Leigos e mulheres à frente de paróquias: Igreja Católica alemã ensaia novos modelos de liderança

| 21 Jun 20

Foto KFD Comunidade Catolica das Mulheres Alemanha

“… porque eu também sou Igreja”, diz o cartão que esta mulher alemã tem na mão. Foto © KFD/Mulheres Católicas da Alemanha

 

“Que formato necessita a Igreja para estar capaz de enfrentar o futuro? Como responder às mudanças profundas que acontecem na sociedade, na pastoral e nos campos profissionais dentro da Igreja, de forma a que a Igreja possa responder aos desafios do nosso tempo?”

Com esta introdução, a diocese de Münster, uma das maiores da Alemanha, acaba de apresentar um documento sobre o tema “Liderança e responsabilidade na Igreja”. Trata-se de uma brochura destinada a provocar debate e reflexão a todos os níveis diocesanos. Apresentam-se vários modelos de liderança para as comunidades paroquiais, como alternativas ao modelo tradicional de um padre/pároco por paróquia.

Segundo o documento, este modelo tradicional não é praticável, por falta de recursos humanos (padres), nem é desejável numa Igreja que, desde o Concílio Vaticano II, não se cansa de sublinhar a responsabilidade conjunta de todos os baptizados. E também não tem futuro numa sociedade que cada vez mais tem dificuldades em perceber, por exemplo, a exclusão das mulheres dos ministérios ordenados da Igreja ou a falta de participação democrática de todos os membros ao nível das decisões que a todos dizem respeito. “A liderança na Igreja tem muitos rostos”, podia bem ser o título deste documento publicado neste mês de Junho.

Entre esses rostos, entre os diferentes modelos possíveis, está a possibilidade de a responsabilidade pela paróquia do futuro ser entregue a um leigo, homem ou mulher, possibilidade aliás já prevista no cânon 517 §2 do Código de Direito Canónico.

Münster está a reflectir, mas outras dioceses já o concretizaram. Na diocese de Osnabrueck, vizinha de Münster, uma mulher orienta duas paróquias em Bad Iburg. Trata-se, neste caso concreto, de uma mulher, leiga, com estudos de teologia, a assumir a responsabilidade correspondente à do pároco.

Mulheres em cargos directivos nas dioceses alemãs é algo que vem de há algum tempo e deixaram de ser casos “exóticos” ou raros. Há várias cúrias diocesanas que incluem mulheres. A diocese de Limburgo tem uma mulher à frente da cúria da pastoral diocesana, responsável directa por vários secretariados. A diocese de Mainz tem também uma mulher no grupo de pessoas que todas as semanas se reúne com o bispo para, em conjunto, tomar decisões e ditar directivas para a diocese.  Segundo um estudo da Conferência Episcopal Alemã, já em 2018, cerca de 19% dos responsáveis diocesanos – ao mais alto nível, isto é, membros das cúrias diocesanas – eram mulheres (contra 42% de homens leigos e 39% de clérigos). De então para cá, a percentagem de mulheres deve ter aumentado. Já nos quadros intermédios (responsabilidade por secretariados ou institutos diocesanos) a percentagem de mulheres atingia, em 2018, os 23%.

Apesar disso, os movimentos de mulheres católicas alemãs não se dão por satisfeitos. Aquando da preparação do debate sinodal em curso, designado “Caminho Sinodal”, iniciado no Advento de 2019 e cuja primeira assembleia geral teve lugar em Frankfurt em finais de Janeiro passado, a questão do lugar das mulheres na Igreja foi admitida à última hora como “fórum” (quatro no conjunto), sob pressão dos grupos de mulheres e das suas delegadas ao Comité Central dos Católicos Alemães. Nada de relevante acontece na Igreja alemã – como seja uma assembleia plenária da Conferência Episcopal ou uma jornada nacional – que as mulheres não se mobilizem para manifestar o seu protesto contra a exclusão das mulheres dos ministérios ordenados.

O presidente-cessante da Conferência Episcopal, cardeal Reinhard Marx, levantou mesmo a possibilidade de colocar uma mulher como vigário-geral, num duo em conjunto com um padre. O cardeal Marx defende claramente a necessidade de colocar mais mulheres nas instâncias de liderança da Igreja. Num relatório apresentado ao Conselho dos Cardeais, o órgão de consulta do Papa do qual é membro, Marx afirmava que “mulheres na liderança da Igreja dão um um contributo decisivo para a superação de círculos clericalistas fechados”, círculos esses que seriam meio propício para fenómenos como a violência e os abusos sexuais sobre menores. “Para que acreditem em nós como Igreja, e como bispo desta Igreja, temos de tentar tudo para conseguir mais mulheres para tarefas e instâncias directivas”, afirmava Marx perante o Conselho de Cardeais.

