Justiça e compaixão: a urgência de um diálogo

| 11 Jul 19 | Entre Margens, Últimas

Nas margens da filosofia

“Quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las.”

(Madre Teresa de Calcutá)

 

De há alguns tempos para cá o português Miguel Duarte tem sido notícia. Pela televisão, imprensa e redes sociais, sabemos que sobre ele recai a acusação de ter salvo refugiados sem documentos nem licença de desembarque.

Miguel Duarte numa das acções do navio Juventa, resgatando pessoas em perigo. Foto © Rita Gaspar

 

A Itália insurge-se contra esta actuação e ameaça-o com um processo que  poderá levar a alguns anos de cadeia. A acusação é a de que abusivamente ele presta socorro a emigrantes indocumentados que procuram guarida em terra firme. Penso que a melhor explicação para esta conduta foi dada pelo próprio, ao afirmar que quando alguém lhe pede socorro se apressa a ajudá-lo sem lhe perguntar se tem identificação ou licença de desembarque.

Relativamente a este caso as opiniões dividem-se. Há grupos (nos quais me incluo) que lhe dão razão quanto às prioridades estabelecidas. Outros, no entanto, consideram que actuou à margem da lei e que, como tal, deverá ser punido. É um caso paradigmático em que se defrontam duas virtudes éticas igualmente relevantes – a justiça e a compaixão.

No que respeita à filosofia o diálogo entre compaixão e justiça  nem sempre tem sido encarado pacificamente. E exemplifico esta atitude com duas filósofas contemporâneas: Hannah Arendt e Miriam Revault d’Allones. A primeira encara a política como a vivência dos homens uns com os outros e considera a justiça como  uma exigência do foro público. Para ela, a compaixão pertence ao foro privado. Como tal, critica a sua interferência na esfera pública  pois, se a valorizarmos como virtude política, podemos identificar pobreza e virtude, o que inevitavelmente levará a uma atitude de passividade. Compadecermo-nos é aceitar como natural uma situação e nada fazermos para que esta se altere e corrija. Arendt dá à compaixão um estatuto de virtude individual. Assistimos a uma irrupção massiva dos pobres e dos deserdados na cena política, com o perigo desta relevar a dimensão compassiva, sendo a justiça apagada em prol da caridade. A filósofa alemã sustenta que a compaixão é irrelevante na política, afirmando mesmo que ela lhe é prejudicial: “Não nos é possível analisar aqui os prejuízos que a compaixão causou às revoluções modernas através dos esforços para melhorar a sorte dos pobres em vez de instaurar a justiça para todos. (…) A humanidade dos humilhados e ofendidos  é absolutamente irrelevante em termos políticos.”[1]A nossa luta deverá pois orientar-se  em prol da justiça.

Também a filósofa francesa Myriam Revault d’ Allonnes se interessou pelas consequências nocivas da compaixão quando transpostas para a política, considerando-as perigosas por poderem transformar-se em piedade fácil, anestesiando revoltas contra as injustiças e impedindo a construção de um mundo mais equitativo: “Falar de sofrimento, de miséria, de infelicidade, deixando de falar de injustiça e de desigualdade, é abrir caminho para um tratamento compassivo que não esclarece politicamente o abandono individual ou colectivo.”[2]Para Revault  d’Allones, assistimos hoje a uma hipertrofia da dimensão compassiva. É um estado de coisas que prejudica uma governação que pretenda ser justa. A compaixão é ambivalente pois por ela encaramos os outros como carentes, classificamo-los como destituídos e aprisionamo-los na sua  situação de assistidos, instaurando uma política de caridade. A justiça desenrola-se no espaço público e, neste, a questão social não pode ser ignorada. A cidadania impõe como requisitos certos direitos como o direito ao trabalho; o direito à educação; a segurança na saúde; a dignidade das reformas; o respeito pelas diferenças culturais e religiosas, numa palavra, o respeito pela dignidade do ser humano.

Contrariando esta aproximação de compaixão com passividade, sublinhamos as virtualidades dinâmicas da compaixão, na medida em que ela nos leva a agir. Por isso discordamos da  identificação entre compaixão e condescendência e negamos que a primeira seja incompatível com a justiça. Ser compassivo constitui um primeiro degrau para uma actuação eficaz e interventiva. O olhar compassivo sobre o outro é indispensável para estabelecermos com ele uma relação de empatia. Esta, desencadeia o desejo de alterar o status quoe leva-nos a personalizar as injustiças, o que é uma motivação eficaz, ou seja, um estímulo para lutarmos por um mundo melhor. Somos responsáveis pela criação de uma nova ética que satisfaça os desejos legítimos de todos, em ordem à vivência plena da dignidade humana. Consequentemente, as leis que criamos devem ter presente o facto de lidarem com seres concretos, dado que as instituições integram pessoas.

Na bula Misericordiae Vultus, o Papa Francisco recorda a parábola do servo iníquo (Mt, 18,22). Por ela percebemos como a misericórdia e a compaixão devem prevalecer sobre a justiça. Deus, porque é Deus, pode ir além da justiça, e fá-lo frequentemente. Para nós humanos, fica a tarefa difícil de encontrar o equilíbrio entre justiça e compaixão. Aceitando o preceito evangélico, “não julgueis e não sereis julgados” (Lc, 6,37), resta-nos confiar na compaixão  divina, orientando as nossas acções de modo a merecê-la, ou seja, abrindo-nos a toda a humanidade, com particular atenção para aqueles que sofrem.

 

Maria Luísa Ribeiro Ferreira é Professora Catedrática  de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (http://luisarife.wix.com/site; luisarife@sapo.pt)

Notas

[1]Hannah Arendt, Homens em Tempos Sombrios, Lisboa, Relógio d’Água, 1991, pg.24.

[2]Myriam Revault d’Allonnes, L’homme Compassionel, Paris, Seuil, 2008, p.64.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres novidade

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco