Ku-txinga: dos hábitos às mudanças tradicionais

| 24 Jun 19

Ainda que leve muito tempo, por vezes séculos, culturas e tradições são susceptíveis de mudanças. Em muitas sociedades, os valores e diferentes saberes são transmitidos através de mitos e de rituais. Estes são fenómenos existentes em todos os povos.

Cada povo realiza-os de maneira diferente, mas eles têm o mesmo significado, que se resume na regulação social colectiva e individual das pessoas. Além disso, os mitos, por exemplo, educam e estabelecem regras de funcionamento, enquanto que os rituais, cumprindo com a mesma função, chegam ao ponto de desempenhar um papel psicológico e tranquilizador. Dão a certeza, a quem os faz e acredita neles, que a acção realizada através deles terá sucesso. Realizar o ku-phahla, ritual de pedido de bênção aos antepassados, é informar os mortos sobre o que se passa no mundo dos vivos. Este é um ritual de evocação dos espíritos dos mortos, transmite a confiança de que a bênção pedida acontecerá a contento.

Vem este introito a propósito do interesse que tenho tido em analisar a equivalência de rituais e ver de que modo é que ambos podem conviver ou trocar saberes a partir da sua função. E pensar nesse intercâmbio pressupõe convivência ou incitação a uma mudança, com intuito de não colocar em causa a vida, a saúde ou a dignidade humana. A propósito do fomento de mudança, falarei do ku-txinga, aquilo a que emlinguagem antropológica se designa por leviratoou seja, a purificação de uma viúva pelo seu cunhado e por sororato, quando uma mulher morre e, em sua substituição, uma irmã ou uma prima fica com o seu marido. Casos há em que esta substituição é realizada em vida, pelo facto de a esposa titular ser infértil – mas esse é outro assunto.

Começo por questões ligada à equivalência cultural, abordando um caso de substituição de um ritual por um equivalente, em contexto de convivência, dentro de uma mesma tradição. Na tradição muçulmana, por exemplo, tal como preconiza o Alcorão, o jejum deve observar-se no mês de Ramadão. Durante essa época, todos os muçulmanos devem abster-se de ingerir líquidos e de se alimentarem, do nascer ao pôr-do-sol. A função de jejuar é a de colocar as pessoas a fazerem um sacrifício de purificação e de se colocarem no lugar dos outros seres humanos carentes.

Porém, há algumas exceções: mulheres grávidas, idosos e crianças. No tocante às mulheres, elas podem adiar o jejum para uma outra altura em que o possam realizar; ou podem, à semelhança dos idosos e das crianças, podem colocar no centro das suas vidas, durante esse mês, a prática de actos de solidariedade e de caridade. Quer dizer que a pessoa é convidada a substituir a abstenção de se alimentar pelo objectivo de alimentar ou cuidar de quem é carente. É isso que designo por substituição da função de uma cultura pelo seu equivalente; neste caso, estamos ainda dentro da mesma cultura.

Em diferentes tradições da cultura bantu de Moçambique, há um ritual de expurgar a morte. Este centra-se na purificação da família, da casa, bem como de todos os objectos nela contidos, e da(o) viúva(o) do(a) falecido(a). Na etnia tsonga, por exemplo, esse ritual, que se designa  ku-txinga, é/era[salvaguardam-se os casos de focos de existência de pessoas que ainda realizam esse ritual utilizando os procedimentos actualmente proibidos) realizado com recurso a uma relação sexual desprotegida, que um familiar do defunto – irmã(o) ou prima(o) – deve(ria) manter com a (o) viúva(o)].

Desde 2008, porém, o Ministério de Saúde de Moçambique, dado o elevado índice de doenças por transmissão sexual, interditou a realização dessa cerimónia, em consenso com a Ametramo (Associação dos Médicos Tradicionais Moçambicanos), que congrega as pessoas que desempenham um papel importante na realização desse ritual. Assim, passou a recorrer-se a ervas para realizar o banho de purificação da(o) viúva(o). O recurso a folhas de determinadas árvores é uma tradição existente, entre os makondes, outro grupo étnico moçambicano. Entre os tsongas, por razões de saúde, o ritual de purificação não foi banido, passou a ser substituído por uma função similar, existente em outras culturas.

