Ku-txinga: dos hábitos às mudanças tradicionais

| 24 Jun 19 | Entre Margens, Últimas

Ainda que leve muito tempo, por vezes séculos, culturas e tradições são susceptíveis de mudanças. Em muitas sociedades, os valores e diferentes saberes são transmitidos através de mitos e de rituais. Estes são fenómenos existentes em todos os povos.

Cada povo realiza-os de maneira diferente, mas eles têm o mesmo significado, que se resume na regulação social colectiva e individual das pessoas. Além disso, os mitos, por exemplo, educam e estabelecem regras de funcionamento, enquanto que os rituais, cumprindo com a mesma função, chegam ao ponto de desempenhar um papel psicológico e tranquilizador. Dão a certeza, a quem os faz e acredita neles, que a acção realizada através deles terá sucesso. Realizar o ku-phahla, ritual de pedido de bênção aos antepassados, é informar os mortos sobre o que se passa no mundo dos vivos. Este é um ritual de evocação dos espíritos dos mortos, transmite a confiança de que a bênção pedida acontecerá a contento.

Vem este introito a propósito do interesse que tenho tido em analisar a equivalência de rituais e ver de que modo é que ambos podem conviver ou trocar saberes a partir da sua função. E pensar nesse intercâmbio pressupõe convivência ou incitação a uma mudança, com intuito de não colocar em causa a vida, a saúde ou a dignidade humana. A propósito do fomento de mudança, falarei do ku-txinga, aquilo a que emlinguagem antropológica se designa por leviratoou seja, a purificação de uma viúva pelo seu cunhado e por sororato, quando uma mulher morre e, em sua substituição, uma irmã ou uma prima fica com o seu marido. Casos há em que esta substituição é realizada em vida, pelo facto de a esposa titular ser infértil – mas esse é outro assunto.

Começo por questões ligada à equivalência cultural, abordando um caso de substituição de um ritual por um equivalente, em contexto de convivência, dentro de uma mesma tradição. Na tradição muçulmana, por exemplo, tal como preconiza o Alcorão, o jejum deve observar-se no mês de Ramadão. Durante essa época, todos os muçulmanos devem abster-se de ingerir líquidos e de se alimentarem, do nascer ao pôr-do-sol. A função de jejuar é a de colocar as pessoas a fazerem um sacrifício de purificação e de se colocarem no lugar dos outros seres humanos carentes.

Porém, há algumas exceções: mulheres grávidas, idosos e crianças. No tocante às mulheres, elas podem adiar o jejum para uma outra altura em que o possam realizar; ou podem, à semelhança dos idosos e das crianças, podem colocar no centro das suas vidas, durante esse mês, a prática de actos de solidariedade e de caridade. Quer dizer que a pessoa é convidada a substituir a abstenção de se alimentar pelo objectivo de alimentar ou cuidar de quem é carente. É isso que designo por substituição da função de uma cultura pelo seu equivalente; neste caso, estamos ainda dentro da mesma cultura.

Em diferentes tradições da cultura bantu de Moçambique, há um ritual de expurgar a morte. Este centra-se na purificação da família, da casa, bem como de todos os objectos nela contidos, e da(o) viúva(o) do(a) falecido(a). Na etnia tsonga, por exemplo, esse ritual, que se designa  ku-txinga, é/era[salvaguardam-se os casos de focos de existência de pessoas que ainda realizam esse ritual utilizando os procedimentos actualmente proibidos) realizado com recurso a uma relação sexual desprotegida, que um familiar do defunto – irmã(o) ou prima(o) – deve(ria) manter com a (o) viúva(o)].

Desde 2008, porém, o Ministério de Saúde de Moçambique, dado o elevado índice de doenças por transmissão sexual, interditou a realização dessa cerimónia, em consenso com a Ametramo (Associação dos Médicos Tradicionais Moçambicanos), que congrega as pessoas que desempenham um papel importante na realização desse ritual. Assim, passou a recorrer-se a ervas para realizar o banho de purificação da(o) viúva(o). O recurso a folhas de determinadas árvores é uma tradição existente, entre os makondes, outro grupo étnico moçambicano. Entre os tsongas, por razões de saúde, o ritual de purificação não foi banido, passou a ser substituído por uma função similar, existente em outras culturas.

A aceitação da substituição constitui uma reviravolta nos hábitos dos ronga, que consequentemente altera a tradição – mesmo se progressivamente, pois acredito que ainda haja quem resista ao apelo feito pelo Ministério de Saúde e pela Ametramo.

Se em todas as culturas, em síntese, existem costumes e rituais ligados aos principais momentos da vida das pessoas – nascimento, rituais de iniciação, rituais de passagem, rituais ligados ao casamento e à morte – esses rituais não devem ser homogeneizados, em nome do que é clássico ou comum fazer-se, nem realizados, na perspectiva da classe ou cultura dominante. Há peculiaridades e subjectividades a preservar, até porque o modo de realizar esses rituais tem uma função social específica, para os seus membros. Entretanto, se esses modos de fazer colocam em risco a vida das pessoas, estamos aí perante um hábito, uma cultura ou uma tradição que deve ser mudada. E no caso do exemplo que dei, trata-se de facto de uma mudança e não de um corte da tradição.

 

Sara Jona Laisse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica e membro do Graal-Moçambique, Movimento Internacional de Mulheres Cristãs. Contacto: saralaisse@yahoo.com.br.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres novidade

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco