Leigos e mulheres à frente de paróquias: Igreja Católica alemã ensaia novos modelos de liderança

| 21 Jun 20

Foto KFD Comunidade Catolica das Mulheres Alemanha

“… porque eu também sou Igreja”, diz o cartão que esta mulher alemã tem na mão. Foto © KFD/Mulheres Católicas da Alemanha

 

“Que formato necessita a Igreja para estar capaz de enfrentar o futuro? Como responder às mudanças profundas que acontecem na sociedade, na pastoral e nos campos profissionais dentro da Igreja, de forma a que a Igreja possa responder aos desafios do nosso tempo?”

Com esta introdução, a diocese de Münster, uma das maiores da Alemanha, acaba de apresentar um documento sobre o tema “Liderança e responsabilidade na Igreja”. Trata-se de uma brochura destinada a provocar debate e reflexão a todos os níveis diocesanos. Apresentam-se vários modelos de liderança para as comunidades paroquiais, como alternativas ao modelo tradicional de um padre/pároco por paróquia.

Segundo o documento, este modelo tradicional não é praticável, por falta de recursos humanos (padres), nem é desejável numa Igreja que, desde o Concílio Vaticano II, não se cansa de sublinhar a responsabilidade conjunta de todos os baptizados. E também não tem futuro numa sociedade que cada vez mais tem dificuldades em perceber, por exemplo, a exclusão das mulheres dos ministérios ordenados da Igreja ou a falta de participação democrática de todos os membros ao nível das decisões que a todos dizem respeito. “A liderança na Igreja tem muitos rostos”, podia bem ser o título deste documento publicado neste mês de Junho.

Entre esses rostos, entre os diferentes modelos possíveis, está a possibilidade de a responsabilidade pela paróquia do futuro ser entregue a um leigo, homem ou mulher, possibilidade aliás já prevista no cânon 517 §2 do Código de Direito Canónico.

Münster está a reflectir, mas outras dioceses já o concretizaram. Na diocese de Osnabrueck, vizinha de Münster, uma mulher orienta duas paróquias em Bad Iburg. Trata-se, neste caso concreto, de uma mulher, leiga, com estudos de teologia, a assumir a responsabilidade correspondente à do pároco.

Mulheres em cargos directivos nas dioceses alemãs é algo que vem de há algum tempo e deixaram de ser casos “exóticos” ou raros. Há várias cúrias diocesanas que incluem mulheres. A diocese de Limburgo tem uma mulher à frente da cúria da pastoral diocesana, responsável directa por vários secretariados. A diocese de Mainz tem também uma mulher no grupo de pessoas que todas as semanas se reúne com o bispo para, em conjunto, tomar decisões e ditar directivas para a diocese.  Segundo um estudo da Conferência Episcopal Alemã, já em 2018, cerca de 19% dos responsáveis diocesanos – ao mais alto nível, isto é, membros das cúrias diocesanas – eram mulheres (contra 42% de homens leigos e 39% de clérigos). De então para cá, a percentagem de mulheres deve ter aumentado. Já nos quadros intermédios (responsabilidade por secretariados ou institutos diocesanos) a percentagem de mulheres atingia, em 2018, os 23%.

Apesar disso, os movimentos de mulheres católicas alemãs não se dão por satisfeitos. Aquando da preparação do debate sinodal em curso, designado “Caminho Sinodal”, iniciado no Advento de 2019 e cuja primeira assembleia geral teve lugar em Frankfurt em finais de Janeiro passado, a questão do lugar das mulheres na Igreja foi admitida à última hora como “fórum” (quatro no conjunto), sob pressão dos grupos de mulheres e das suas delegadas ao Comité Central dos Católicos Alemães. Nada de relevante acontece na Igreja alemã – como seja uma assembleia plenária da Conferência Episcopal ou uma jornada nacional – que as mulheres não se mobilizem para manifestar o seu protesto contra a exclusão das mulheres dos ministérios ordenados.

O presidente-cessante da Conferência Episcopal, cardeal Reinhard Marx, levantou mesmo a possibilidade de colocar uma mulher como vigário-geral, num duo em conjunto com um padre. O cardeal Marx defende claramente a necessidade de colocar mais mulheres nas instâncias de liderança da Igreja. Num relatório apresentado ao Conselho dos Cardeais, o órgão de consulta do Papa do qual é membro, Marx afirmava que “mulheres na liderança da Igreja dão um um contributo decisivo para a superação de círculos clericalistas fechados”, círculos esses que seriam meio propício para fenómenos como a violência e os abusos sexuais sobre menores. “Para que acreditem em nós como Igreja, e como bispo desta Igreja, temos de tentar tudo para conseguir mais mulheres para tarefas e instâncias directivas”, afirmava Marx perante o Conselho de Cardeais.

