Krystal não gostava dos muçulmanos, mas apaixonou-se por um afegão

e | 9 Jan 19

Foto © Krystal Ashley/Daily Mail.

 

Krystal Ashley tem 30 anos e nasceu nos Estados Unidos. Católica desde pequena, foi criada no seio de uma família muito tradicionalista, algo que a tornou muito intolerante ao islão, especialmente após os atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos.

A sua intolerância começou a vergar quando entrou para a faculdade, algo que ela atribuí a uma aula que teve sobre religiões no mundo. Mas foi ao apaixonar-se por um refugiado afegão que a sua perspetiva de vida mudou drasticamente, como a própria contou ao Daily Mail.

Em Junho de 2016, a professora do estado da Virgínia estava em Paris a trabalhar numa organização sem-fins lucrativos, quando conheceu o muçulmano Rayi Khan, de 31 anos, num jogo de futebol: “Depois dos atentados fiz parte da onda anti-islão que estava a varrer os Estados Unidos. Nunca nos meus sonhos pensei que iria apaixonar-me por alguém do Afeganistão.”

O jovem tinha fugido de Kabul em 2012, por ter sido ameaçado por talibãs, o mesmo grupo responsável por assassinar os seus pais: “Eu tinha uma boa vida no Afeganistão mas, como tive tantos problemas com os talibãs, tive que deixar tudo para trás.”

Para Krystal Ashley, o que a atraiu em Khan foi a sua gentileza e maneira de ser, algo que a surpreendeu. Apesar das diferenças culturais e religiosas, a professora afirma que ambos têm uma mente muito aberta, o que os permite ter muitas conversas acerca das suas crenças.

Inicialmente, o casal manteve a sua relação em segredo por causa da família cristã de Krystal e ao facto de Rayi ser casado no Afeganistão. Hoje o afegão, que foi forçado a casar aos 16 anos, ainda não contou à sua família, pois sabe que a relação não será aceite. Segundo o Código Civil do Afeganistão, a idade legal para casamento é aos 16 anos para as mulheres e 18 anos para os homens, o que anula o casamento arranjado de Rayi Khan.

O casal conta que a guerra entre as nações de ambos, os EUA e o Afeganistão, também não ajuda à percepção que as famílias poderão criar da cara-metade. Mas Krystal brinca com a situação: “Somos Romeo e Julieta da vida real.”

Não sabem o que o futuro lhes reserva no que toca a filhos e casamento, mas a norte-americana acha que as pessoas ficarão surpreendidas pela história do casal. E diz: “Espero que isto faça muita gente mudar de ideias acerca de pessoas de diferentes religiões.”

Breves

Boas notícias

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

Migrantes e refugiados contam vidas em teatro

Guerras, medos, esperas e outras histórias bizarras

E como se arruma a vida numa pequena mala se tivermos apenas uma hora para fugir das bombas? Porque temos de decidir deixar para trás a roupa nova, o colchão de yoga, o livro que se começou a ler? Como se pode trocar um dia de aniversário pelo dia de início de uma guerra que outros nos fazem? Porque não se pode, sequer, encenar o pequeno teatro que era costume fazer para os amigos nesse dia?

Outras margens

Cultura e artes

Teólogo jesuíta em Portugal

Diálogo inter-religioso não é estratégia, mas atitude existencial, diz Javier Melloni

“O diálogo inter-religioso não é uma estratégia para sobreviver em tempos de forçada pluralidade, mas trata-se de uma atitude existencial que implica toda a pessoa”, diz o jesuíta catalão Javier Melloni no seu livro Para Um Tempo de Síntese – Presente e futuro das religiões (ed. Fragmenta), que acaba de ser publicado e que o próprio apresentará em Portugal, a partir desta segunda-feira, 23 de Maio, em quatro conferências públicas

Uma leitura do Patriarca no 7M

“Domínio”, de Tom Holland: a recomposição da experiência cristã

Este livro de Tom Holland, escritor inglês com vária obra histórica publicada, obteve uma apreciação positiva e generalizada, quando saiu em 2019: “Cativante” (The Times), “Arrebatador” (The Economist), “Fascinante” (Library Journal)… Mais assertivo ainda, The Sunday Times: “Se os grandes livros nos encorajam a olhar o mundo de um modo completamente novo, então Domínio é, sem dúvida, um grande livro.”  

Novo livro de Luís Soares Barbosa

“Longos Dias Breve o Medo” apresentado em Braga, Guimarães e Porto

Decorre na tarde deste sábado, 21, a partir das 15h30, a sessão de apresentação de Longos Dias Breve o Medo, o novo livro de poesia de Luís Soares Barbosa. A apresentação da obra, editada pela Officium Lectionis, será feita por Eduardo Jorge Madureira, que integra a equipa do 7MARGENS, e terá lugar na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva (BLCS), em Braga, com entrada livre.

Emissão filatélica

Lenda da Nazaré em selo sobre mitos europeus

A história é conhecida e desde a semana passada está também evocada num selo de correio, numa emissão filatélica dedicada a mitos da Europa: em 14 de Setembro de 1182, Fuas Roupinho, alcaide-mor de Porto de Mós, andava à caça, quando encontrou o que parecia ser um veado. Lançando-se em sua perseguição, acabou no alto de uma falésia, à beira de cair. Invocou Nossa Senhora e o cavalo manteve-se erguido apenas pelas patas traseiras, enquanto o veado desaparecera – seria, afinal, a figura do demónio…

Pessoas

Sete Partidas

Páscoa na Arménia

Quando andámos a filmar o ARtMENIANS em 2014, pudemos assistir ao #rito da Páscoa da Igreja Arménia: Domingo de Ramos em Etchmiadzin (o “Vaticano” da Igreja Arménia), e Domingo de Páscoa no mosteiro de Gelarde. Recomendo tudo: as celebrações, os cânticos antiquíssimos, a vivência da fé, os cenários. A alegria das crianças no Domingo de Ramos, a festa da ressurreição em Gelarde – e uma solista a cantar numa sala subterrânea, uma das primeiras igrejas cristãs do mundo. 

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Uma renovação a precisar de novos impulsos

  A experiência que fizemos no Concílio Vaticano II constitui o rosto dos documentos tão ricos que ficam como acervo da sua memória, dizia frequentemente o bispo de Aveiro, D. Manuel de Almeida Trindade. Eu era seu colaborador pastoral. E pude verificar como...

O melhor seria

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This