A aceitação da substituição constitui uma reviravolta nos hábitos dos ronga, que consequentemente altera a tradição – mesmo se progressivamente, pois acredito que ainda haja quem resista ao apelo feito pelo Ministério de Saúde e pela Ametramo.

Se em todas as culturas, em síntese, existem costumes e rituais ligados aos principais momentos da vida das pessoas – nascimento, rituais de iniciação, rituais de passagem, rituais ligados ao casamento e à morte – esses rituais não devem ser homogeneizados, em nome do que é clássico ou comum fazer-se, nem realizados, na perspectiva da classe ou cultura dominante. Há peculiaridades e subjectividades a preservar, até porque o modo de realizar esses rituais tem uma função social específica, para os seus membros. Entretanto, se esses modos de fazer colocam em risco a vida das pessoas, estamos aí perante um hábito, uma cultura ou uma tradição que deve ser mudada. E no caso do exemplo que dei, trata-se de facto de uma mudança e não de um corte da tradição.

 

Sara Jona Laisse é docente de Cultura Moçambicana na Universidade Politécnica e membro do Graal-Moçambique, Movimento Internacional de Mulheres Cristãs. Contacto: saralaisse@yahoo.com.br.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Um Manual de Desintoxicação nos dois anos do PontoSJ novidade

Manual de Desintoxicação é o título do livro que a editorial A.O., dos jesuítas, apresenta esta quinta-feira, 27, no centro cultural Brotéria, no Bairro Alto, em Lisboa. Para o efeito, a partir das 19h, haverá uma conversa entre os jornalistas Isabel Lucas e Luís Osório e o professor universitário Viriato Soromenho-Marques.

Situação “catastrófica” no Líbano, sem “ninguém” para ajudar cristãos novidade

Cerca de 40 mil famílias cristãs podem deixar o Líbano, nos próximos tempos, se a grave crise económica persistir no país, agravando duras condições de vida das pessoas. A irmã Maria Lúcia Ferreira, religiosa portuguesa do Mosteiro de São Tiago Mutilado, em Qara (Síria), perto da fronteira com o Líbano, diz que o agravamento da situação neste último país pode afectar ainda mais os cristãos, que “não têm ajuda de ninguém”, enquanto “os xiitas têm a ajuda do Irão e os sunitas têm a ajuda da Arábia Saudita…”

Epidemia de dengue mata crianças na Bolívia novidade

A diocese de Santa Cruz (centro-sul da Bolívia) decidiu apoiar a prevenção da luta contra a epidemia de dengue que atinge várias regiões do país e que, naquela diocese, matou já 20 pessoas, a maior parte das quais eram crianças.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Olhar a mulher com Alfredo Cunha novidade

O Tempo das Mulheres, em exposição no Museu de Lisboa (Torreão Poente da Praça do Comércio) até 29 de março, oferece um conjunto de fotografias de mulheres com o comentário de Maria Antónia Palla. A objetiva de Alfredo Cunha percorreu diversas regiões do globo, diferentes épocas e vivências culturais. A exposição divide-se em quatro tempos: infância, juventude, idade adulta, e terceira idade; numa alusão aos tempos que percorrem a vida e se constituem como marcos da sua evolução.

Da eutanásia às Cinzas

Viveremos (os cristãos), nesta quarta-feira, a imposição das Cinzas, lindíssima celebração pela qual muitos cristãos (incluindo eu) têm verdadeira devoção, sejam quais forem as interpretações, significados pessoais (ou teológicos) desse gesto: para mim, é sagrado. Passada a Quarta-Feira de Cinzas iniciaremos a caminhada quaresmal.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Sete Partidas

Sankt Andreas Kirke, Copenhaga – Uma igreja nómada

Gothersgade 148, 1123 København K, Igreja de Skt. Andreas. Era este o sítio a que nos devíamos dirigir quando nos interessámos por um concerto de música clássica, de entrada gratuita, por altura do Natal de 2009. Estávamos em fase de descoberta daquela que seria a nossa casa por 10 anos – Copenhaga, Dinamarca.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Mar
3
Ter
Seminário “Ecologia e Espiritualidade” @ ISTA - Convento de S. Domingos
Mar 3@18:00_20:15

O seminário consta de oito sessões semanais, de 3 de Março a 28 de Abril e tem preços reduzidos de participação para estudantes e desempregados.

 

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco