Clube em Bragança

Ler em conjunto, em silêncio

| 23 Jun 2024

Silent Book Club Bragança pode ser encontrado no Instagram. Foto © DR

Silent Book Club Bragança pode ser encontrado no Instagram. Foto © DR

 

Que fazem 13 pessoas, sentadas em várias mesas de uma esplanada, todas em silêncio? Leem! Leem cada uma o seu livro, mas leem em conjunto, no mesmo local, à mesma hora. E porque não ficaram em suas casas a ler o seu livro? Porque sabem que em casa é mais difícil parar e pegar no livro e é mais fácil serem interrompidos. É por isso que em Bragança há um clube de leitura silenciosa. É o quarto no país e volta a reunir no dia 10 de julho.

A iniciativa partiu de duas Anas. Vivem em duas aldeias próximas de Bragança. Conheceram-se, ainda antes de virem morar para o Nordeste, por causa dos livros. Foi o facto de fazerem parte de um clube de leitura – daqueles em que toda a gente lê ao mesmo tempo o mesmo livro e depois troca opiniões e ideias a partir dessa leitura – que aproximou Ana Pedrosa e Ana Guimarães. Ambas prolongaram esse hábito de leituras comuns com outros através do clube de leitura da Biblioteca Municipal de Bragança. Clube de que ainda fazem parte, assim como outras pessoas que também frequentam o clube silencioso.

“Quem me falou dos clubes de leitura silenciosa foi uma amiga de Lisboa que integrou um destes clubes em Cascais”, conta Ana Pedrosa ao 7MONTES, acrescentando: “para quem se sente constrangido nos clubes de leitura habituais por ser incentivado a partilhar o que leu, estes são mais tranquilos. Nestes não há regras, cada um lê o que quiser, no formato que lhe apetecer, desde que o faça em silêncio”.

Uns não invalidam os outros, mas os ‘silenciosos’ permitem uma participação, mais descomprometida, mas não menos social. “Encontramo-nos sempre num espaço público, trocamos dois dedos de conversa, cada um encomenda qualquer coisa e depois fica tudo em silêncio durante 45 minutos”. No final, aqueles que ainda têm um pouco de tempo, conversam sobre tudo e nada, ou seja, sobre os autores e os livros que estão a ler, ou sobre o tempo que faz, as notícias que importam, ou sobre a vida que levam.

As primeiras convidadas foram as pessoas que já frequentavam o clube de leitura da Biblioteca Municipal de Bragança. Depois as Anas criaram um endereço no Instagram para dar a conhecer a iniciativa. Já se encontraram por duas vezes, uma no mês de maio (na esplanada da Praça de Bragança), outra em junho (na confeitaria Pão de Gimonde [ver 7MONTES]). Por coincidência, foram sempre 13 pessoas, embora não sendo todas as mesmas. De todas as idades, entre os 20 e os 81 anos. O próximo encontro é a 10 de julho, em local a anunciar na semana anterior através do Instagram do clube. Até agora participam mais mulheres do que homens. Há gente que lê em francês, outros em inglês, mas a maioria prefere autores portugueses. E leem de tudo: BD, ficção, poesia e ensaio. Cada qual escolhe o que mais lhe interessa.

Segundo o sítio que identifica os clubes existentes em todo o mundo, em Portugal há quatro, mais do que em Espanha. Mais informação sobre a origem, o método e a história dos clubes de leitura silenciosa pode ser encontrada no sítio criado pelas duas americanas que o iniciaram, onde também pode subscrever a newsletter mensal dos clubes. Quem quiser participar na próxima sessão em Bragança, fique atento ao Instagram onde também pode recolher (e solicitar) ideias para lançar o seu próprio clube.

pe de pagina Journalismfund Europe 7MONTES (1)

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica?

Onde estão as mulheres na música litúrgica católica? novidade

Na música, um dos ministérios mais estruturantes da liturgia católica, este paradigma mantém-se, embora com nuances particulares: salvo algumas (felizmente, cada vez mais) exceções, o ministério do canto, domingo a domingo, é, em Portugal, sustentado maioritariamente por mulheres e a regência dos coros é, preferencialmente, entregue a homens

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This