 dias. Há dois anos, a AR rejeitara um projeto apresentado pelo BE, com o mesmo fim.

Para os médicos e juristas católicos, “não há drogas boas e drogas más” e é “importante contrariar a ideia errada de que o consumo das drogas ditas leves não causa dano para a saúde”. A canábis, acrescenta o comunicado enviado ao 7MARGENS, “é uma substância aditiva com efeitos deletérios que podem ser dramáticos, principalmente junto dos mais jovens”.

No texto, dizem ainda a AMC e a AJC, “cada vez se conhecem melhor os malefícios pessoais e sociais decorrentes do consumo de canábis; esse consumo está associado a alterações estruturais e funcionais no sistema nervoso central, com consequências nefastas para a saúde psíquica e com riscos aumentados em casos de consumo prolongado ou desde idade precoce.”

A liberalização do consumo seria “incompreensível para a sociedade” enquanto “sinal contraditório da facilitação do uso” de canábis “perante a imposição de restrições crescentes ao consumo de tabaco”. Por isso, juristas e médicos católicos consideram que essa decisão contribuiria “para o incremento desse consumo” e seria um sinal “de indiferença ou desvalorização quanto aos danos” que a droga provoca.

“Será contraditório continuar a punir severamente o tráfico clandestino de canábis e autorizar a venda condicionada desse produto, quando são muito semelhantes os perigos para a saúde pública decorrentes de uma e outra dessas atividades; o Estado perderá, assim, autoridade moral para continuar a punir esse tráfico”, lê-se no texto.

O comunicado, que cita afirmações dos papas João Paulo II e Francisco contra o uso de drogas, considera ainda insuficiente que haja obrigações de informação sobre os danos e perigos da canábis. E conclui que é uma “contradição ou até hipocrisia” propor o financiamento da “prevenção e tratamento” da toxicodependência com impostos resultantes da venda de drogas.

 

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados novidade

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos novidade

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This