O sucessor de Marx na presidência da Conferência Episcopal Alemã, Georg Bätzing, bispo de Limburgo, considerado um moderado dentro da conferência, segue, no entanto, a mesma linha reformadora. Interrogado sobre a questão das mulheres na Igreja, afirmava: “Como bispo tenho de verificar que a exclusão das mulheres dos ministérios ordenados é vista pela sociedade como uma injustiça e como uma postura nada adaptada ao nosso tempo”. No entanto, numa entrevista recente ao Kölner Stadtanzeige, Bätzing recuava, afirmando que exigir igualdade entre homens e mulheres dentro da Igreja não implica necessariamente defender a ordenação das mulheres. A crítica a esta posição conciliadora não se fez esperar. Um grupo de mulheres do movimento Maria 2.0, da diocese de Hildesheim, numa carta que lhe dirigiu, protestava que a igualdade não se pode fragmentar. Ou se trata de igualdade em tudo ou não é igualdade.

O tema do lugar das mulheres na Igreja é, na Alemanha, um tema de actualidade permanente. A vizinhança das Igrejas luteranas que, como é sabido, têm mulheres como pastores e como bispos, não deixará de ter a sua influência. Mas, mais que a experiência ecuménica, é decisiva a evolução no seio da própria Igreja Católica na Alemanha e na teologia. E aqui há que referir o peso das faculdades de teologia, com um número crescente de mulheres catedráticas, bem como a percentagem maioritária de mulheres entre os estudantes de teologia. Estudantes de teologia que, uma vez formadas, têm acesso não só a aulas de religião e moral, mas aos secretariados diocesanos e capelanias, bem como aos lugares de assistente pastoral.

Na sua maioria, são as mulheres que coordenam de facto as actividades e iniciativas diocesanas. E aí sim está a grande força das mulheres, o seu lobby, na Igreja da Alemanha. A questão da ordenação das mulheres é uma entre muitas outras. A presença de facto das mulheres na liderança das comunidades – mulheres-pároco – já é uma realidade, um “facto consumado”, um passo em frente neste tema da igualdade dentro da Igreja, tanto ou mais importante que a questão da ordenação.

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

50 anos do “Caso Añoveros”: quando a Igreja Católica afrontou o regime de Franco

Uma grave crise entre Espanha e Vaticano

50 anos do “Caso Añoveros”: quando a Igreja Católica afrontou o regime de Franco novidade

Com o franquismo já em fase declinante, um bispo defendeu o direito do povo basco à sua identidade, o governo de Franco quis expulsá-lo e a crise que se desencadeou foi tal que esteve iminente o corte de relações entre a Espanha e o Vaticano

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Líder do Conselho Mundial de Igrejas com líderes políticos e religiosos na Terra Santa para fazer ouvir o apelo a “uma paz justa”

Visita termina esta quinta-feira

Líder do Conselho Mundial de Igrejas com líderes políticos e religiosos na Terra Santa para fazer ouvir o apelo a “uma paz justa”

Ao longo dos últimos seis dias, o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Jerry Pillay, empenhou-se a 100% naquela que designou de “uma missão especial”. E não é caso para menos. O líder religioso – que representa 352 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e evangélicas em todo o mundo – esteve em Israel e na Palestina, numa tentativa de “tornar mais forte” e verdadeiramente audível o apelo que há muito vem fazendo “por uma paz justa” na região.

É notícia

Entre margens

O regresso da sombra da escravidão

O regresso da sombra da escravidão novidade

Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes. A fim de ser concreta também a nossa Quaresma, o primeiro passo é querer ver a realidade. O direito internacional e a dignidade humana são desprezados. [O texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Cultura e artes

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Franz Karl Praßl em concerto

No Mosteiro de S. Vicente de Fora, em Lisboa

Franz Karl Praßl em concerto

Franz Karl Praßl, (Prassl), Professor de Canto Gregoriano do Pontificio Istituto di Musica Sacra no Vaticano, vai dar um concerto seguido de missa no Mosteiro de S. Vicente de Fora, em Lisboa. O evento está englobado num seminário que o professor austríaco está a dar aos alunos da Escola Artística do Instituto Gregoriano de Lisboa, e servirá para encerrar os trabalhos.

Sete Partidas

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This