Atual prelado de Lille

Laurent Ulrich nomeado arcebispo de Paris

| 26 Abr 2022

Laurent Ulrich nomeado arcebispo de Paris. Foto © Mory Hugo, CC BY-SA 4.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0>, via Wikimedia Commons

Laurent Ulrich nomeado arcebispo de Paris. Foto © Mory Hugo, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons.

 

O atual arcebispo de Lille, Laurent Ulrich, foi nomeado arcebispo de Paris pelo Papa Francisco na terça-feira, 26 de Abril. Laurent Bernard Marie Ulrich, de 70 anos, é apresentado como tendo um perfil moderado e sendo possuidor de uma sensibilidade social que o levou a implicar-se na causa dos migrantes.

O novo arcebispo — que sucede a Michel Aupetit, depois deste ter apresentado a sua demissão ao Papa no final de 2021 — é visto, de acordo com o jornal católico La Croix, como um homem “de transição”, dada a sua idade, 70 anos. “Este homem de diálogo terá a missão de apaziguar uma diocese ainda abalada pela renúncia de seu arcebispo anterior”, descreve o diário.

De acordo com um breve perfil publicado pelo portal Vatican News, Ulrich foi eleito arcebispo de Chambéry e bispo de Saint-Jean-de-Maurienne et Tarentaise em 6 de junho de 2000, e consagrado em 10 de setembro do mesmo ano. A 1 de fevereiro de 2008 foi nomeado arcebispo de Lille, tornando-se arcebispo em 29 de março seguinte, quando a Sé de Lille foi elevada ao estatuto de metropolita. Na Conferência Episcopal Francesa, é presidente do Conselho para o Ensino Católico.

Numa entrevista à RCF Hauts-de-France, uma rádio católica local, citada pela Vatican News, Ulrich relatou que ficou surpreendido com a notícia da escolha do Papa Francisco em confiar-lhe a Arquidiocese de Paris.

“Foi uma surpresa completa. Imediatamente expressei diante do núncio uma grande surpresa, espanto, quase uma maneira de dizer ‘não’. Lutei interiormente e espiritualmente porque disse a mim mesmo que não era para mim e que não sou a pessoa certa para este trabalho. Já tenho alguns anos de serviço, imagine que esta é a quarta diocese que vou servir. É uma ginástica. O meu ministério como arcebispo de Paris será um ministério que quer manifestar a amizade de Cristo. Contudo, não sei se serei capaz de demonstrar isso com minhas qualidades e meus defeitos. Não sei se serei realmente capaz de mostrar isso, mas é meu profundo desejo considerar os parisienses como meus amigos. Nunca visei uma posição, nunca tive outra ambição a não ser fazer o que a Igreja me pede.”

 

No regresso do Papa a África, esperam-se encontros “comoventes” e recordes de participação

31 de janeiro a 5 de fevereiro

No regresso do Papa a África, esperam-se encontros “comoventes” e recordes de participação novidade

Não foi a 37ª viagem apostólica de Francisco, como estava previsto, mas vai ser a 40ª: de 31 de janeiro a 5 de fevereiro, o Papa cumprirá o prometido e visitará a República Democrática do Congo e o Sudão do Sul. Entre os muitos compromissos agendados, incluem-se dois encontros que o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, prevê que sejam “comoventes”: um com vítimas de violência, outro com deslocados internos. E a missa do dia 1 de fevereiro, no aeroporto Kinshasa-Ndolo, é forte candidata ao top dos eventos mais concorridos deste pontificado.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Murais recordam vítimas do Holocausto

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz? novidade

Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie: se a família criada por Matt Groening tivesse vivido em Itália nos anos 40 e fosse judia, teria certamente sido forçada a partir da Plataforma 21, na Estação Central de Milão, com destino aos campos de concentração de Auschwitz. Sobreviveriam? O ativista e artista pop contemporâneo aleXsandro Palombo quer acreditar que sim, mas nunca mais seriam os mesmos. Assim, para assinalar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de janeiro), retratou-os junto a essa mesma estação, num “antes e depois” que não deixa ninguém que ali passe indiferente.

Custo do palco da JMJ “magoou” responsáveis mas haverá novas conversas e pode ser reduzido

Igreja prevê gastar 80 milhões de euros à sua conta

Custo do palco da JMJ “magoou” responsáveis mas haverá novas conversas e pode ser reduzido

O custo anunciado de cinco milhões de euros para construir o palco principal da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 “magoou” os responsáveis da Igreja e da iniciativa. A confissão foi do próprio bispo auxiliar de Lisboa Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ, que diz que agora é possível estudar soluções alternativas que reduzam os custos. Ao mesmo tempo, o mesmo responsável diz que estão orçamentados 80 milhões de euros para os custos de organização por parte da Igreja, relativos sobretudo ao acolhimento dos peregrinos – alimentação, alojamento e outros aspectos relacionados.

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

Dia em Memória das Vítimas assinala-se nesta sexta, 27

Irene Pimentel: “Não aprendemos com a História” e por isso devemos perceber como chegámos ao Holocausto

“Está mais que provado que a História nos ensina muito pouco!” A frase é da historiadora Irene Pimentel. Valerá então a pena continuar a estudá-la e a transmiti-la, particularmente aos mais jovens? A Prémio Pessoa responde, a propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala neste 27 de janeiro.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This