Testemunho

Lalla Aicha e o sismo em Marrocos

| 14 Set 2023

Terras berberes do Médio Atlas. Foto Pedro Mendo

Terras berberes do Médio Atlas. Foto © Pedro Mendo.

 

Num dia de Outono do ano passado… Orientava um retiro espiritual em Ouirgane, no Alto Atlas, a 40 quilómetros do [local onde se localizou agora o] epicentro do terremoto [que atingiu Marrocos na noite de sexta-feira, 8 de Setembro].

No final do dia, partimos, eu e as minhas estagiárias. Ao todo, sete mulheres e eu, numa caminhada… Na curva de uma colina, cruzámo-nos com uma velha amazighe que vigiava as suas cabras e cantava músicas melancólicas.

As meninas adoraram e quiseram conversar com ela. Ela aceitou e eu ia traduzindo… Depois de alguns minutos de conversa, ela convidou toda a gente para tomar chá na casa dela, no topo de uma pequena colina.

Ela preparou o chá e na mesa colocou pão caseiro, amlou [pasta de amêndoas esmagadas com óleo de argão], mel e nozes de Imlil… As raparigas ficaram espantadas com a generosidade desta velha mulher. Então ela começou a falar sobre a sua vida difícil, mas feliz.

Tratou as raparigas como se fossem as suas próprias filhas… Tocava-lhes nos cabelos como se as conhecesse desde sempre e dava-lhes conselhos de beleza para terem “olhos de anjo”. “Porque muitas vezes o Amor passa pelo olhar”, dizia ela.

O sol começava a pôr-se e pedimos licença para sair e Lalla Aicha acompanhou-nos até ao caminho no sopé da colina por cerca de cem metros. Antes de a saudar para partir, naturalmente as meninas cotizaram-se e entregaram-lhe 2.000 dirhams…

Lalla Aisha recusa categoricamente… E diz-lhes: “Posso ser pobre comparada com vocês, mas não sou uma mendiga… Cumpri o meu dever como os meus antepassados fizeram desde o início dos tempos: alimentar os viajantes que passam à beira de casa”.

Terras berberes do Médio Atlas. Foto Pedro Mendo (1)

“Cumpri o meu dever como os meus antepassados fizeram desde o início dos tempos: alimentar os viajantes que passam à beira de casa”. Foto © Pedro Mendo.

 

Depois, volta-se para suas cabras… Chama a mais velha de entre elas, a quem chama: Taskurt…

Taskurt vem para junto dela e todas as outras cabras a seguem e Lalla Aicha orienta o pequeno rebanho para um pequeno cercado. E vai para casa e fecha a porta…

As raparigas, quanto a elas, ficaram sem palavras diante da generosidade e dignidade desta velha mulher. No caminho de volta, um silêncio monástico abateu-se sobre o grupo…

À noite, ao jantar, explico-lhes a mentalidade dos Amazigues e o seu sentido inato de generosidade e de partilha. E que o facto de querer retribuir a generosidade é um insulto… Daí a reação de Lalla Aicha.

Ontem à noite, uma das raparigas que participou no retiro em Ouirgane e que é alto quadro de uma multinacional telefonou-me. Para ter notícias de Lalla Aicha depois do sismo…

Como Lalla não tinha telefone, resolvi ir a Ouirgane hoje para ver se ela ainda está viva…

Chego a Ouirgane… Procuro o caminho com dificuldade… Deslizo entre as árvores e de repente aparece a colina de Lalla Aicha, mas não a casa… O meu coração palpita descontroladamente… Disse a mim próprio que certamente teria morrido… Aproximei-me novamente e não havia mais sombra de dúvida: a casa está no chão e as cabras ainda lá estão, enterradas sob os escombros… Deixei escapar uma lágrima… Sentei-me numa pequena pedra para meditar e rezar por este anjo terrestre: Lalla Aicha…

Fico alguns minutos com os olhos fechados… De repente, sinto alguém bater-me no ombro esquerdo… Abro os olhos. É um homem de certa idade…

“Não é, com certeza, da nossa aldeia. Posso ajudá-lo?…” Falou em darija.

Respondo em berbere: “Vim ver Lalla Aicha.”

Ele: “A casa dela está destruída e o seu pequeno rebanho está dizimado… Mas Lalla Aicha está viva.”

Não acreditava no que ele dizia…

Depois acrescentou que na noite em que houve o sismo ela estava na casa da filha, na base da aldeia, e a casa de lá aguentou…

O milagre funcionou para esta velha mulher… E quando contei o seu destino a todas as raparigas que ela acolheu em casa com tanto carinho e generosidade, elas decidiram unanimemente que financiássemos juntos a reconstrução da sua casa e a compra de um novo rebanho…

Amanhã encontrar-me-ei com Lalla Aicha para lhe transmitir esta boa notícia…

E como diz o ditado: “Tudo passa… e isto também acabará por passar!”

Azul!*

 

*“Bom dia”, em tamazigue.

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This