Justiça e compaixão: a urgência de um diálogo

| 11 Jul 19

Nas margens da filosofia (VI)

“Quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las.”

(Madre Teresa de Calcutá)

 

De há alguns tempos para cá o português Miguel Duarte tem sido notícia. Pela televisão, imprensa e redes sociais, sabemos que sobre ele recai a acusação de ter salvo refugiados sem documentos nem licença de desembarque.

Miguel Duarte numa das acções do navio Juventa, resgatando pessoas em perigo. Foto © Rita Gaspar

 

A Itália insurge-se contra esta actuação e ameaça-o com um processo que  poderá levar a alguns anos de cadeia. A acusação é a de que abusivamente ele presta socorro a emigrantes indocumentados que procuram guarida em terra firme. Penso que a melhor explicação para esta conduta foi dada pelo próprio, ao afirmar que quando alguém lhe pede socorro se apressa a ajudá-lo sem lhe perguntar se tem identificação ou licença de desembarque.

Relativamente a este caso as opiniões dividem-se. Há grupos (nos quais me incluo) que lhe dão razão quanto às prioridades estabelecidas. Outros, no entanto, consideram que actuou à margem da lei e que, como tal, deverá ser punido. É um caso paradigmático em que se defrontam duas virtudes éticas igualmente relevantes – a justiça e a compaixão.

No que respeita à filosofia o diálogo entre compaixão e justiça  nem sempre tem sido encarado pacificamente. E exemplifico esta atitude com duas filósofas contemporâneas: Hannah Arendt e Miriam Revault d’Allones. A primeira encara a política como a vivência dos homens uns com os outros e considera a justiça como  uma exigência do foro público. Para ela, a compaixão pertence ao foro privado. Como tal, critica a sua interferência na esfera pública  pois, se a valorizarmos como virtude política, podemos identificar pobreza e virtude, o que inevitavelmente levará a uma atitude de passividade. Compadecermo-nos é aceitar como natural uma situação e nada fazermos para que esta se altere e corrija. Arendt dá à compaixão um estatuto de virtude individual. Assistimos a uma irrupção massiva dos pobres e dos deserdados na cena política, com o perigo desta relevar a dimensão compassiva, sendo a justiça apagada em prol da caridade. A filósofa alemã sustenta que a compaixão é irrelevante na política, afirmando mesmo que ela lhe é prejudicial: “Não nos é possível analisar aqui os prejuízos que a compaixão causou às revoluções modernas através dos esforços para melhorar a sorte dos pobres em vez de instaurar a justiça para todos. (…) A humanidade dos humilhados e ofendidos  é absolutamente irrelevante em termos políticos.”[1]A nossa luta deverá pois orientar-se  em prol da justiça.

Também a filósofa francesa Myriam Revault d’ Allonnes se interessou pelas consequências nocivas da compaixão quando transpostas para a política, considerando-as perigosas por poderem transformar-se em piedade fácil, anestesiando revoltas contra as injustiças e impedindo a construção de um mundo mais equitativo: “Falar de sofrimento, de miséria, de infelicidade, deixando de falar de injustiça e de desigualdade, é abrir caminho para um tratamento compassivo que não esclarece politicamente o abandono individual ou colectivo.”[2]Para Revault  d’Allones, assistimos hoje a uma hipertrofia da dimensão compassiva. É um estado de coisas que prejudica uma governação que pretenda ser justa. A compaixão é ambivalente pois por ela encaramos os outros como carentes, classificamo-los como destituídos e aprisionamo-los na sua  situação de assistidos, instaurando uma política de caridade. A justiça desenrola-se no espaço público e, neste, a questão social não pode ser ignorada. A cidadania impõe como requisitos certos direitos como o direito ao trabalho; o direito à educação; a segurança na saúde; a dignidade das reformas; o respeito pelas diferenças culturais e religiosas, numa palavra, o respeito pela dignidade do ser humano.

Contrariando esta aproximação de compaixão com passividade, sublinhamos as virtualidades dinâmicas da compaixão, na medida em que ela nos leva a agir. Por isso discordamos da  identificação entre compaixão e condescendência e negamos que a primeira seja incompatível com a justiça. Ser compassivo constitui um primeiro degrau para uma actuação eficaz e interventiva. O olhar compassivo sobre o outro é indispensável para estabelecermos com ele uma relação de empatia. Esta, desencadeia o desejo de alterar o status quoe leva-nos a personalizar as injustiças, o que é uma motivação eficaz, ou seja, um estímulo para lutarmos por um mundo melhor. Somos responsáveis pela criação de uma nova ética que satisfaça os desejos legítimos de todos, em ordem à vivência plena da dignidade humana. Consequentemente, as leis que criamos devem ter presente o facto de lidarem com seres concretos, dado que as instituições integram pessoas.

Na bula Misericordiae Vultus, o Papa Francisco recorda a parábola do servo iníquo (Mt, 18,22). Por ela percebemos como a misericórdia e a compaixão devem prevalecer sobre a justiça. Deus, porque é Deus, pode ir além da justiça, e fá-lo frequentemente. Para nós humanos, fica a tarefa difícil de encontrar o equilíbrio entre justiça e compaixão. Aceitando o preceito evangélico, “não julgueis e não sereis julgados” (Lc, 6,37), resta-nos confiar na compaixão  divina, orientando as nossas acções de modo a merecê-la, ou seja, abrindo-nos a toda a humanidade, com particular atenção para aqueles que sofrem.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática  de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (http://luisarife.wix.com/site; luisarife@sapo.pt)

Notas

[1]Hannah Arendt, Homens em Tempos Sombrios, Lisboa, Relógio d’Água, 1991, pg.24.

