No Estado de Karnataka

Lei anticonversão aprovada na Índia. Católicos sentem-se traídos

| 19 Mai 2022

cruz em gujarat india foto traveler 1116

Uma cruz em Gujarat, na Índia. Têm aumentado as tensões com as minorias cristãs e muçulmanas. Foto © Traveler 1116

 

Os cristãos no estado indiano de Karnataka sentem-se traídos e feridos depois do Governo local ter criminalizado as conversões religiosas ignorando as suas preocupações, sintetizou o arcebispo Peter Machado, de Bangalore, que dirige o fórum regional dos bispos.

“A comunidade cristã sente-se traída quando os seus sentimentos não são tidos em conta e os seus serviços abnegados nas áreas de educação, saúde e outras áreas sociais para o bem-estar de todas as comunidades não são levados em consideração”, afirmou Peter Machado num comunicado datado de 18 de maio e citado pela agência UCA News.

A declaração do prelado surge um dia depois do governo do estado, do partido nacionalista hindu Bharatiya Janata (BJP), ter promulgado uma portaria em 17 de maio.

Um projeto de lei sobre Direito à Liberdade de Religião de Karnataka, aprovado pela assembleia legislativa estadual em dezembro passado, não obteve apoio suficiente no conselho legislativo e na câmara alta, cuja aprovação final é necessária para que qualquer lei entre em vigor. Então, o governo liderado pelo BJP decidiu legislar por decreto para implementar esta lei anticonversão.

O arcebispo Machado, que preside ao conselho dos bispos do estado, apelidou a medida de “grande deceção”, classificando-a como “profundamente perturbadora e dolorosa” para os cristãos do estado.

Segundo o prelado, os cristãos disseram repetidamente que esta lei “apenas visava dividir os cristãos e outras minorias religiosas”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This