O sucessor de Marx na presidência da Conferência Episcopal Alemã, Georg Bätzing, bispo de Limburgo, considerado um moderado dentro da conferência, segue, no entanto, a mesma linha reformadora. Interrogado sobre a questão das mulheres na Igreja, afirmava: “Como bispo tenho de verificar que a exclusão das mulheres dos ministérios ordenados é vista pela sociedade como uma injustiça e como uma postura nada adaptada ao nosso tempo”. No entanto, numa entrevista recente ao Kölner Stadtanzeige, Bätzing recuava, afirmando que exigir igualdade entre homens e mulheres dentro da Igreja não implica necessariamente defender a ordenação das mulheres. A crítica a esta posição conciliadora não se fez esperar. Um grupo de mulheres do movimento Maria 2.0, da diocese de Hildesheim, numa carta que lhe dirigiu, protestava que a igualdade não se pode fragmentar. Ou se trata de igualdade em tudo ou não é igualdade.

O tema do lugar das mulheres na Igreja é, na Alemanha, um tema de actualidade permanente. A vizinhança das Igrejas luteranas que, como é sabido, têm mulheres como pastores e como bispos, não deixará de ter a sua influência. Mas, mais que a experiência ecuménica, é decisiva a evolução no seio da própria Igreja Católica na Alemanha e na teologia. E aqui há que referir o peso das faculdades de teologia, com um número crescente de mulheres catedráticas, bem como a percentagem maioritária de mulheres entre os estudantes de teologia. Estudantes de teologia que, uma vez formadas, têm acesso não só a aulas de religião e moral, mas aos secretariados diocesanos e capelanias, bem como aos lugares de assistente pastoral.

Na sua maioria, são as mulheres que coordenam de facto as actividades e iniciativas diocesanas. E aí sim está a grande força das mulheres, o seu lobby, na Igreja da Alemanha. A questão da ordenação das mulheres é uma entre muitas outras. A presença de facto das mulheres na liderança das comunidades – mulheres-pároco – já é uma realidade, um “facto consumado”, um passo em frente neste tema da igualdade dentro da Igreja, tanto ou mais importante que a questão da ordenação.

 

Artigos relacionados

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

“Fratelli Tutti”: Os desafios missionários do Papa Francisco

A Igreja Católica assinala neste domingo, 18 de Outubro, o Dia Mundial das Missões. A esse propósito e com esse pretexto, o padre Tony Neves, dos Missionários Espiritanos, escreveu uma análise da Fratelli Tutti em chave missionária. A nova encíclica do Papa Francisco, divulgada há duas semanas, já foi objecto de várias leituras no 7MARGENS. Tony Neves considera-a “um texto inspirador para estes tempos de pandemia mundial”. 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Papa aceita demissão de bispo polaco acusado de encobrir abusos sexuais novidade

O Papa Francisco aceitou o pedido de resignação de Edward Janiak, bispo de Kalisz (Polónia), depois de, no passado mês de junho, ter ordenado o seu afastamento da diocese por suspeitas de encobrimento de abusos sexuais de menores. A renúncia de Janiak, aos 68 anos, sete anos antes do previsto no Código de Direito Canónico, sugere que as suspeitas se terão confirmado.

Cardeal Maradiaga apresenta livro do presidente da Cáritas Portuguesa

O cardeal Rodriguez Maradiaga participa, nesta quarta-feira, 14 de Outubro, na apresentação do livro Estende a Tua Mão ao Pobre (ed. Paulinas), de Eugénio Fonseca, actual presidente da Cáritas Portuguesa. Através da plataforma virtual Teams, o arcebispo de Tegucigalpa (Honduras) falará sobre a nova encíclica Fratelli Tutti (Todos irmãos), às 21h30 desta quarta, 14 de Outubro.

Campanha dos jesuítas para “ajudar o Líbano” recolheu 30 mil euros

A campanha “Ajudar o Líbano”, promovida pela Companhia de Jesus e pelo seu portal PontoSJ, angariou 30.098,57 euros. Agora, os donativos angariados serão enviados para a Rede Xavier, que os aplicará localmente em Beirute, no apoio às populações mais atingidas pelas explosões de Agosto, e na reconstrução das obras e comunidades dos jesuítas que ficaram danificadas pelas explosões.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Entre margens

Eliminar a pobreza, sanar o tecido social novidade

Voltou a haver pobreza em Portugal como não havia, diz-se, desde há 100 anos. Não sei se será bem assim, mas que há mais pobreza, há. Vê-se muito mais gente nas ruas a pedir ajuda, envergonhada, aviltada, desconfortável com a sua nova situação. Gente que, talvez até há menos de um ano, não esperava chegar ao ponto de se ver obrigada a ir para a rua pedir para comer. Frequentemente, gente de meia-idade ou bem mais velha.

Chorar em Fátima

Apeteceu-me dizer aos companheiros dos círculos ao lado que sou ateu, que me ensinem como é sentir o que eles sentem. Que importa? Senti o coração a abrir-se e descobrir que também sou uma árvore frondosa como o meu pai e a minha mãe desejaram que eu fosse.

Cultura e artes

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Não ter medo da covid

Nesta crise da covid tenho ouvido cada vez mais falar em medo, em “manipulação pelo medo” em “não ceder à estratégia do medo”. Parece que há por aí quem acredite que os governos têm um plano secreto de instalação do totalitarismo, e a covid é apenas uma excelente desculpa para a pôr em prática.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco


Notice: Undefined index: HTTP_REFERER in /home/setemargve/www/wp-content/plugins/smart-marketing-for-wp/egoi-for-wp.php on line 188