[2]Myriam Revault d’Allonnes, L’homme Compassionel, Paris, Seuil, 2008, p.64.

Artigos relacionados

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Enzo Bianchi, um verdadeiro cristão (Opinião)

Quem conhece o Enzo Bianchi, quem já se refletiu naqueles olhos terríveis de fogo, como são os olhos de um homem “que viu Deus”, sabe do seu caráter enérgico, por vezes tempestuoso, firme, de quem não tem tempo a perder e que por isso urge falar sempre com parresía, isto é, com franqueza, com verdade. Enzo habitou-nos a isso, habituou os monges e as monjas de Bose a isso. O exercício da autoridade, a gestão do governo e o clima fraterno da Comunidade sempre tiveram a sua marca, esta marca.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Igreja Católica contesta alteração da lei de biotecnologia na Noruega

Um comité de especialistas da diocese de Oslo acusa a alteração à lei da biotecnologia, aprovada na semana passada pelo parlamento norueguês de “abolir os direitos das crianças” e “abrir caminho à eugenia”, dando a possibilidade de, mediante testes pré-natais precoces, fazer abortos nos casos em que o feto apresente patologias ou seja de um sexo diferente do desejado pelos futuros pais.

Vaticano transformado em colónia de férias no mês de julho

A pensar nos funcionários da Santa Sé que têm filhos pequenos, o Papa Francisco decidiu abrir aos portas do Vaticano para receber as crianças durante o mês de julho. A organização da colónia de férias ficou a cargo do Governatorato e será animada pela comunidade de Salesianos do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha

“Conhece um judeu”: projeto inovador quer dar “voz e cara” à comunidade judaica na Alemanha novidade

Pode parecer estranho, mas é verdade: muitas pessoas na Alemanha, em particular as mais jovens, nunca conheceram judeus, a não ser pelos livros de História. Para aumentar a exposição e o contacto com esta comunidade, que atualmente corresponde a menos de 0,2% da população daquele país, o Conselho Central de Judeus lançou o projeto “Conhece um Judeu”, que vai apresentar judeus a não judeus e pô-los a conversar.

É notícia

Entre margens

Um planeta é como um bolo novidade

O planeta Terra tem registado emissões de dióxido de carbono bastante mais reduzidas nestes primeiros meses do ano. Não porque finalmente os decisores e líderes políticos consideraram cumprir o Acordo de Paris, não por terem percebido as consequências trágicas de um consumo insustentável de recursos para onde o modelo económico e de vida humana no planeta nos leva, mas devido à tragédia da pandemia que estamos a viver.

Violência contra as Mulheres: origens novidade

Olhando para os dados neste contexto de pandemia, mais uma vez dei por mim a pensar de onde virá a persistência estrutural do fenómeno da violência doméstica e de género, esta violência que assenta num exercício de poder exacerbado, descontrolado, total, de alguns homens em relação às suas companheiras, em que elas não são mais do que um objeto de posse sobre o qual se pode tudo.

Credo

O Deus em que acredito não é pertença de ninguém, não tem registo, é sem patente. É polifónico, é um entrecruzar de escolhas e de acasos, de verdades lidas nos sinais dos tempos, de vida feita de pedaços partilhados e também de sonhos.

Cultura e artes

Diálogos com Paulo Freire

Trata-se de dois livros inspirados na filosofia de Pauloreire, a quem de há largos anos chamo meu “Mestre”: o primeiro, de Christopher Damien Auretta, Diz-me TU quem EU sou: Diálogo com Paulo Freire. O segundo, do mesmo autor com João Rodrigo Simões: Autobiografia de uma Sala de Aula: Entre Ítaca e Babel com Paulo Freire (Epistolografia).

“Travessia com Primavera”, um exercício criativo diário

O desafio partiu da Casa Velha, associação de Ourém que liga ecologia e espiritualidade: um exercício artístico e criativo diário, a partir da Bíblia. Sandra Bartolomeu, irmã das Servas de Nossa Senhora de Fátima, apaixonada pela pintura, aceitou: “Algo do género, entre a oração e o desenho – rezar desenhando, desenhar rezando ou fazer do desenho fruto maduro da oração – já emergia em mim como um apelo de Deus, convite a fazer do exercício do desenho e da criação plástica meio para contemplar Deus e dar concretude à sua Palavra em mim”, diz a irmã Sandra. O 7MARGENS publica dez aguarelas resultantes desse exercício.

A poesia é a verdade justa

“A coisa mais antiga de que me lembro é dum quarto em frente do mar dentro do qual estava, poisada em cima duma mesa, uma maçã enorme e vermelha”, escreve Sophia de Mello Breyner na sua Arte Poética III. Foi destas palavras que me lembrei ao ver o filme Poesia do sul coreano Lee Chang-dong, de 2010

Hinos e canções ortodoxas e balcânicas para a “Theotokos”

Este duplo disco, Hymns and Songs to the Mother of God reúne, como indicado no título, hinos bizantinos (o primeiro) e canções tradicionais (o segundo), dedicados à Mãe de Deus. O projecto levou três anos a concretizar, entre a recolha, estudo e gravação, como conta a própria Nektaria Karantzi na apresentação.

Sete Partidas

Retrospectiva

Regresso algures a meados de 2019, vivíamos em Copenhaga, e recupero a sensação de missão cumprida, de alguma forma o fechar de um ciclo ao completarmos 10 anos de vida na Dinamarca e nos encontrarmos em modo de balanço das nossas vidas pessoais, profissionais e também da nossa vida interior. Recordo uma conversa com uma querida amiga, onde expressei desta forma o meu sentimento: “a nossa vida aqui é boa, confortável, organizada, segura, previsível, mas não me sinto feliz.”

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco