Colômbia

Justiça força bispo a publicar lista de padres abusadores

| 29 Ago 2022

arcebispo de Medellín, RICARDO TOBÓN RESTREPO, na Colômbia, foto arquidiocese medellin

O arcebispo de Medellín, Ricardo Tobón Ristrepo, cumpriu a ordem do Tribunal vários dias depois do prazo. Foto © Arquidiocese de Medellín.

 

O arcebispo de Medellín, na Colômbia, foi forçado pelo Tribunal Constitucional do país a publicar uma lista nominal de padres da sua diocese que terão abusado de crianças, nas últimas décadas.

A medida, cumprida na última sexta-feira, 26, surge da petição apresentada por um conhecido jornalista colombiano que se dedica a investigar casos de abusos, e já havia sido decidida favoravelmente no início de junho deste ano. O Tribunal Constitucional ordenou à diocese que fizesse entrega dos arquivos secretos relacionados com denúncias de padres pedófilos.

A arquidiocese reagiu, posteriormente, apresentando alguns pontos sobre os quais pretendia esclarecimentos, o que o jornalista interpretou como manobra dilatória. A verdade é que, com os esclarecimentos, ao arcebispo Ricardo Tobón Restrepo foi dado um prazo de seis dias para cumprir a decisão, prazo que terminou em 19 de agosto.

Perante a situação de incumprimento, o jornalista interpôs um “incidente de desacato contra o arcebispo de Medellín” traduzido num “mandado de prisão” e na “apreensão dos autos onde são apresentadas as denúncias”.

Ricardo Tobón Restrepo acabou agora por aceitar publicar uma lista de 26 dos seus padres denunciados por abuso infantil, enviados pela Cúria ao Ministério Público nos últimos 30 anos.

No documento de cinco páginas, consta que, desses padres, oito estão suspensos como medida cautelar, dois estão sob investigação, dois encontram-se com o “ministério limitado“, seis foram expulsos da Igreja como pena máxima, após serem considerados culpados, e seis estão atualmente ativos como pastores ou vigários.

O arcebispo, que é apresentado pelo jornalista como encobridor, ripostou através de um vídeo, acusando-o, a ele e a “algumas pessoas”, de pretenderem sobretudo atacar e desprestigiar os bispos e os sacerdotes, “aproveitando-se de factos isolados”. O jornalista em questão é acusado de levar a cabo “uma campanha agressiva de desprestígio contra a Igreja na Colômbia”, no quadro da qual chega a dizer que se trata de “uma empresa de crime organizado transnacional, uma rede de pederastas internacional”, espalhada pelo planeta.

O arcebispo denuncia e repudia este tipo de ataques, que considera “injustos e inaceitáveis”, apelando a que ninguém se deixe confundir por quem se empenha em disfarçar de investigação objetiva e neutral uma campanha mal-intencionada contra a Igreja”, ao mesmo tempo que lamenta e condena de forma “decidida” os casos de padres abusadores, recusando que eles possam confundir-se com a atuação da Igreja no seu todo.

 

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo

Estudo revela

Judeus na Europa “mais angustiados que nunca” face ao aumento do antissemitismo novidade

O mais recente relatório da Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA) não deixa margem para dúvidas: o antissemitismo cresceu nos últimos cinco anos e disparou para níveis sem precedentes desde o passado mês de outubro, o que faz com que os judeus a residir na Europa temam pela sua segurança e se sintam muitas vezes obrigados a esconder a sua identidade judaica.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras

Contra a obrigação de repetir denúncias

Sobreviventes de abusos acusam bispos de os “revitimizar” no processo de compensações financeiras novidade

Vários sobreviventes de abusos sexuais no seio da Igreja Católica expressaram, junto da presidência da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), o seu descontentamento quanto ao “método a utilizar para realizar as compensações financeiras”, dado que este obriga todas as vítimas que pretendam obtê-las a repetirem a denúncia que já haviam feito anteriormente.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This