Krystal não gostava dos muçulmanos, mas apaixonou-se por um afegão

e | 9 Jan 19

Foto © Krystal Ashley/Daily Mail.

 

Krystal Ashley tem 30 anos e nasceu nos Estados Unidos. Católica desde pequena, foi criada no seio de uma família muito tradicionalista, algo que a tornou muito intolerante ao islão, especialmente após os atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos.

A sua intolerância começou a vergar quando entrou para a faculdade, algo que ela atribuí a uma aula que teve sobre religiões no mundo. Mas foi ao apaixonar-se por um refugiado afegão que a sua perspetiva de vida mudou drasticamente, como a própria contou ao Daily Mail.

Em Junho de 2016, a professora do estado da Virgínia estava em Paris a trabalhar numa organização sem-fins lucrativos, quando conheceu o muçulmano Rayi Khan, de 31 anos, num jogo de futebol: “Depois dos atentados fiz parte da onda anti-islão que estava a varrer os Estados Unidos. Nunca nos meus sonhos pensei que iria apaixonar-me por alguém do Afeganistão.”

O jovem tinha fugido de Kabul em 2012, por ter sido ameaçado por talibãs, o mesmo grupo responsável por assassinar os seus pais: “Eu tinha uma boa vida no Afeganistão mas, como tive tantos problemas com os talibãs, tive que deixar tudo para trás.”

Para Krystal Ashley, o que a atraiu em Khan foi a sua gentileza e maneira de ser, algo que a surpreendeu. Apesar das diferenças culturais e religiosas, a professora afirma que ambos têm uma mente muito aberta, o que os permite ter muitas conversas acerca das suas crenças.

Inicialmente, o casal manteve a sua relação em segredo por causa da família cristã de Krystal e ao facto de Rayi ser casado no Afeganistão. Hoje o afegão, que foi forçado a casar aos 16 anos, ainda não contou à sua família, pois sabe que a relação não será aceite. Segundo o Código Civil do Afeganistão, a idade legal para casamento é aos 16 anos para as mulheres e 18 anos para os homens, o que anula o casamento arranjado de Rayi Khan.

O casal conta que a guerra entre as nações de ambos, os EUA e o Afeganistão, também não ajuda à percepção que as famílias poderão criar da cara-metade. Mas Krystal brinca com a situação: “Somos Romeo e Julieta da vida real.”

Não sabem o que o futuro lhes reserva no que toca a filhos e casamento, mas a norte-americana acha que as pessoas ficarão surpreendidas pela história do casal. E diz: “Espero que isto faça muita gente mudar de ideias acerca de pessoas de diferentes religiões.”

Breves

Boas notícias

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Outras margens

Cultura e artes

Pessoas

O “Boletim Cinematográfico” na Igreja em Portugal – uma memória histórica

Os primórdios do movimento cinematográfico no seio da Igreja em Portugal

O “Boletim Cinematográfico” na Igreja em Portugal – uma memória histórica novidade

Este é o breve historial de uma publicação simples na sua forma de apresentação, mas que, ao durar persistentemente cerca de cinco décadas, prestou à cultura cinematográfica e à Igreja Católica em Portugal um serviço inestimável e indelevelmente ligado ao nome de Francisco Perestrello, agora falecido.

Sete Partidas

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Uma ativista e uma catequista à conversa com uma teóloga e um padre

Uma ativista e uma catequista à conversa com uma teóloga e um padre novidade

Georgina perguntou-se sobre como explicar a dificuldade de relação dos bispos africanos com o mundo LGBTI+, Helena congratulou-se pela presença de leigos na aula sinodal, Serena sublinhou que a participação não se limita a “fazer parte”, inclui “tomar parte”. Aconteceu no Fórum Europeu de Grupos Cristãos LGBTI+, no qual participou Ana Carvalho.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

E o Seminário, terá responsabilidade?

E o Seminário, terá responsabilidade?

Atravessei a década de 80 entre os muros de seminários. Três, ao todo. Dar-me-á esta circunstância a legitimidade para falar abertamente do meu susto? O meu susto é este: conheço pelo menos dois políticos portugueses (que os leitores facilmente identificarão) formados em seminários, cuja opção política está do lado daqueles que, na História, pensaram o povo como um rebanho de gente acéfala e incapaz. [Texto de Paulo Pereira de Carvalho]

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This